Três meses depois do Idai, Moçambique ainda precisa de 60 milhões de euros

(h) IFRC / Denis Onyodi / EPA

Já passaram três meses desde que o Ciclone Idai, o fenómeno meteorológico que causou inundações em Madagáscar, Malawi e Zimbabué, e deixou um rasto de destruição em Moçambique.

A vida retoma, aos poucos, a normalidade, com reabertura de negócios e o início da reconstrução de habitações. “Estamos a fazer avaliações de todas estas áreas para ver quais os programas de reconstrução, reabilitação e resiliência poderemos fazer a longo prazo”, explicou à TSF Rafael Tarasantchi, do Programa Alimentar Mundial, que se tem dedicado a canalizar donativos para as áreas mais necessitadas.

No entanto, as contribuições reunidas ainda não são suficientes para resolver os estragos: “Apesar de o ciclone ter trazido muita atenção dos meios de comunicação social e da própria sociedade, com bastante ajuda e doações, ainda persiste uma falta de fundos para continuarmos a levar assistência às pessoas afetadas pelo ciclone Idai.”

“Lançamos um apelo de 140 milhões de dólares [124 milhões de euros] no início da fase de emergência, mas ainda faltam 67,7 milhões [60 milhões de euros] para a fase de reconstrução. A ajuda mais significativa para nós seria, neste momento, dinheiro”, salienta Rafael Tarasantchi.

A normalidade vai sendo restituída à cidade da Beira, testemunha o representante da organização. “Conseguimos ver, pela cidade da Beira, as pessoas a começar a reconstruir e a retomar as vidas, com a reabertura de lojas, por exemplo”, assegura. “Temos mecanismos financeiros que nos ajudam a antecipar algumas reservas para catástrofes, mas ainda necessitamos de contribuições.”

Rafael Tarasantchi manifesta a sua preocupação pela escassez de alimentos na zona. “A população depende, em grande parte, das populações do milho e do arroz, e grande parte perdeu-se com as cheias e com o ciclone, o que traz uma situação de insegurança alimentar muito grande”, pormenoriza. A ajuda em Moçambique será “necessária até à próxima grande colheita, em abril”, conclui.

A passagem do ciclone Idai por Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou a morte a pelo menos 761 pessoas, 446 das quais em Moçambique.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …