Televisão pública dá dicas de maquilhagem para mulheres agredidas esconderem nódoas negras

O canal da televisão pública marroquina exibiu uma rubrica com dicas de maquilhagem para as mulheres maltratadas esconderem as nódoas negras sofridas com as agressões – uma emissão polémica que gerou revolta e que já levou o canal a pedir desculpas.

As imagens televisivas foram divulgadas na 2M, a estação pública de Marrocos, durante uma rubrica de maquilhagem do programa matinal “Sabahiyates”, no Dia Internacional de eliminação da violência contra as mulheres.

“Hoje, vamos abordar uma triste realidade. Mas, por ocasião da jornada mundial de luta contra as violências contra as mulheres, vamos mostrar as técnicas de maquilhagem que devem usar para esconder os vestígios de violência no vosso rosto”, disse a maquilhadora Lilia Mouline, citada pela Nessma.tv.

Lilia Mouline explicou então que a mulher que ia maquilhar tinha o rosto falsamente maltratado, devido a “efeitos cinematográficos”, e não verdadeiros ferimentos, relatou a AFP.

“O verde é usado, com a ajuda de um pincel, para camuflar a parte avermelhada” e “um corrector cor de laranja, mais amarelado, e depois uma base” de forma a cobrir os olhos negros, foram alguns dos conselhos dados pela maquilhadora, que acrescentou esperar “ter fornecido soluções às mulheres que têm necessidade destes conselhos, para que possam continuar a sua vida e ir trabalhar”.

Difundida na quarta-feira de manhã, a sequência passou despercebida, mas a emissão, colocada online na quinta-feira na página do canal, foi notada pelos internautas e suscitou numerosos comentários indignados nas redes sociais, tendo depois sido retirada do site.

“A 2M decidiu celebrar o Dia Internacional de Eliminação da Violência contra as Mulheres com maquilhagem anti-golpes”, criticou um utilizador de uma rede social.

“O canal 2M propõe-vos, meninas e senhoras, a solução para esconder o azul da vossa cara se os vossos maridos, pais ou irmãos vos partirem a cara”, comentava outro.

A revolta levou até à criação de uma petição pública online, apelando à Alta Autoridade para Comunicação Social de Marrocos, a HACA na sigla original, para penalizar o canal, considerando que a emissão é uma forma de “normalização da violência contra as mulheres”.

Num comunicado divulgado nesta sexta-feira, a direcção do canal considerou a rubrica “completamente inapropriada” e apresentou “as suas desculpas mais sinceras pelo erro de julgamento”, “dada a sensibilidade e gravidade do tema”.

De acordo com a organização não-governamental (ONG) internacional Human Rights Watch, “a brutalidade cometida contra as mulheres é moeda corrente” em Marrocos.

Um estudo feito em 2009-2010 pelo Governo concluiu que quase dois terços das mulheres foram vítimas de violência física, psicológica, sexual ou económica em Marrocos. Entre essas, “cerca de 55% disseram ser vítimas de violência doméstica”, adiantou a ONG.

O Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, que se assinala a 25 de Novembro, foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1999.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …

EUA aprovam terceira dose da Pfizer para maiores de 65 anos e grupos de risco

A Food and Drugs Adminustration (FDA) anunciou, na noite de quarta-feira, ter dado luz verde à administração de uma terceira dose da vacina da Pfizer em alguns casos. O organismo que regula a comercialização de medicamentos …

Estabelecimentos de Santos vão encerrar mais cedo. Psicólogos alertam que fim de restrições pode levar a excessos

Redução do horário é a solução encontrada pelos empresários para dar resposta à recente onda de criminalidade que se tem registado na zona de Santos. Especialistas em psicologia apontam o levantar das medidas de restrição, …

885 novos casos e cinco mortes. Internamentos continuam em queda

Portugal registou 885 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou, nas últimas …

Número de professores de informática é insuficiente para responder à procura

Aquela que poderia ser uma notícia positiva tem, na realidade, um contexto negativo, já que evidencia uma falha estrutural do sistema de ensino português. De acordo com as informações veiculadas pela Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), …

De olhos postos em Almada e com a aposta em Joana Mortágua, o Bloco volta a prometer passes a 20 euros

Em campanha em Almada com Joana Mortágua, a habitação e os passes sociais foram os temas em cima da mesa do Bloco de Esquerda. Depois de andar em campanha no Norte, o Bloco de Esquerda foi …