/

Talibãs avisam que haverá “consequências” se prazo para saída das tropas dos EUA for alargado

6

Stringer / EPA

Patrulha talibã em Kandahar, no Afeganistão

O prazo para a retirada das tropas do Afeganistão aproxima-se a passos largos e o tempo para evacuar pessoas está a esgotar-se. Esta segunda-feira, os talibãs emitiram um aviso severo sobre a retirada das tropas do país.

Suhail Shaheen, porta-voz do grupo, afirmou à Sky News que os talibãs não estão disponíveis para aceitar um novo prazo de saída para os militares norte-americanos no Afeganistão.

Se o prazo, estipulado para dia 31 de agosto, for alargado, significa que os Estados Unidos estão “a alargar a ocupação quando não existe necessidade para tal”. “Se o Reino Unido ou os EUA procurarem ter mais tempo para continuarem as evacuações, a resposta é ‘não’. Ou haverá consequências“, avisou Shaheen.

“Irá criar desconfiança entre nós. Se eles tiverem a intenção de continuar a ocupação, provocará uma reação”, acrescentou o porta-voz do grupo extremista.

Estas declarações surgem após a conferência de imprensa de Joe Biden, no domingo, na qual não se comprometeu com o prazo para a retirada das forças norte-americanas do território afegão.

“Há discussões em curso entre nós e os militares sobre a extensão [do prazo]”, disse o Presidente norte-americano, admitindo que a situação ainda é perigosa e que “muitas coisas podem correr mal”.

O adiamento também preocupa o primeiro-ministro britânico, que deverá pedir um alargamento a Joe Biden na cimeira dos G7, convocada de emergência pelo próprio.

“É vital que a comunidade internacional trabalhe em conjunto para assegurar uma evacuação segura, para prevenir uma crise humanitária e para apoiar o povo afegão para que garanta os ganhos dos últimos 20 anos”, escreveu no Twitter.

Questionado sobre o desespero crescente no aeroporto internacional de Cabul, Suhail Shaheen assegurou que os afegãos não estão assustados e que a corrida ao aeroporto da capital acontece apenas por questões económicas.

“É uma espécie de migração económica, porque o Afeganistão é um país pobre e 70% da população afegã vive abaixo do limiar da pobreza, por isso toda a gente quer estabelecer-se nos países ocidentais para ter uma vida próspera. Não tem a ver com medo”, justificou.

Esta manhã, de acordo com a AFP, uma pessoa morreu durante uma troca de tiros junto ao terminal norte do aeroporto de Cabul. O tiroteio envolveu militares dos Estados Unidos e da Alemanha e um grupo de atacantes não identificado.

A notícia foi avançada pelo Exército alemão, no Twitter, que especificou que a vítima mortal é um guarda afegão.

No domingo, Jake Sullivan, assessor para a Segurança Nacional do Presidente dos Estados Unidos, admitiu que a ameaça de ocorrer um ataque terrorista perpetrado pelo Daesh no aeroporto de Cabul “é real e persistente”.

“Os nossos comandantes no terreno têm ao seu dispor várias opções, que se estão a utilizar, para defender o aeroporto de um potencial ataque terrorista. Estamos a trabalhar arduamente para poder isolar e determinar de onde poderia surgir um ataque”, disse, em entrevista à CNN.

Um oficial da NATO, citado pela Reuters, disse que morreram pelo menos 20 pessoas na última semana nas imediações do aeroporto de Cabul.

Os talibãs conquistaram Cabul no dia 15 deste mês, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista, que acolhia no seu território o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

  Liliana Malainho, ZAP // Lusa

6 Comments

  1. 20 anos e não foram capazes de eliminar raça tão ordinária?
    20 anos e não foram capazes de fazer um exercito para os combater?
    Estiveram a dormir?

      • Pois… só que a Chechénia faz parte da Federação Russa… será que o Afeganistão é um Estado dos EUA e ninguém sabia?!

    • Os afegãos passaram a ter um exercito muito bem equipado, organizado e em muito maior número que os talibans descalços e rotos armados ainda com as AK 47 uma arma individual feita por kalashnicov (Marshal russo que morreu á pouco tempo) da 2 Guerra Mundial…a mesma arma que matou soldados nossos na Guiné, Moçambique e Angola! Os talibans são uma horda de terroristas especializados em atentados e a matar…o Exercito Afegão não quis lutar, o povo Afegão é constituído por inúmeras etnias…não se entendem entre si… é dos países (nem é país…) mais pobres e atrasado
      s do Mundo o que é reconhecido pelos próprios Talibans interessados na miséria de um povo que voltaram a controlar ou a escravizar pela 2ª vez! Os russos antes invadiram o Afeganistão e depois tiveram igualmente que retirar…Eles extremamente frugais escondem-se nas montanhas rochosas e imensas que lá existem e são inexpugnáveis. Caro “Viajante não viaje para lá…) A solução teria que ter sido…nuclear…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE