O táxi aéreo de Larry Page já voa na Nova Zelândia

Kitty Hawk

Cora, o carro voador da Kitty Hawk de Larry Page

Os táxis aéreos não são propriamente uma novidade. Muitas empresas de mobilidade urbana já investem na promissora tecnologia, e até mesmo quem não faz parte do setor já se adiantou na corrida.

É o caso de Larry Page, co-fundador da Google e agora presidente-executivo da Alphabet. A sua startup, a Kitty Hawk, está a testar um protótipo de táxi aéreo na Nova Zelândia desde outubro do ano passado.

O projeto foi mantido sob sigilo até agora. O objeto voador era visto a mover-se pelos céus da ilha, com um formato que remete a um cruzamento entre um drone e um pequeno avião, contando ainda com uma série de pequenas lâminas de rotor ao longo de cada asa, que lhe permite descolar como um helicóptero, e depois voar como um avião: um verdadeiro híbrido.

A Kitty Hawk, liderada por Sebastian Thrun – que ajudou a iniciar a unidade autónoma do carro da Google como diretor do Google X -, batizou o novo tipo de táxi aéreo totalmente elétrico de Cora e, como descrito até aqui, o projeto parece ser diferente de tudo o que já foi mostrado, apresentando-se como uma das propostas mais ambiciosas dos últimos tempos.

Em três anos, toda a locomoção aérea pode mudar

Para começar, Page pretende iniciar uma rede de táxis aéreos autónomos antes dos seus concorrentes. Para não chamar a atenção das outras empresas, os testes com o Cora foram realizados na Nova Zelândia como um projeto secreto, dirigido por uma empresa chamada Zephyr Airworks.

Agora que o projeto veio a público, Larry Page e a primeira ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, pretendem fechar um acordo para testar as propostas da Kitty Hawk de forma a firmar uma aprovação regulatória e, assim, posteriormente criar uma rede comercial de produção de táxis voadores na Nova Zelândia dentro de um período de três anos – o que marca um enorme avanço na expansão desta tecnologia.

Kitty Hawk

O táxi voador de Larry Page já voa nos céus da Nova Zelândia

De acordo com o New York Times, Ardern afirmou num e-mail que a decisão de trabalhar com a Kitty Hawk foi para enviar uma mensagem ao mundo de que as portas estão abertas a pessoas com ótimas ideias, e que pretendam transformá-las em realidade.

“Temos o objetivo ambicioso de liquidar a produção de gás carbono na Nova Zelândia até 2050”, acrescenta a primeira-ministra, e, considerando que o Cora é totalmente elétrico, “projetos emocionantes como este serão parte deste feito”.

Expansão para outros países

Nos Estados Unidos, este movimento representa um grande desafio para os reguladores, em particular para a Administração Federal de Aviação.

A organização permite que sejam feitos testes em veículos autónomos sob a sua jurisdição, mas não existe ainda uma lei que permita que os mesmos sejam certificados e comercializados. Por sinal, regras paras as recentes tecnologias foram adotadas há pouco tempo pela agência.

Noutros países, a permissão para voos não tripulados tem sido menos restritiva, em especial no Médio Oriente e em África. Estes locais, inclusive, parecem dispostos a adotar a tecnologia assim que esta seja oficialmente lançada no mercado, mesmo com a atual situação de regulamentação para transportes aéreos nestes países.

niallkennedy / Flickr

Larry Page, co-fundador do Google

A Nova Zelândia, por sua vez, tem abraçado um regime de regulamentação mais considerativo e focado na segurança, o que permitirá criar regras que poderão ser tidas como um modelo a ser seguido nos outros países.

A situação também deve melhorar para a Kitty Hawk quando as demais companhias que estão a investir no segmento lançarem as suas propostas e estas, por tabela, forem financiadas e comercializadas também.

A Boeing, por exemplo, adquiriu a Aurora Flight Sciences em novembro do ano passado, enquanto que a Airbus fez um investimento há duas semanas na Blade – uma empresa de aviação sediada em Nova Iorque.

O Dubai por sua vez formou uma aliança com a EHang, uma empresa chinesa. E a Uber tem uma divisão inteira virada para a área, a Uber Elevate. Isto sem contar os rumores de que outras empresas associadas a Page também estão a fazer testes noutros locais, igualmente em sigilo.

A própria Zephyr, configurada posteriormente pela Kitty Hawk de Page possui algumas inconsistências na história, que traçam as origens diretamente a Fred Reid, um executivo cujo nome está associado a diversas outras companhias do ramo, tais como a Zee Aero, Virgin America, Delta Air Lines e Star Alliance, entre outras.

Kitty Hawk

A Cora possui uma envergadura de quase 11 metros e doze rotores alimentados por baterias que lhe permitem levantar voo de maneira semelhante a um helicóptero, e então descer como um avião.

É então normal que o caso da regulamentação dos táxis aéreos na Nova Zelândia – e os testes feitos em segredo há meses – produza alguma agitação por algum tempo.

Detalhes da Cora

Em entrevista, Reid comentou que utilizar o pioneirismo da Nova Zelândia na comercialização de serviços autónomos de táxis foi uma mudança radical e um grande avanço no setor.

A Kitty Hawk já está, inclusive, a trabalhar numa aplicação que vai permitir que os clientes consultem o serviço de mobilização pelos céus.

A aeronave conhecida como Cora pode fazer viagens de quase 100 quilómetros e transportar dois passageiros a uma altura de até 914 metros, aproximadamente.

Embora os ventos soprem aparentemente a favor de Page e da sua curiosa ambição, isto não quer dizer que tudo dará certo e que em breve a população passará a utilizar táxis aéreos em vez de aviões e carros.

Ainda pode demorar um pouco até este tipo de transporte ser realmente efetivado, num futuro digno de obras de ficção científica.

ZAP // CanalTech / MIT /

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente vai chegar a Portugal 10 anos depois… o lobby taxista não vai permitir, e vai fazer a vida negra a estes tipos, como hoje faz à Uber!

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …