Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 mil mortos.

O texto português “é um registo antigo de uma doença que passa de animais para humanos, e mostra que a quarentena pode ser eficaz para a travar”, disse à agência Lusa Sanjaya Senanayake, professor de doenças infecciosas na Universidade Nacional da Austrália, em Camberra.

Senanayake referia-se a uma passagem do “Tratado das ilhas Maluco e dos costumes índios e de tudo o mais”, de autor desconhecido, mas geralmente atribuído a António Galvão (c. 1490-1557).

Apelidado de “apóstolo das Molucas”, António Galvão governou a partir de Ternate as chamadas ilhas das Especiarias, na atual Indonésia, entre 1536 e 1540, tendo iniciado o seu mandato 15 anos depois da passagem pela região da expedição de Fernão de Magalhães, já comandada por Juan Sebastián Elcano.

O texto manuscrito foi encontrado no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha, e publicado em inglês (“A Treatsie on the Moluccas”, Hubert Jacobs, Jesuit Historical Institute, 1971) e em português contemporâneo (“Tratado das ilhas Molucas”, Luís de Albuquerque e Maria da Graça Pericão, Publicações Alfa, 1989).

A obra versa sobre o governo de António Galvão nas Molucas e nela se narra um surto de uma doença no final de abril de 1539, que primeiro matou galinhas e depois humanos.

“Com os ventos sul, veio esta enfermidade a Bachão [Bacan]; logo se espalhou por todas as ilhas, começando nas galinhas (…), que de António Galvão se acharam mais de cinquenta ou sessenta mortas, que se empolavam sãs e gordas; e depois lhe adoeceram passante de cento e dez pessoas, entre criados e escravos, que só um não ficou e a mor parte lhe faleceu, afora os portugueses e filhos deles”, lê-se no texto.

E por toda a terra era este mal tão geral que os não podiam enterrar e o mar era coalhado dos mortos e muitos lugares despovoados; andavam os homens e mulheres como pasmados, dizendo que nunca tal viram nem ouviram aos antepassados”, conta ainda o narrador.

Em dezembro de 2007, Sanjaya Senanayake e o historiador Brett Baker publicaram um artigo na revista científica The Medical Journal of Australia sobre o texto histórico, numa altura em que o mundo enfrentava a pandemia de gripe A, inicialmente designada como gripe suína.

“A epidemia do século XVI provavelmente não se espalhou devido ao isolamento das ilhas do resto do mundo por causa de padrões comerciais determinados pelo clima [monção]. Isto reforça o valor da quarentena (mesmo não intencional) ou do isolamento como medida de saúde pública. Dada a facilidade de circulação global de pessoas, animais e cargas na era moderna, a sua aplicação será agora um desafio muito maior”, concluíram Senanayake e Baker.

Sanjaya Senanayake admitiu à Lusa, num contacto telefónico em Camberra, que o estudo do texto português “não ajudou necessariamente a combater a gripe suína”.

Mas mostrou que o isolamento intencional das ilhas próximas de Ternate por não haver navegação do comércio das especiarias devido à ausência de vento terá evitado a disseminação de uma infeção que passou de animais para humanos.

A conclusão mantém-se atual, e Sanjaya Senanayake não tem dúvidas sobre a aplicação da quarentena para combater a covid-19, uma doença que se tornou global devido às viagens.

“As três coisas que usamos para combater a pandemia são quarentena, vacinas e medicamentos. São as três grandes ferramentas que temos para a covid-19”, disse Sanjaya Senanayake.

O especialista australiano admitiu que uma vacina para a covid-19 demorará “10 ou 12 meses” e que é impossível saber se haverá medicamentos eficazes em quantidade suficiente para tratar “milhões, dezenas de milhões ou centenas de milhões de pessoas”.

“Mas a quarentena é uma boa maneira de parar ou, pelo menos, de retardar um surto. E foi o que vimos neste texto português: a quarentena não intencional por causa das estações climáticas e a difícil acessibilidade mostram que a quarentena pode ser eficaz”, concluiu.

Sobre a atual pandemia, Sanjaya Senanayake é enfático ao dizer que “ninguém realmente sabe” quando é que poderá ser controlada.

O surto pode desaparecer ou pode piorar. (…) Até pode ser como a gripe espanhola em 1918, em que houve uma primeira onda que não foi tão má e, pouco tempo depois, houve uma segunda onda que foi muito, muito má”, lembrou, referindo-se à pandemia que matou mais de 50 milhões de pessoas.

“É absolutamente imprevisível. (…) Esperemos que não dure muito”, acrescentou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas capturaram em vídeo explosão de um enorme buraco negro

Uma equipa de astrónomos capturou o momento exato em que um buraco negro lança material quente para o Espaço à velocidade da luz. O telescópio espacial de raios-X Chandra captou a explosão de um buraco negro. …

Vitória SC 2-2 Sporting | Emoção, erros e golos no Castelo

Vitória de Guimarães e Sporting empataram 2-2 no “Castelo”, num bom jogo de futebol, com golos, emoção, bons lances colectivos, erros individuais e recuperações. Andraz Sporar, com dois golos, foi a figura da partida, o …

A seis meses das eleições, taxa de desaprovação de Trump atinge novo recorde

Mais de metade dos norte-americanos (54,2%) está insatisfeita com a liderança de Donald Trump, segundo as recentes pesquisas de opinião. De acordo com o jornal online Independent, que cita o site especializado em análise de pesquisas de …

O Uruguai passou no teste: a quantidade de idosos não parece tê-lo penalizado

O Uruguai tem quase 1.000 quilómetros de fronteira com o Brasil e a população mais envelhecida da América do Sul. Ainda assim, é o país sul-americano que melhor faz frente à pandemia de covid-19 na …

No trânsito, não só perdemos paciência como também saúde

Começar o dia com um engarrafamento é o truque ideal para o nosso dia ficar arruinado. O trânsito, além de alterar o humor, pode também afetar a nossa saúde. Além das consequências negativas diretas do trânsito, …

CO2 na atmosfera no nível mais alto de sempre em maio

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera atingiu, em maio, o nível mais alto de sempre, anunciaram cientistas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos. Em maio, a concentração de dióxido de …

Tem 15 anos e é o "coração de leão". Jyoti pedalou quase 1.200 quilómetros com o pai ferido na bicicleta

Jyoti Kumari, conhecida na Índia como "coração de leão", transportou o pai ferido por mais de 1.200 quilómetros de bicicleta, durante sete dias. Jyoti Kumari, uma adolescente de 15 anos, vivia com o pai em Gurugram, …

Açores considerados "um dos destinos mais seguros na Europa" em 2020

Os Açores são um dos destinos mais seguros da Europa em 2020. A distinção tem por base as medidas de segurança sanitárias, o baixo número de casos e a segurança no serviço de saúde. Os Açores …

Benfica 0 - 0 Tondela | Muro amarelo trava liderança da "águia"

Uma espécie de empate com sabor a derrota. Menos de 24 horas após o desaire do FC Porto ante o Famalicão por 2-1, o Benfica não foi além de um nulo na recepção desta quinta-feira …

Premier League aprova cinco substituições

A Premier League aprovou, esta quinta-feira, as cinco substituições por jogo até final da presente temporada, assim como o aumento do número de jogadores no banco de suplentes, de sete para nove. Os clubes da Liga …