“É desumano“. No sul da Ásia, as vítimas de violação ainda são sujeitas a testes físicos vaginais

Na Índia, Nepal e Sri Lanka, os exames físicos vaginais ainda são usados para determinar se as mulheres e meninas foram realmente abusadas, de acordo com um novo relatório.

A prática continua a ser generalizada nos três países, apesar de na Índia estes exames serem proibidos. Alguns tribunais usam os resultados dos testes para tomar decisões em julgamentos, embora não haja base científica que o justifique.

Divya Srinivasan, advogada e coautora do relatório, classificou o teste como “uma violação dos direitos humanos”.

Da mesmo opinião é Sumeera Shrestha, diretora executiva da organização nepalesa Women for Human Rights, que acrescentou ao The Guardian, que o ato “é degradante e desumano. Não é apenas sobre se a violação aconteceu, mas é como testar a virgindade”.

A responsável pela organização revelou que o exame é usado pelas autoridades para mostrar que as vítimas de violação são “imorais”, sendo que, no contexto do Nepal, isto está relacionado com questões de “honra” com a crença de que mulheres e meninas devem ser “puras”.

O teste é feito com um médico a inserir dois dedos na vagina da vítima, na tentativa de determinar se o hímen está intacto ou não, bem como para testar a flacidez da vagina.

Se o hímen se mostrar intocado, o teste é usado para declarar que a violação não ocorreu, embora a penetração possa não ser suficiente para romper o hímen.

Segundo o relatório, o teste é frequentemente usado para determinar se as vítimas têm uma vida sexual ativa e faz, ainda, das evidências trazer à tona relações sexuais anteriores e lançar dúvidas sobre a alegada violação.

O relatório, que se concentra nas experiências de mulheres em seis países do sul da Ásia, sugere que o teste vaginal com dois dedos é um dos muitos fatores que torna o processo de denúncia mais demorado e penoso.

Assim, as vítimas enfrentam longos atrasos no sistema de justiça e as autoridades são, muitas vezes, suscetíveis a suborno.

O documento também divulga que existem polícias que se recusam a registar as denúncias ou não investigam as alegações.

No Bangladesh, Índia e Nepal, mais de 60% das vítimas relataram estar sob pressão para retirar a queixa que fizeram ou não voltarem a falar sobre o assunto.

O cenário piora quando se tratam de vítimas que pertencem a comunidades socialmente excluídas como é o caso de jovens que pertencem a tribos ou que têm diferentes convicções étnicas ou religiosas.

O relatório apresentou algumas soluções para as múltiplas barreiras que as vítimas enfrentam. Srinivasan sugere que os juízes devem impor, o mais rápido possível, a proibição dos testes com dois dedos.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Novo (e nono) caso positivo de covid-19 no Euro 2020

Billy Gilmour não vai participar no último jogo da Escócia na fase de grupos, que pode terminar com uma qualificação inédita. Há mais um futebolista infetado pelo novo coronavírus, entre os que foram convocados para a …

Governo britânico estuda isenção de quarentena para vacinados

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira estar a avaliar a possibilidade de isentar de quarentena pessoas totalmente vacinadas contra a covid-19 que cheguem do estrangeiro, mas evitou falar sobre a expansão da “lista …

Ministra da Saúde quer “ganhar tempo” com vacinação para conter variante Delta

A ministra da Saúde admitiu esta segunda-feira que a variante Delta do coronavírus SARS-Cov-2 se tornará dominante em Portugal e disse que a estratégia é acelerar a vacinação contra a covid-19. “O que estamos a assistir …

Pais de bombeiro que morreu relatam vegetação lastimável na EN 236-1

Os pais do bombeiro Gonçalo Conceição, que morreu na sequência de queimaduras nos incêndios de Pedrógão Grande, relataram esta segunda-feira, no Tribunal Judicial de Leiria, que a vegetação junto à Estrada Nacional (EN) 236-1 estava …

Em 2020, nasceram em casa o dobro dos bebés do ano anterior. Mas não existe regulamentação

No último ano, os partos em casa aumentaram para quase o dobro em Portugal. No entanto, esta é uma realidade ainda sem regulamentação e que as seguradoras recusam financiar. Mais de 1100 mulheres optaram por …

Noah brincou e "comportou-se de forma muito normal". Alta hospitalar já foi autorizada

A criança de dois anos e meio que esteve desaparecida mais de 30 horas em Proença-a-Velha, concelho de Idanha-a-Nova, teve esta segunda-feira alta do Hospital Amato Lusitano, disse a diretora clínica daquela unidade hospitalar de …

Espanha. Indultos aos líderes catalães serão aprovados na terça-feira, anuncia Sánchez

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, informou que o conselho de ministros vai aprovar na terça-feira a concessão de indultos aos líderes independentistas catalães, anúncio feito esta segunda-feira, no Grande Teatro do Liceu, em Barcelona. "Amanhã [terça-feira], …

Número de desempregados inscritos nos centros de emprego recua em maio

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego recuou 1,7% em maio em termos homólogos e 5,1% face a abril, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). De acordo com …

BE quer retirar da fatura elétrica taxa de carbono paga às barragens e eólicas

A coordenadora do Bloco de Esquerda anunciou, em Torres Novas, a apresentação de uma proposta para que os portugueses deixem de pagar taxa de carbono na energia produzida pelas barragens e eólicas, a exemplo do …

"Eternizar" moratórias de crédito "é negativo", defende Centeno

O governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, defendeu esta segunda-feira que não se pode "eternizar" as moratórias de crédito, concedidas para fazer face aos efeitos da pandemia na economia, e que empresas e …