Tancos. Major Pinto da Costa diz que mentiu ao Ministério Público por ordem superior

Paulo Cunha / Lusa

Guarita abandonada no complexo militar de Tancos

O investigador da Polícia Judiciária Militar major Pinto da Costa revelou hoje que o seu superior coronel Estalagem lhe pediu para mentir aos procuradores do Ministério Público sobre o armamento furtado em Tancos ter sido recuperado devido a uma chamada anónima.

“O coronel Estalagem, meu superior, disse-me no caminho entre Santa Margarida e o Departamento Central de Investigação e Ação Penal no dia em que as armas foram recuperadas: ‘Tens de confirmar a questão da chamada anónima’, e eu cumpri”, afirmou arguido e investigador da Polícia Judiciária Militar (PJM) no julgamento do processo Tancos, apesar de assumir que sabia que o material bélico tinha sido recuperado devido à colaboração de um informador.

Para explicar a sua atitude, Pinto da Costa referiu diversas vezes durante o interrogatório que sempre cumpriu ordens e que, enquanto militar, nunca as questionava tal como aconteceu com o que lhe “mandaram dizer” na reunião do DCIAP, acrescentando que não falou da existência de um informador “porque não lhe pediram para dizer”.

Segundo o major, sempre trabalhou como investigador da PJM no processo do furto de armas dos paióis de Tancos [que tinha o n.º 48] e sempre prestou contas aos seus superiores, nomeadamente ao coronel Estalagem e ao capitão Bengalinha.

“Para mim tudo estava dentro da legalidade, havia um processo aberto e eu sempre trabalhei nele”, dando conta das várias diligências que efetuou com elementos da GNR de Loulé, nomeadamente com o arguido Bruno e Ataíde e sargento Lima Santos.

O oficial do polo da PJM do Porto afirmou também que tinha conhecimento que o processo de Tancos estava a ser acompanhado ao mais alto nível.

“A minha convicção era que o Presidente da República e o ministro estavam a par de todo processo de investigação, porque o coronel Estalagem estaria a passar toda a informação recolhida”, afirmou Pinto da Costa, acrescentando que assistiu ao envio de um e-mail por parte de Luis Vieira ao chefe da casa militar de Marcelo Rebelo de Sousa, tenente-general João Cordeiro, e depois a um telefonema entre ambos.

Questionado sobre a investigação ao furto, que realizou juntamente com os militares da GNR Lima Santos e Bruno Ataíde, o investigador chefe da PJM, disse que teve alguns encontros com o informador João Paulino, que sabia ser amigo de infância do arguido Ataíde, mas que “nunca soube que ele estava implicado no roubo e que entregava as armas a troco da sua não implicação no furto”.

Informou ainda os juízes que estas diligências com a GNR de Loulé “eram do conhecimento do coronel Luis Vieira e do Estalagem”.

Segundo o arguido a sua implicação na encenação da recuperação do armamento roubado deve-se ao facto de ter “cumprido ordens”.

“Estou aqui [em julgamento] porque cumpri ordens. Fiz um juramento à nação. Andei sempre a trabalhar no processo que a PJM tinha”, afirmou o arguido, contestando a existência de um pacto de silêncio, como alega o Ministério Público.

“Não há nenhum pacto de silêncio. Passei todas as informações ao coronel Estalagem e ao capitão Bengalinha, e o Estalagem não está aqui, contestou.

Pinto da Costa está acusado de sete crimes, cinco dos quais em coautoria: Associação criminosa, tráfico e mediação de armas, falsificação ou contrafação de documentos, denegação de justiça e prevaricação, favorecimento pessoal praticado por funcionário e dois crimes de detenção de arma proibida.

O processo de Tancos tem 23 arguidos, dez arguidos respondem por associação criminosa, tráfico e mediação de armas e terrorismo, pelo alegado envolvimento no furto do armamento e os restantes 13, entre eles Azeredo Lopes, dois elementos da PJM e vários militares da GNR, sobre a manobra de encenação da recuperação do material ocorrida na região da Chamusca, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Alguns distritos de Portugal continental e Madeira com avisos meteorológicos até domingo

Alguns distritos de Portugal continental e o arquipélago da Madeira vão estar a partir de hoje e pelo menos até domingo com vários avisos meteorológicos devido à agitação marítima, vento e queda de neve, de …

R abaixo de 1 em Portugal. Um milhão de pessoas pode já ter tido contacto com o vírus

Um doente covid-19 em Portugal está a infetar, em média, menos de uma pessoa, segundo dados do Instituto Ricardo Jorge revelados esta quinta-feira, que mostram que o Rt voltou a estar abaixo do 1. “Atualmente, o …

EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais

O Congresso norte-americano aprovou esta quinta-feira legislação que força as empresas chinesas a saírem dos índices bolsistas norte-americanos a menos que cumpram as regras de contabilidade nos Estados Unidos. A legislação, que pode afetar dezenas de …

Polícia Judiciária faz buscas na Câmara de Vila Verde

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na Câmara de Vila Verde, no distrito de Braga, relacionadas com "adjudicações a juntas de freguesia", confirmou esta quarta-feira à Lusa fonte daquela força policial. Segundo a mesma fonte, …

Reino Unido começa a vacinar já na próxima semana

O Reino Unido vai começar a vacinar a sua população contra a covid-19 na próxima semana. Depois da aprovação do uso da vacina da Pfizer, os primeiros a receber a vacina serão os trabalhadores e …

Governo já garantiu 370 camas no setor privado

O Governo já garantiu 370 camas no setor privado, sendo que quase metade, 164, são para doentes covid. Há atualmente 3.338 pacientes infetados com o novo coronavírus internados em hospitais. A informação foi confirmada por fonte …

Covid-19 pode ter chegado aos EUA em dezembro de 2019. País prepara-se para o pior inverno da história

Depois de ter sido confirmado que o novo coronavírus já circulava em Itália desde setembro de 2019, agora surge um relatório que refere que a covid-19 pode ter infetado um pequeno número de pessoas nos …

Maior parte dos médicos aposentados que voltam ao SNS prefere trabalhar em tempo reduzido

A maior parte dos médicos aposentados que regressa ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) opta por trabalhar em tempo reduzido, adianta o Jornal de Notícias. De acordo com o Jornal de Notícias, do total de 216 …

Bruxelas ameaça avançar com Fundo de Recuperação sem Hungria e Polónia

A Comissão Europeia (CE) está a perder a paciência e, caso não haja progressos nas negociações, ameaça avançar com o Fundo de Recuperação europeu sem a 'luz verde' da Hungria e da Polónia. O ultimato foi …

Empresas que reforcem lay-off não podem fechar portas, mas podem reduzir horários a 100%

O chamado “apoio à retoma progressiva” vai permitir que em dezembro as empresas saltem para o escalão seguinte, que garante mais financiamento, mas o Governo exige que mantenham atividade. Contudo, garante que tal não condiciona …