/

Taiwanesa tinha quatro abelhas vivas dentro do olho. Alimentavam-se das suas lágrimas

Um médico taiwanês encontrou quatro abelhas vivas dentro do olho esquerdo de uma mulher de 28 anos. Os insetos alimentavam-se das suas lágrimas.

A mulher de 28 anos, identificada apenas por He, estava a arrancar ervas daninhas perto da sepultura dos seus ente queridos quando, após uma rajada de vento, sentiu algo a entrar para o seu olho. Logo nesse momento, a taiwanesa sentiu algum desconforto, mas desvalorizou.

A jovem estava convencida de que teriam entrado para o seu olho areias ou pós. No entanto, depois de continuar com os olhos inchados, procurou ajuda hospitalar.

No hospital, o médico notou que a mulher não conseguia fechar totalmente os olhos. “Olhei para o intervalo com um microscópio e vi algo preto que parecia uma perna de inseto. Agarrei na perna e tirei-a devagar. Depois vi outra e outra e outra. Ainda estavam intactas e todas vivas”, contou o profissional à BBC.

Hong Chi Ting, do Hospital Universitário Fooyin, na cidade de Kaohsiung, em Taiwan, ficou chocado quando retirou do olho esquerdo os quatro insetos que mediam cerca de quatro milímetros.

As abelhas são da espécie Halictidae, conhecidas como “abelhas do suor”, que estão presentes junto de árvores tombadas ou em campos. Estes insetos medem entre três e quatro milímetros e são atraídas por suor humano e lágrimas, cuja proteína aproveitam.

As abelhas terão entrado no olhos de He quando estava a arrancar ervas. A sorte da taiwanesa foi não ter esfregado os olhos, porque estava com lentes de contacto. Se tivesse esfregado, arriscava-se a ficar cega com uma substância venenosa que estes insetos podiam ter libertado como defesa.

No entanto, em condições normais, estas abelhas não atacam seres humanos. “Essas abelhas normalmente não atacam pessoas mas gostam de beber suor, daí o nome”, disse Hong Chi Ting.

He já teve alta médica e espera-se que tenha recuperação completa. Por sua vez, as abelhas estão vivas, tendo sido enviadas para uma organização para serem estudadas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.