Tancos, o caso que podia ser uma “série da Netflix”, aquece campanha e escala tensão entre Costa e Rio

Mário Cruz / Lusa

O secretário-geral do Partido Socialista (PS) e cabeça de lista por Lisboa, António Costa

O caso Tancos, cuja acusação foi deduzida esta quinta-feira pelo Ministério Público, aqueceu a campanha eleitoral, impulsionando uma troca de palavras mais acesa entre António Costa e Rui Rio.

O antigo ministro da Defesa Azeredo Lopes foi acusado de abuso de poder, denegação de justiça, prevaricação e favorecimento pessoal praticado por funcionário no “caso de Tancos” e proibido do exercício de funções.

O despacho, que tem 500 páginas, acusou ainda altas patentes do Exército e da GNR no âmbito do processo. Ao todo, são 23 as pessoas que vão responder perante a justiça.

Apesar de alguns partidos considerarem que este não deva ser uma tema pré-eleitoral, a verdade é que o caso de Tancos e a acusação do antigo governante socialista explodiu no 5.º dia de campanha, originando reações de quase todos os quadrantes políticos.

O líder do PSD, Rui Rio, foi uma das vozes mais críticas, apontando baterias diretamente ao secretário geral do PS e atual primeiro-ministro, António Costa.

O social democrata disse mesmo duvidar que António Costa, que lidera o Executivo, não soubesse da alegada encenação na recuperação das armas. “Perante um assunto desta gravidade o ministro da Defesa não avisa o primeiro-ministro? Sabemos que articulou com o presidente da concelhia do PS que também é deputado e não articula com o primeiro-ministro?”, questionou Rio, citado pela agência Lusa.

“Se articula — como é o mais provável — temos o problema de o primeiro-ministro ser conivente com aquilo que se passou. Se não avisou também temos um problema grave: um Governo em que os ministros não avisam o primeiro-ministro de tudo aquilo que se passa no ministério”, criticou, acrescentado que “é pouco crível que um ministro, seja ele qual for, não articule assuntos desta gravidade com o primeiro-ministro”.

Na resposta, que não se fez tardar, Costa acusou Rio de atingir a dignidade da campanha, acrescentado que o líder do PSD desiludiu aqueles que o consideravam uma pessoa com princípios. Sem comentar o teor da acusação, o socialista ripostou na mesma moeda, dizendo que “não é aos 58 anos” que reconhece a Rio “autoridade para fazer julgamentos morais” em matéria de conduta política.

“Ainda há dois dias todos os portugueses ouviram Rui Rio dizer que tinha como princípio fundamental não fazer julgamentos na praça pública (…) Ora, eu não mudo de princípios fundamentais de dois em dois dias e há cinco anos que digo aquilo que sempre achei ao longo de toda a minha política: na justiça aquilo que é da justiça e na política o que é da política. E quem sacrifica aquilo que são princípios fundamentais dada forma de estar na vida política envergonha-se a si próprio mais do que ataca quem quer atingir”.

Mas a troca de palavras, talvez a mais dura em toda a campanha até então, não se ficou por aqui. Rio fez questão de responder à resposta de Costa, considerando que o socialista de comentar o que não disse “porque não tem resposta” para o que lhe perguntou.

“O primeiro-ministro está a comentar aquilo que eu não disse porque não tem resposta para aquilo que eu disse. Não me antecipei a nenhum tribunal, nem quebrei a presunção de inocência de ninguém (…) Do ponto de vista político temos o direito e, até como partido de oposição, o dever de perguntar ao primeiro-ministro se sabia ou não sabia” [do encobrimento do furto de armas em Tancos], insistiu.

Tancos: o que caso que podia ser uma “série da Netflix”

Além do PSD, vários outros partidos comentaram o caso. A líder do CDS, Assunção Cristas, que comparou o caso a uma “telenovela” ou a uma “série da Netflix”, frisou que este caso deixou a esquerda “muito incomodada”.

Durante uma ação de campanha em Leiria, e ainda antes de se conhecer o teor da acusação, a líder centrista acusou o PS de “encobrir criminosos” e impedir “a justiça de funcionar”, exigindo “explicações públicas” ao primeiro-ministro.

Também os parceiros de esquerda do Governo falaram sobre o caso: Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, afirmou de manhã que “ninguém está acima da lei”, recordando que a “decisão é dos tribunais”; Catarina Martins, a líder bloquista, considerou o caso muito grave, concluindo depois que “os “responsáveis políticos mentiram numa comissão de inquérito” sobre o caso de Tancos.

André Silva, porta-voz do PAN, disse apenas que caso se comprove que o ex-ministro da Defesa teve responsabilidades dentro do processo deve “ser condenado”, salientando que o importante “é que a justiça desenvolva o seu trabalho”.

Nos partidos sem representação parlamentar, Maria Cidália Guerreiro, do PCTP/MRPP, disse que “o primeiro-ministro nunca assumiu responsabilidades políticas” no caso.

Já Santana Lopes, líder do Aliança, considerou-se “absolutamente esclarecido” sobre o caso de Tancos e Rui Tavares, fundador do Livre, disse que Tancos não é “um tema estratégico para estas eleições legislativas”, mas salientou que “é muito importante que o país tenha confiança nas suas instituições”.

Já a iniciativa Liberal, que tem Carlos Guimarães Pinto como líder, afirmou que o encobrimento da recuperação das armas furtadas em Tancos foi um “golpe de teatro” do Governo do Partido Socialista para “não perder votos”.

O caso e a acusação

O despacho de acusação, revelado esta quinta-feira, apontou 23 acusados, entre os quais Azeredo Lopes, que já anunciou que vai pedir a abertura da instrução, uma vez que se trata de uma acusação “eminentemente política”.

Os procuradores do MP sustentam que o antigo governante não só soube de toda a “encenação”, como também utilizou a situação para tirar proveitos políticos.

“A recuperação do material subtraído assumia um papel muito importante na imagem interna do Governo, numa altura em que se debatia com as nefastas consequências dos incêndios, que levaram, inclusivamente, à demissão da ministra da Administração Interna”, pode ler-se no despacho de acusação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), citado pelo jornal Público.

Azeredo Lopes, recorde-se, está acusação de quatro crimes: dois de denegação de justiça e prevaricação, um de abuso de poder e um de favorecimento pessoal.

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército a 29 de junho de 2017. Quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração de elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

SA, ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. espero que este assunto não fique em banho maria como a tragédia dos incendios de pedrogao grande!
    que ajude as pessoas a pensar em quem vão votar para que se acabe de vez com governantes que vivem do marketing!

  2. São todos inocentes…

    Os que estavam de serviço saíram com repreendas ou fins de semana de castigo no quartel…

    Alguns vão ser ilibados porque, segundo dizem, nos crimes com moldura penal inferior a 3 anos não se podem usar os email’s. Assim fica palavra contra palavra e todos saem alegres e felizes…

    Outros não sabem de nada. Todos sabiam menos os responsáveis. Ainda à crentes…
    Até o papagaio mor quase de certeza que sabia mas…

    No fim temos alguns como o PAN já a pensarem no poleiro que dizem que isto não é assunto. Os tribunais que resolvam.

    Se um desgraçado foi apanhado na rua com uma arma sem licença vai preso, fica em preventiva e com sorte apanha 5 ou 6 anos de cadeia…
    Ai este pais nosso…

  3. Como é que um bando de 3 ladrões consegue pôr em causa um Governo, um Ministro e altas figuras militares!? Só demonstra a fraqueza das instituições públicas visadas e dos políticos e militares responsáveis.

    • Ou me engano muito ou esta dupla perigosa Azeredo-Costa (os tais que perdoaram e deixaram fugir os ladrões), estariam a arranjar um trinta e um, de forma a trilhar o presidente da república. Se Marcelo não se abispa, não vai demorar muito que o indiano lhe passe a perna.

  4. Rui Pinto esta preso por descobrir a careca a alguns malfeitores.
    No meu tempo de tropa, na época do ultramar, isto era impossível de acontecer. o que vai acontecer já imagino, vai prolongar o caso até que este expire e ainda vão levar com medalhas, por méritos ao serviço da NAÇÃO

  5. Um dos assaltantes foi ter com um da judiciária militar e disse-lhe: não me façam mal que eu meto o armamento em tal sítio e fica bem a PJM, o governo e o ministro da defesa. Pronto, combinado, metam lá o material e desapareçam. Desta jogatana a PJM passava a perna à PJ e ficavam como uns bravos por terem descoberto o armamento, mais rapidamente. O ministro, perante tão interessante achado, aceitou este negócio e não foi informar o seu chefe? Alguém se acredita nisto? Moral da história, a governação (ministro/primeiro ministro) em vez de porem logo a mão aos assaltantes deixaram-nos fugir e ainda aceitaram não dizer nada a ninguém, nem ao Presidente da República. Isto é, eles foram coniventes com os assaltantes da base de Tancos.

  6. Para podermos sintetizar esta informação temos de considerar as seguintes questões:
    1 – Não é por acaso que cada vez que o assunto se relaciona com o Primeiro Ministro todos os comentadores não “Súcialistas” se sentem na obrigação de prometer não fazer julgamentos de carácter. Não é necessário. O julgamento de carácter fica logo feito, contido implicitamente na declaração.
    2 – O Ministro da Defesa, como anteriormente a Ministra da Administração Interna, não foram eleitos. Não têm nenhuma responsabilidade directa para com os portugueses para além de terem prometido exercer os cargos no estrito respeito pela Constituição da Republica, coisa que pode e deve ser feita por qualquer cidadão no exercício de qualquer cargo público ou privado. O mesmo acontece com os senhores Secretários de Estado. Exercendo assim uma responsabilidade delegada, são mais ou menos mafiosos, incompetentes ou ambas as qualificações por responsabilidade delegada pelo Primeiro Ministro, esse sim, nestes casos, mafioso e incompetente titular.

RESPONDER

Joana d’Arc: a heroína injustiçada que teve um papel fundamental na Guerra dos 100 Dias

Quando entrou na adolescência, Joana d'Arc já estava com o futuro traçado, pois a sua família já tinha escolhido um rapaz para se casar com ela. Contudo, o seu destino acabou por ser outro: teve …

Farense 0-1 FC Porto | Dragão voa com recital de Corona

O FC Porto aproveitou da melhor forma o deslize do Benfica em casa com o Nacional para se isolar no segundo lugar na Liga NOS, com mais dois pontos que as “águias”. A formação portista foi …

A forma mais simples (e inovadora) de ensinar genética é... com gomas

Se um ursinho de goma vermelho tiver um filho com outro ursinho de goma amarelo, que percentagem de vermelho e amarelo terá o bebé? De acordo com um neurocientista esta poderá ser a forma perfeita …

Videojogo "The Sims 3" usado para estudar como é que psicopatas atacam as suas vítimas

Um novo estudo baseou-se no videojogo "The Sims 3" para estudar a forma como os psicopatas escolhem e atacam as suas vítimas. "The Sims" é uma série de videojogos de simulação de vida real, cujo primeiro …

"Realidade mista". Hologramas podem mudar a forma como visitamos os museus

Para milhões de crianças, ser arrastado para um museu é uma experiência dolorosa. Porém, isso pode mudar com o desenvolvimento de uma nova tecnologia de “realidade mista” (RM). A nova tecnologia de “realidade mista” (RM) pode …

Bunker nuclear da Guerra Fria à venda no Reino Unido

Um bunker da Guerra Fria localizado perto de St Agnes em Cornwall, Reino Unido, está à venda na Rightmove, o maior portal imobiliário do Reino Unido. De acordo com o jornal britânico Mirror, o bunker, …

SL Benfica 1-1 CD Nacional | Insulares apagam a luz às "águias"

O Benfica voltou a escorregar e soma três jogos consecutivos sem vencer após o empate no Dragão e a derrota diante do Braga. Na tarde desta segunda, a equipa de Jorge Jesus não foi além …

Partido das FARC muda de nome para romper com o seu passado violento

O partido político das FARC deu um novo passo, este domingo, para romper com o seu passado violento, ligado à sigla das antigas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, passando a ser denominado Comunes. O nome Comunes …

Primeiro-ministro italiano vai apresentar demissão

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, vai apresentar a sua demissão na terça-feira, devido à falta de apoio à sua coligação parlamentar, após a crise provocada pelo abandono do partido Itália Viva, de Matteo Renzi. Conte apresentará …

Número de desempregados voltou a subir em todo o país

O número de inscritos nos centros de emprego nacionais voltou a aumentar em dezembro, com 85% dos concelhos de Portugal Continental a ver os seus níveis de desemprego aumentar desde o início da pandemia, revelou …