Tancos. Comissão de Inquérito do CDS exige saber “atos” e “omissões” do Governo

José Sena Goulão / EPA

Centristas querem que comissão de inquérito a Tancos “apure tudo” – do funcionamento do ministério à articulação das forças policiais e militares. Texto que propõe a criação da comissão de inquérito a Tancos já foi entregue.

A já anunciada proposta para criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito avançou mesmo mas os democratas-cristãos não pretendem ficar apenas pelo esclarecimento do que se passou dentro dos paióis de Tancos na noite de 27 para 28 de junho de 2017.

O CDS afirma pretender “apurar tudo sobre o caso de Tancos” e o texto entregue na Assembleia da República quer tornar a ação da comissão mais abrangente propondo-se a identificar e avaliar “os factos”, “os atos” e as “omissões do Governo” que se relacionem “direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos”.

O partido liderado por Assunção Cristas quer “apurar as responsabilidades políticas daí recorrentes” para, segundo o Observador, pressionar o Governo.

O documento acrescenta ainda que devem ser feitas avaliações das “formas de articulação entre as Forças e Serviços de Segurança e órgãos de polícia criminal, com tutelas dispersas em vários ministérios”.

Segundo o Expresso, o CDS tem insistido na necessidade de retirar consequências políticas não só do roubo mas também das contradições e explicações que foram surgindo ao longo do último ano. O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, chamado repetidamente pelo CDS para explicar o caso, chegou a afirmar que, “no limite, pode não ter havido roubo”.

Ao mesmo tempo que decorre uma investigação do Ministério Público ao caso de Tancos, os centristas justificam a criação de uma comissão de inquérito através da necessidade de se apurar as responsabilidades políticas.

Porém, o facto de já existir uma investigação a cargo do Ministério Público poderá limitar a ação da comissão de inquérito, encontrando-se algumas matérias do caso Tancos sob segredo de Justiça.

Os democratas-cristãos querem “uma reflexão e avaliação sobre o funcionamento do Ministério da Defesa Nacional” e das “formas de articulação entre as Forças Armadas e as diversas Forças e Serviços de Segurança e órgãos de polícia criminal, com tutelas dispersas em vários Ministérios”.

“Apurar quem falhou nas medidas de segurança, por que é que estes falharam, e as razões da gestão de todo este processo cabe primeiramente ao Exército e ao ministro da tutela desvendar e definitivamente ao Parlamento apurar”, lê-se no documento.

O CDS acrescenta ainda que “o país continua sem perceber o que o Governo não sabe – e devia saber – porque não quis saber; bem como o que o Governo não sabe porque lhe foi ocultado”.

No documento entregue esta amanhã na Assembleia da República, o CDS recordou ainda que o assalto de Tancos foi “o maior assalto a armamento militar deste século no continente europeu” e relembrou ainda o recente roubo de pistolas Glock da direção nacional da PSP.

Posições no Parlamento

Segundo o Expresso, o Partido Socialista apressou-se a garantir a viabilização do inquérito por ter o hábito de não se opor a investigações parlamentares e também, segundo Carlos César, presidente do e líder parlamentar do PS, se sentir “tranquilo com a atuação do Governo neste caso”.

O PCP também já garantiu a viabilização do inquérito e o PSD prometeu ponderar sobre o assunto e a utilidade de uma comissão nesta altura.

Contra a criação deste inquérito parlamentar está o Bloco de Esquerda que considerou uma “brincadeira política” inoportuna, pois o Ministério Público encontra-se a investigar o caso.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Supertaça. Sporting e Sp. Braga defrontam-se 39 anos depois (e adeptos regressam aos estádios)

Sporting e Sp. Braga lutam este sábado pelo primeiro título da época (e os adeptos já vão estar na bancada). O encontro da 43.ª edição da supertaça Cândido de Oliveira está marcado para este sábado, …

Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões …

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …

Ensino Superior. Vagas voltam a aumentar com Porto, Lisboa e Aveiro na frente

O concurso nacional de acesso ao ensino superior volta a registar um aumento do número de vagas, segundo dados divulgados este sábado, que mostram Lisboa, Porto e Aveiro com o maior crescimento. Depois de, no ano …