/

“Doutrina porco-espinho” e “guerra da pulga”: Como Taiwan planeia travar uma invasão chinesa

10

Desde a “doutrina porco-espinho” à “guerra da pulga”, Taiwan tem um plano cuidadosamente elaborado para defender uma eventual invasão chinesa.

O presidente chinês Xi Jinping fez uma promessa no início deste ano de concluir a “reunificação” da China (com Taiwan). Juntamente com as recentes violações do espaço aéreo soberano de Taiwan por aviões de guerra chineses, isso gerou especulações generalizadas sobre a segurança da ilha.

Há muito tempo que Taiwan se prepara para um possível conflito com a China. Há muito que reconheceu que a China é demasiado poderosa para se envolver num conflito em termos de igualdade.

Consequentemente, a estratégia de Taipei mudou para a dissuasão em termos de custos humanos e, portanto, políticos que uma guerra infligiria à China. Este pensamento foi confirmado na Revisão Quadrienal de Defesa de 2021, recentemente publicada.

O plano de defesa de Taipei é baseado numa estratégia de guerra assimétrica — que é conhecida como a “doutrina porco-espinho”. Isto envolve táticas para “fugir das forças inimigas e explorar as suas fraquezas” e um conjunto de opções crescentes que reconhecem a proximidade da China com a costa de Taiwan.

A ideia, segundo o documento, é “resistir ao inimigo na margem oposta, atacá-lo no mar, destruí-lo no litoral e aniquilá-lo na praça d’armas”.

Vários estudos e simulações concluíram que Taiwan pode conter pelo menos uma incursão militar chinesa na ilha. Resumindo, a doutrina porco-espinho de Taiwan tem três camadas defensivas. A camada externa trata de inteligência e reconhecimento para garantir que as forças de defesa estejam totalmente preparadas.

Por trás disto, vêm planos de guerrilha no mar com apoio aéreo de aeronaves sofisticadas fornecidas pelos Estados Unidos. A camada mais interna depende da geografia e demografia da ilha. O objetivo final desta doutrina é o de sobreviver e assimilar uma ofensiva aérea bem o suficiente para organizar uma parede de fogo que impedirá o Exército de Libertação do Povo Chinês (ELP) de invadir com sucesso.

Olhando para estas camadas uma a uma, ao longo dos anos, Taiwan desenvolveu e manteve um sofisticado sistema de alerta precoce, para ganhar tempo caso a China inicie uma invasão. O objetivo é garantir que Pequim não tenha tropas e navios de transporte prontos para cruzar o estreito de Taiwan numa ofensiva surpresa.

Como resultado, a China teria que iniciar qualquer invasão com uma ofensiva baseada em mísseis de médio alcance e ataques aéreos com o objetivo de eliminar as instalações de radar de Taiwan, pistas de aeronaves e baterias de mísseis.

Se tiver sucesso nisso, a China terá que romper a segunda camada do plano de defesa de Taiwan para que as suas tropas naveguem com segurança em direção à ilha. Mas ao tentar atravessar o estreito, a marinha da China enfrentaria uma campanha de guerrilha no mar — que é conhecida como a “guerra da pulga”. Isto seria realizado com o uso de pequenos navios ágeis armados com mísseis, apoiados por helicópteros e lançadores de mísseis.

Mas romper esta camada não garantirá uma chegada segura do PLA à Ilha Formosa. A geografia e a população são a espinha dorsal da terceira camada defensiva. O PLA tem a capacidade de montar uma campanha de bombardeio em grande escala na ilha taiwanesa, mas pousar nela e desdobrar-se assim que lá chegar é outra questão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A curta costa ocidental de Taiwan, com apenas 400 km de extensão, tem apenas um punhado de praias adequadas para o desembarque de tropas, o que significa que os estrategistas militares de Taipei teriam um trabalho razoavelmente fácil quando se trata de descobrir onde o PLA tentaria atracar — especialmente com a sofisticada tecnologia de reconhecimento que adquiriu do seu aliado nos Estados Unidos.

Isto permitiria aos militares taiwaneses criar um campo de tiro fatal para evitar que as forças anfíbias do EPL entrassem na ilha. Mesmo depois que as botas chinesas estivessem em solo taiwanês, a topografia montanhosa da ilha e o ambiente urbanizado dariam aos defensores uma vantagem quando se trata de impedir o progresso de uma invasão.

As forças armadas de Taiwan são facilmente mobilizadas. Embora Taipei tenha um pequeno exército profissional de cerca de 165.000 pessoas, eles são bem treinados e equipados. E eles são apoiados por até outros 3,5 milhões de reservistas, embora recentemente tenha havido críticas de que não está preparado para uma invasão.

Outro fator é o que o especialista em Defesa do Reino Unido Patrick Porter chama de “dilema da omelete de fiambre”, porque para fazer a omelete, um porco precisa de se comprometer, enquanto uma galinha só precisa de alguns ovos. O que isto significa é que Taiwan verá um conflito com o seu adversário do outro lado do estreito como um conflito pela sobrevivência.

A Revisão Quadrienal de Defesa também recomenda o desenvolvimento de uma capacidade de ataque de longo alcance produzida localmente, parte de um movimento contínuo em direção à autossuficiência das forças de defesa de Taiwan.

Contudo, o país construiu constantemente o seu arsenal de armas defensivas nas últimas duas décadas, mais recentemente concordando com a compra dos mais recentes mísseis dos EUA num acordo de 620 milhões de dólares firmado em 2019 entre o primeiro-ministro taiwanês Tsai Ing-wen e Donald Trump.

A estratégia de Taiwan para deter uma invasão chinesa ao ameaçar impor grandes custos políticos também é informada pelo que considera a natureza avessa ao risco da liderança da China e a sua preferência por planeamento a longo prazo.

E, sem dúvida, ambos os lados terão aprendido com a experiência dos Estados Unidos no Afeganistão, onde os custos políticos de enfrentar um inimigo pequeno, mas determinado e móvel recentemente tornaram-se muito claros.

  ZAP // The Conversation

10 Comments

    • “… impedirá o Exército de Libertação do Povo Chinês (ELP) de invadir…”
      PLA – People’s Liberation Army.
      No fundo, é o mesmo, no primeiro caso a sigla em português, no segundo, em inglês.

  1. Vejam a intolerância e a tendência imperialista da China continental! Qual o prejuízo de conviver com Taiwan, um pequeno país próspero que pode ser um parceiro comercial importante e não um inimigo? A expansão territorial é um conceito antigo de imperialismo, praticado por todas as grandes potências ocidentais, dos Estados Unidos à Alemanha de Hitler. Incrível como ainda hoje existam nações como esta China anacrônica, que não hesita em colocar a paz mundial em jogo para satisfazer sua sanha expansionista.
    Juro que quando li sobre “guerra da pulga” imaginei trilhões de pulgas transmissoras da peste bubônica jogadas sobre as grandes cidades chinesas, em uma espécie de guerra química rústica. Assim, o país mãe de tantas epidemias sentiria o próprio veneno. Mas é claro que seria loucura. Nenhum povo merece sofrer pela malignidade de seus governantes. O melhor é a paz e a cooperação entre as nações, algo que os líderes da China Comunista não conhecem.

  2. Somente com a posse de diversas armas nucleares tem Taiwan sequer hipótese de sonhar em manter-se um país independente, de outra forma é impossível.
    E teriam tais armas nucleares de estar colocadas em aviões, helicópteros, submarinos, navios, em terra em localizações físicas fixas e em meios móveis… e mal o ataque começasse iniciassem o lançamento em larga escala de todos os mísseis rumo a instalações de energia, construção de artigos militares, campos agrícolas, zonas industriais, portos de navios, instalações militares, etc.

    Não ter Taiwan também praticamente toda a sua população de 23 milhões de pessoas com pelo menos 2 anos de formação militar a sério, e renovação de conhecimentos 1 semana por ano para manter os conhecimentos e aptidões frescas, é um erro que lhes irá sair bastante caro… porque com 165 mil militares e 3,5 milhões de pessoas muito mal preparadas as perspetivas de auto-defesa são péssimas perante uma China que pode enviar 1 milhão de soldados em vagas intermináveis que só armas nucleares poderiam conter um pouco tal maluquice.

  3. Muita fantasia. Alguém duvida de que a China já tem em Taiwan uma poderosa quinta-coluna capaz de sabotar uma boa parte da resistência a uma invasão chinesa? Além disso a invasão não virá do mar mas do ar. Duas divisões aerotransportadas dariam cabo dos que sobrasse da defesa de Taiwan. Por junto a guerra não duraria mais do que uma semana.

    • Que grande “filme”…
      Oh, sim, deve ter, deve… como se Taiwan, além do apoio americano, não tivesse uma defesa antiaérea de ultima geração – superior à da China.
      A China já anda há décadas a “sabotar” Taiwan e eles ainda lá estão e continuam a ser o país mais democrático da Ásia!
      O chinos não tem know-how nem experiência militar para entrar em guerras e ainda vão demorar alguns anos até atingirem um nível de desenvolvimento militar que lhe permita tomar Taiwan em apenas uma semana – isto, claro, contando que vão matar todos os habitantes – porque eu sendo a China um regime que não tem qualquer respeito por nada nem por ninguém (muito menos, pelos seres humanos), não se importará em dizimar civis desarmados…
      Claro que isto dificilmente acontecerá num futuro próximo porque seria fim da Grande China e porque o regime capitalista chinês desapareceria do mapa.

  4. Depois de Taiwan passarão para África onde ocuparão o espaço deixado pelos camaradas soviéticos, com falinhas mansas eles vão dominando o mundo!

  5. Quando daqui a 20 a 30 anos a China suplantar em todas frentes, o poderio militar da Nato no seu todo, nada os poderá parar e teremos desta feita invés de uma invasão mongol, uma invasão de mongoloides.
    Eu creio que eles sao capazes e dispostos a tudo para atinigir os seus fins e se perderem tempo a verem videos reaction sobre o que pensam os chineses sobre muitos tópicos da actualidade concerteza abrirá alguns olhos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.