Banco de Portugal acusa Tomás Correia de falsificação de contas

António Cotrim / Lusa

Tomás Correia, ex-presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, é acusado de falsificação de contas pelo Banco de Portugal. O ex-banqueiro especulou com dívida pública e violou limites de investimento.

O Montepio violou os limites de investimento em títulos de dívida pública durante o auge da crise financeira, altura em que era governado por Tomás Correia. Embora o limite de obrigações fosse de 1,5 mil milhões de euros, o banco contava com 3 mil milhões.

Além disso, o Montepio investiu cerca de 200 milhões de euros em títulos de dívida da PT Internacional e 75 milhões de euros em produtos derivados da mesma empresa, mais uma vez violando os limites de exposição e não informando o Banco de Portugal.

A notícia avançada esta quarta-feira pelo jornal Público informa que o Banco de Portugal está agora a acusar o ex-banqueiro de falsificação de contas, num processo em que, caso as acusações se verifiquem verídicas, pode envolver contra-ordenações de 7,5 milhões de euros.

Na acusação são salientados atos de gestão “a título doloso” na divulgação de informação sobre a solidez do banco. Posteriormente, as conclusões legais do caso serão remetidas para o Ministério Público, a juntar ao processo que Tomás Correia tem por suspeitas de gestão danosa.

Grosso modo, Tomás Correia é acusado de, na altura em que era presidente da Caixa Económica Montepio Geral, não ter refletido nas contas divulgadas aos investidores o potencial risco do investimento em títulos de dívida pública e em produtos derivados da PT Internacional.

Barros Luís e João Neves são outros gestores que compunham a equipa de Tomás Correia que também são visados na acusação do Banco de Portugal.

O Banco de Portugal está a apontar a Tomás Correia seis infrações num processo relacionado com o tempo em que geriu o Banco Montepio. Como não conseguiu notificá-lo presencialmente na sua morada, optou por fazê-lo através do anúncio num jornal.

O anúncio com a notificação foi publicado na edição impressa do jornal Público, nesta segunda-feira, 3 de fevereiro, salientando que as infrações imputadas a Tomás Correia resultam de um processo de averiguações iniciado em 2017, no BdP.

Em causa estão seis infrações que não estarão relacionadas com o caso que já valeu a Tomás Correia uma multa de 1,5 milhões de euros no âmbito de irregularidades cometidas no Banco Caixa Económica Montepio, entre 2008 e 2015. Essa multa foi, posteriormente, anulada pelo Tribunal da Concorrência, uma decisão que o BdP vai contestar.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Entre o Banco de Portugal e o Montepio, tenho muito mais confiança no Montepio!….Como contribuinte já fui chamado muitas vezes, a pagar as incompetências e distracções do Banco de Portugal…..Como associado da Mutualista Montepio e cliente do Banco Montepio, sempre tive os meus direitos e regalias e bens garantidos e confirmados…

    • Amen! Li há tempos que o plano, proveniente e oriundo dos países nórdicos, é de acabar com as mutualidades/ “ building societies” por toda Europa. E claro, para serem substituídos por bancos privados, obrigando, assim, as pessoas a viverem à mercê dos bancos ( ainda mais do que actualmente) e de quem os rege e que só pensam em aumentar os lucros.

RESPONDER

O buraco negro mais faminto do Universo engole por dia uma massa equivalente à do Sol

No centro do quasar mais brilhante já descoberto "mora" um dos maiores buracos negros que é também o mais "faminto" de todo o Universo: por dia, engole o equivalente à massa do nosso Sol. As …

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …