Trump veta fim do envolvimento militar no Iémen

David Maxwell / EPA

O Presidente norte-americano vetou esta quarta-feira a resolução aprovada pelo Congresso no início deste mês que exortava Donald Trump a terminar com todo o apoio à coligação militar saudita que intervém no Iémen.

“Esta resolução é uma tentativa desnecessária e perigosa de enfraquecer os meus poderes constitucionais, pondo em perigo a vida dos cidadãos norte-americanos”, afirmou Trump, numa declaração sobre o texto adotado pelas duas câmaras do Congresso no dia 4 de abril.

Pela primeira vez em 45 anos, o Congresso utilizou uma lei votada em 1973, denominada War Powers Resolution (resolução de poderes de guerra numa tradução livre), para limitar os poderes militares de um Presidente do país.

A rara união entre deputados Democratas e Republicanos nesta votação pode ser explicada em grande medida pela profunda cólera no Congresso pelo assassínio em Istambul do jornalista saudita Jamal Khashoggi em outubro de 2018, por um comando de Riade.

O veto já era esperado, pois em março a Casa Branca já havia manifestado “firme oposição” a esta resolução “imperfeita”, dando a entender que seria bloqueada pelo Presidente. Com a resolução sobre o Iémen, o Congresso exigia a Trump a retirada das “forças armadas americanas das hostilidades que atingem a República do Iémen”, à exceção das operações que visem a Al-Qaida e associados.

Desde 2015 que o Pentágono fornece um “apoio não-combatente” à coligação conduzida pela Arábia Saudita no Iémen, incluindo a entrega de armamento e fornecimento de informações. No final de 2018 os EUA suspenderam as suas operações de abastecimento em voo da aviação saudita.

O Iémen regista um devastador conflito após a intervenção de uma coligação árabe sob comando saudita em março de 2015, em apoio às forças pró-governamentais contra os rebeldes huthis. As forças insurgentes são apoiadas pelo Irão, o grande rival xiita da Arábia Saudita sunita no Médio Oriente.

Segundo as Nações Unidas, este conflito provocou a maior catástrofe humanitária no mundo, com um balanço de mais de dez mil mortos. Diversas organizações não-governamentais consideram, contudo, que o balanço das vítimas é muito superior.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mais uma vez os EUA tinham de estar envolvidos, e até é bom que assim seja, com militares americanos no país é mais fácil fazer cumprir e executar o que prevê a listagem onde constem países ou grupos terroristas, como é o caso de agora, já que os EUA entraram directamente para o primeiro lugar dessa listagem. Portanto que comece o abate, perdão, a caça.

RESPONDER

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …

Quase cinco meses depois, a Champions está de volta

A Liga dos Campeões é retomada esta sexta-feira, quase cinco meses depois da suspensão devido à pandemia de covid-19. Suspensa logo depois do jogo Leipzig-Tottenham, disputado a 11 de março, a prova milionária está de regresso …