“A nossa tradição é mostrar a cara”. Suíça aprova em referendo proibição do uso de véu integral

A Suíça aprovou este domingo em referendo, com 51,2% dos votos, a proibição do uso de véu integral, avança a Agência France-Presse (AFP), uma medida que uns dizem ser contra o islamismo radical e outros consideram xenófoba e sexista.

Os resultados avançados pelo Governo federal indicam que a iniciativa que proíbe o uso de peças de vestuário que cubram integralmente o corpo venceu com 51,2% dos votos e na maioria dos cantões suíços.

Ainda que o texto da iniciativa não mencione claramente o tipo de vestuário a que se refere, durante a campanha ficou claro que se pretende proibir o uso de burca – uma peça de vestuário que cobre todo o corpo, apenas com uma abertura rendilhada nos olhos, usado por algumas mulheres muçulmanas -, bem como do niqab, que é semelhante à burca, mas sem a peça rendilhada.

O referendo é vinculativo e propõe uma revisão constitucional que visa permitir esta proibição.

A medida foi proposta pelo partido de direita UDC (Union Demócratique de Centre, ou União Democrática do Centro, em tradução livre) e foi apoiada por grupos feministas e por um setor dos eleitores da esquerda laica.

Na Suíça, a nossa tradição é mostrar a cara. Isso é um sinal das nossas liberdades básicas”, disse Walter Wobmann, presidente do comité do referendo e membro do parlamento pelo Partido do Povo Suíço, antes da votação, citado pela agência Reuters. A cobertura facial é “um símbolo desse Islão político extremo que se tornou cada vez mais proeminente na Europa e não tem lugar na Suíça”.

Citado pela agência de notícias francesa, o presidente da UDC, Marco Chiesa, congratulou-se pelo resultado, afirmando que não quer “um islamismo radical” no país.

O Conselho Central de Muçulmanos, por seu lado, já fez saber que irá recorrer da decisão em tribunal. “A decisão de hoje abre velhas feridas, amplia ainda mais o princípio da desigualdade legal e envia um sinal claro de exclusão à minoria muçulmana”, condenou o organismo em comunicado.

“Ancorar os códigos de vestimenta na constituição não é uma luta de libertação para as mulheres, mas um retrocesso no passado”, disse a Federação das Organizações Islâmicas da Suíça, acrescentando que os valores suíços de neutralidade, tolerância e pacificação sofreram no debate.

Com este resultado, a Suíça junta-se à França, à Áustria, à Bulgária, à Bélgica e à Dinamarca, que aprovaram iniciativas semelhantes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

  1. Nem mais. usar essas vestimentas retrógradas é uma afirmação politica, religiosa e até de civilização que não tem lugar na Europa! Esta é uma prática de gente atrasada que pretende impor a sua visão atávica do mundo, e que pretende exibir e fazer impor aos outros, algo que os ofende directamente. Estas normas velhas e discriminatórias são um atentado à dignidade humana, nada tem de nobre ou de exemplar. Nenhuma mulher é mais digna por estar toda entrapada, pois só ela sabe os caminhos que percorre, usar roupa para se fazer de superior em relação às restantes revela uma personalidade mesquinha e persecutória. É de assinalar no Dia Mundial da mulher a defesa da sua dignidade como pessoa humana, tudo o resto são meros insultos de quem pretende a todo custo fazer regredir no Ocidente a sua acção civilizacional – ao nível retrogrado e de manifesto ódio às mulheres -, a que condenaram os países onde esta “moda” teve origem e, onde tem sido paulatinamente imposto um retrocesso civilizacional, que ofende frontalmente as mentes mais limpas e avançadas deste século.

  2. Uiiiiiiiii…. liberdades individuais e religiosas vs ‘tradição’ do país. É um equilíbrio muito complicado.

    Ainda assim, apoio a decisão Suíça.

    Ps. Aguardo ansiosamente a reação da comunidade Muçulmana, amante da paz.

  3. E agora Dra. Ana Gomes,
    Vai fazer queixa ao Mundo e tratar dos processos na Justiça internacional de que os Suiços são racistas xenó.. etc. e que não devem existir?

  4. Olha! ainda há quem tenha orgulho na tradição/cultura do seu país nesta Europa à deriva.
    Bravo Suíça.

  5. Se no Irão é obrigatório as mulheres – iranianas e estrangeiras – cobrirem a cabeça, tem de se admitir a obrigatoriedade, na Europa, das mulheres mostrarem o rosto. Se não se dão bem com a nossa cultura podem regressar aos seus países de origem.

  6. É triste um país ter de impor o óbvio !!! Como é possível após anos de luta pelos direitos da mulher, haver mulheres dispostas a tal submissão. A Europa deve criar regras para aceitação de asilados, refugiados etc… sendo uma delas a aceitação e cumprimento das regras sociais dos países que os abriguem.

  7. É justo!…
    As mulheres e homens europeus quando se deslocam a países islãmicos também têm que se adaptar aos usos e costumes locais.

  8. A não esquecer que não são só homens Muçulmanos que são integristas, muitas mulheres Muçulmanas o são igualmente, quanto a medida de proibição de uso deste paramento de filiação Religiosa en Publico, num Pais Laico, é totalmente legitima!……

  9. Uma medida justa e corajosa numa Europa cada vez mais rendida a todos os excessos de culturas importadas ou novos e maus hábitos.

  10. Aceita-se a decisão sob o ponto de vista da libertação da mulher, indignamente tratada na maior parte dos países muçulmanos. Humilhação não é liberdade

      • Sarinha, bobagem é o que tu acabaste de fazer: criticar sem dizer NADA!
        Lê e aprende que eu não duro para sempre:
        “Suíça ainda é um bom lugar para esconder dinheiro”
        A Suíça melhorou sua pontuação em um ranking de países que ajudam a esconder dinheiro. Mas isto está longe de ser algo para ser comemorado, diz uma aliança de ONGs.”

        “Pela primeira vez, a Suíça não é o pior infrator no Índice de Sigilo Financeiro, que foi publicado pela primeira vez em 2011.”

        swissinfo.ch, 21 Fevereiro 2020
        Bobagem é uma brasileira tentar desmentir a realidade quando até os media suíços a confirmam!!

RESPONDER

Iémen. Escassez de alimentos empurra 16 milhões de pessoas para a fome, revela ONU

Pelo menos 5 milhões de pessoas no Iémen estão à beira da fome e outros 16 milhões estão "a caminhar para a fome", num país dilacerado pela guerra civil. O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na …

Presidente da Tunísia governará por decreto, ignorando partes da constituição

O Presidente da Tunísia, Kais Saied, declarou que governará por decreto e ignorará partes da constituição, enquanto se prepara para mudar o sistema político, gerando críticas imediatas da oposição. Desde 25 de julho, dia em que …

Alemanha deixa de pagar quarentena a trabalhadores não vacinados

A Alemanha vai deixar de indemnizar trabalhadores não vacinados que forem forçados a quarentena devido ao coronavírus, por ser "injusto pedir aos contribuintes que subsidiem aqueles que se recusam a ser vacinados", disse na quarta-feira …

Governo acaba com recomendação do teletrabalho

O Conselho de Ministros decidiu acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores. Estas medidas integram a terceira e última fase do plano …

Cansado de denúncias, Betis pede aos seus sócios: "Portem-se bem"

Clube onde jogam dois portugueses quer que os adeptos tenham um "comportamento adequado" durante os jogos no Benito Villamarín. O Betis de Sevilha jogou seis vezes até agora, nesta época. Quatro desses encontros foram disputados em …

Junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, diz especialista da ONU

A junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, incluindo crianças com 20 semanas de idade, segundo o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destacado para o país, …

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …