EUA travam guerra secreta contra rebeldes do Iémen

Forças especiais dos EUA estão a ajudar a Arábia Saudita na guerra que o reino árabe trava com rebeldes muçulmanos xiitas, na fronteira com o Iémen. Uma intervenção que se desenrola com o maior dos secretismos, conforme revela o jornal The New York Times.

O Pentágono tem insistido que a intervenção militar, no âmbito da guerra entre a Arábia Saudita e os rebeldes hutis, se limita a operações de logística e de abastecimento de aeronaves, e a partilha de informações. Mas o The New York Times assegura que forças especiais dos EUA estão a ajudar os sauditas nos combates.

Estes militares norte-americanos não estão a actuar directamente no Iémen, estando localizados na fronteira daquele país com a Arábia Saudita. O seu papel é “ajudar a localizar e a destruir esconderijos de mísseis balísticos” usados pelos rebeldes para atacar Riade, a capital saudita, e outras cidades do Reino, conforme nota o NYT.

O jornal sublinha que estes rebeldes “não representam ameaça directa para os Estados Unidos” e lembra que “durante anos, o exército americano procurou distanciar-se de uma brutal guerra civil no Iémen”, que decorre desde 2014.

Naquele ano, as milícias hutis invadiram a capital do Iémen, Saná, derrubando o presidente Abdrabbuh Mansour Hadi que tinha chegado ao poder com o apoio da ONU e que era visto pelos EUA como um aliado na luta contra o terrorismo.

Estes rebeldes muçulmanos seguem uma corrente do islamismo que é conhecida por zaidismo e que impera entre um terço da população do Iémen. Eles assumiram o controlo de vários territórios do país, mantendo confrontos com as forças do Governo, mas também com outros grupos tribais e com militantes da Al-Qaeda.

Acredita-se que os hutis sejam financiados pelo Irão, o grande rival da Arábia Saudita e dos EUA na região.

Os sauditas estão em guerra aberta com os hutis desde 2015, e a sua intervenção no Iémen chegou a ser criticada pela administração de Barack Obama que impôs mesmo a interdição da venda de armas dos EUA aos sauditas.

Mas a chegada de Donald Trump à Casa Branca ditou uma reaproximação entre os EUA e a Arábia Saudita. Basta lembrar que a primeira visita oficial de Trump ao estrangeiro, após ter sido eleito presidente, foi precisamente a Riade.

Em Março passado, após um encontro entre o Príncipe regente Mohammed e Trump, o Departamento de Estado norte-americano aprovou a venda aos sauditas de 670 milhões de euros (mais de 559 milhões de euros) em material militar, incluindo mísseis anti-tanque e helicópteros.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A origem da cratera Darvaza, no Turquemenistão, é um mistério secreto do domínio soviético

No Turquemenistão, mais precisamente no deserto de Karakum, uma cratera cospe fogo há décadas, mas a sua origem é considerada ultrassecreta. Nos áridos 350 mil km² do deserto de Karakum, que cobre cerca de 70% do …

França 1-0 Alemanha | Gauleses cantam de galo em Munique

A França, campeã mundial e vice-campeão europeia em título, venceu hoje a Alemanha por 1-0, em encontro da primeira jornada do Grupo F do Euro2020, disputado na Allianz Arena, em Munique. Um autogolo de Mats Hummels, …

Nunca chegou a vaguear no mar. Ford encontra mensagem centenária em garrafa numa estação de comboios nos EUA

Há muitas mensagens engarrafadas que começam e terminam a sua vida em barcos, na costa ou até mesmo no mar. Recentemente, a Ford Motor Company encontrou uma mensagem numa garrafa na antiga Estação Central de …

Há uma estranha petição a pedir que Jeff Bezos compre a Mona Lisa (e a coma)

Está a circular na Internet uma estranha petição que incentiva Jeff Bezos, fundador da Amazon, a comprar o quadro da Mona Lisa para o comer. A petição online "Queremos que Jeff Bezos compre e coma a …

Depois da reforma de Magawa, há uma nova recruta de ratos gigantes que detetam minas no Camboja

O Camboja recrutou uma nova equipa de ratos farejadores de minas para substituir os já "aposentados", num esforço para impulsionar as operações de desminagem no país. O país, atormentado durante décadas por munições não detonadas, recrutou …

Coca-Cola responde a Ronaldo: "Toda a gente tem direito às suas preferências"

Depois de Cristiano Ronaldo ter afastado duas garrafas de Coca-Cola durante uma conferência de imprensa, a marca respondeu ao jogador, dizendo que "toda a gente tem direito às suas preferências de bebidas". Numa conferência de imprensa …

Mochila voadora elétrica passa no primeiro teste em praia australiana

Qualquer um dava tudo para poder voar. Recentemente, uma startup australiana revelou o vídeo do primeiro voo de teste do seu dispositivo voador pessoal, com uma configuração totalmente elétrica que o torna mais amigo do …

"Lamento profundamente." Ex-diretor da BBC pede desculpas ao Príncipe William pela entrevista com Diana

Tony Hall, ex-diretor geral da BBC, lamentou "profundamente a dor" que a entrevista feita em 1995 a Diana de Gales causou ao príncipe William. O ex-diretor geral da rede BBC Tony Hall expressou, esta terça-feira, …

Fernando Santos: "O jogo esteve muito difícil"

Falta de eficácia durante a primeira parte poderia ter estragado os planos da campeã europeia, no jogo contra a Hungria. Portugal ganhou contra a Hungria por 3-0 mas, até aos 83 minutos, não houve golos em …

A partir de 2024, clientes vão pagar taxa pelas embalagens de take away

A partir de 2024, os clientes que comprarem comida através do take away vão passar a pagar uma taxa sobre as embalagens. A notícia é avançada esta terça-feira pelo Jornal de Notícias, que adianta que o …