Tancos. Comissão de Inquérito do CDS exige saber “atos” e “omissões” do Governo

José Sena Goulão / EPA

Centristas querem que comissão de inquérito a Tancos “apure tudo” – do funcionamento do ministério à articulação das forças policiais e militares. Texto que propõe a criação da comissão de inquérito a Tancos já foi entregue.

A já anunciada proposta para criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito avançou mesmo mas os democratas-cristãos não pretendem ficar apenas pelo esclarecimento do que se passou dentro dos paióis de Tancos na noite de 27 para 28 de junho de 2017.

O CDS afirma pretender “apurar tudo sobre o caso de Tancos” e o texto entregue na Assembleia da República quer tornar a ação da comissão mais abrangente propondo-se a identificar e avaliar “os factos”, “os atos” e as “omissões do Governo” que se relacionem “direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos”.

O partido liderado por Assunção Cristas quer “apurar as responsabilidades políticas daí recorrentes” para, segundo o Observador, pressionar o Governo.

O documento acrescenta ainda que devem ser feitas avaliações das “formas de articulação entre as Forças e Serviços de Segurança e órgãos de polícia criminal, com tutelas dispersas em vários ministérios”.

Segundo o Expresso, o CDS tem insistido na necessidade de retirar consequências políticas não só do roubo mas também das contradições e explicações que foram surgindo ao longo do último ano. O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, chamado repetidamente pelo CDS para explicar o caso, chegou a afirmar que, “no limite, pode não ter havido roubo”.

Ao mesmo tempo que decorre uma investigação do Ministério Público ao caso de Tancos, os centristas justificam a criação de uma comissão de inquérito através da necessidade de se apurar as responsabilidades políticas.

Porém, o facto de já existir uma investigação a cargo do Ministério Público poderá limitar a ação da comissão de inquérito, encontrando-se algumas matérias do caso Tancos sob segredo de Justiça.

Os democratas-cristãos querem “uma reflexão e avaliação sobre o funcionamento do Ministério da Defesa Nacional” e das “formas de articulação entre as Forças Armadas e as diversas Forças e Serviços de Segurança e órgãos de polícia criminal, com tutelas dispersas em vários Ministérios”.

“Apurar quem falhou nas medidas de segurança, por que é que estes falharam, e as razões da gestão de todo este processo cabe primeiramente ao Exército e ao ministro da tutela desvendar e definitivamente ao Parlamento apurar”, lê-se no documento.

O CDS acrescenta ainda que “o país continua sem perceber o que o Governo não sabe – e devia saber – porque não quis saber; bem como o que o Governo não sabe porque lhe foi ocultado”.

No documento entregue esta amanhã na Assembleia da República, o CDS recordou ainda que o assalto de Tancos foi “o maior assalto a armamento militar deste século no continente europeu” e relembrou ainda o recente roubo de pistolas Glock da direção nacional da PSP.

Posições no Parlamento

Segundo o Expresso, o Partido Socialista apressou-se a garantir a viabilização do inquérito por ter o hábito de não se opor a investigações parlamentares e também, segundo Carlos César, presidente do e líder parlamentar do PS, se sentir “tranquilo com a atuação do Governo neste caso”.

O PCP também já garantiu a viabilização do inquérito e o PSD prometeu ponderar sobre o assunto e a utilidade de uma comissão nesta altura.

Contra a criação deste inquérito parlamentar está o Bloco de Esquerda que considerou uma “brincadeira política” inoportuna, pois o Ministério Público encontra-se a investigar o caso.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …

Pelo menos 58 mortos em naufrágio ao largo da Mauritânia

Pelo menos 58 pessoas morreram, esta quinta-feira, num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia. Pelo menos 58 migrantes morreram num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). …