Milhares de suecos implantam microchips subcutâneos para substituir a carteira

A aplicação da engenharia em sistemas biológicos tem um papel cada vez mais preponderante. Milhares de suecos implantaram microchips nos seus corpos para nunca mais terem de se preocupar em perder um cartão multibanco ou ter de transportar uma carteira pesada. Simples, não?

Às vezes uma carteira pesa bastante, outras, tirar o passe de comboio do bolso dá demasiado trabalho. Para resolver esta situação, os suecos estão a implantar microchips debaixo da pele. Se para alguns esta ideia de carregar um chip no corpo é prática, para outros é simplesmente inapropriada.

Os fatores que explicam por que motivo cerca de 3500 suecos implantaram microchips na pele são mais complexos do que esperamos. Este fenómeno espelha o romance entre a Suécia e o biohacking.

O termo biohackers refere-se aos biólogos amadores que conduzem experiências de biomedicina fora das instituições tradicionais. A aplicação do conhecimento da engenharia aos sistemas biológicos mostram-nos como nos estamos a aproximar muito rapidamente de um mundo onde os seres humanos podem, e vão, mudar a sua forma de viver e morrer.

O biohacking é também uma cultura que alberga subgrupos muito distintos. Os hacker Wetware, biólogos da “ciência cidadã” que constroem equipamentos de laboratório a partir de utensílios domésticos.

Há também os transumanistas, que se concentram em melhorar o corpo humano com o objetivo de, a longo prazo, melhorar a raça humana. Estes defendem que, somente através do nosso melhoramento, e da fuga aos limites biológicos, poderemos um dia competir com a Inteligência Artificial.

O biohacking reflete muitas vezes as diferentes culturas nas quais se desenvolve. Por exemplo, os biohackers norte-americanos estão preocupados em desenvolver alternativas práticas de saúde, enquanto que os europeus se centram em encontrar formas de ajudar as pessoas que vivem nos países em desenvolvimento, ou em participar em bio-projetos artísticos.

Mas a cultura sueca de biohacking destaca-se do resto da Europa.

A crença dos suecos na tecnologia

Os suecos integram o movimento transumanista. São os transumanistas – ou, mais especificamente, grinders – que têm inserido chips NFC (Near Field Communication) debaixo da pele a milhares de suecos, entre o polegar e o dedo indicador.

Mas se para alguns este tipo de engenharia ainda causa estranheza, porque é que o suecos estão tão felizes com esta implementação? Segundo o The Conversation os suecos são mais propensos a partilhar os seus dados pessoais, devido à forma como o sistema sueco de previdência social está estruturado.

Mas o mito do “sueco ingénuo” que confia no Governo e nas instituições nacionais não chega para explicar este fenómeno. Nas Suécia, as pessoas acreditam na digitalização e no positivo potencial da tecnologia.

Nas duas últimas décadas, o Governo sueco investiu na tecnologia, tanto que a economia sueca é agora amplamente baseada na exportação digital, nos serviços digitais e nas inovações tecnológicas.

A Suécia tornou-se num dos países mais bem sucedidos do mundo no que diz respeito à criação e exportação de produtos digitais, e empresas como o Spotify foram fundadas no país.

Deste modo, torna-se fácil perceber que a crença na tecnologia digital e a confiança no seu potencial moldaram a cultura sueca – e o movimento transumanista contribuiu para isso.

Desde que a fundação Humanity+ foi criada, em 1998, muitos suecos convenceram-se de que deveriam dar uma oportunidade à tecnologia e melhorar os seus corpos biológicos.

Embora o mundo esteja chocado com o número de suecos que estão a aderir aos microchips, devemos aproveitar esta oportunidade para olhar a tecnologia com outros olhos. Afinal, este fenómenos recente é apenas uma manifestação da crença sueca na tecnologia, que torna este país tão singular.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Realmente otários estes suecos. Agora é que vão ser raptos e mutilações para a ladroagem usar o tal chip para as compras. Os islâmicos já devem estar a afiar o dente…

  2. A empresa SKYPE foi fundada na Estónia por 4 cidadãos estonios e um dinamarquês sendo depois de 3 anos vendida para suecos que venderam na mais recentemente à Microsoft. Logo não é verdade dizer que foi fundada na Suécia.

Responder a ZAP Cancelar resposta

Artistas com espetáculos cancelados recebem pelo menos 50%

O primeiro-ministro referendou, esta quarta-feira, a lei que regula a possibilidade de festivais e espetáculos no verão e que assegura apoio financeiro a artistas alvo de cancelamento ou reagendamento dos espetáculos por causa da pandemia. Este …

EUA anunciam fim da isenção de sanções no programa nuclear civil iraniano

Os Estados Unidos (EUA) anunciaram na quarta-feira o fim das derrogações que autorizaram até agora projetos relacionados com o programa nuclear civil iraniano, acordo internacional de 2015 do qual Washington se retirou. "Hoje, anuncio o fim …

Violência doméstica, droga, bairros problemáticos. Agentes da PSP obrigados a usar coletes anti-bala

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) decidiu tornar obrigatório o uso de coletes balísticos em oito tipos de situações. De acordo com o Jornal de Notícias, os agentes da PSP vão passar a …

Benfica e FC Porto estão entre os clubes europeus com maior valor comercial

O Benfica e o FC Porto estão em 24.º e 30.º, respetivamente, na lista dos 32 clubes de futebol europeus com maior valor comercial, que é liderada pelos espanhóis do Real Madrid. O Benfica (24.º) e …

Estados Unidos podem vir a acusar Cilia Flores, mulher de Maduro, por narcotráfico

Os Estados Unidos podem vir a acusar formalmente a mulher do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por crimes de tráfico de droga e corrupção. A notícia foi avançada esta quarta-feira pela Reuters, que cita quatro fontes diferentes. …

PSD quer lay-off até final do ano e Estado menos "dorminhoco"

O PSD apresentou hoje um conjunto de 26 "ideias e sugestões" na área social, incluindo o prolongamento do 'lay-off' simplificado até ao final do ano, a reafetação de recursos na administração pública e um Estado …

Trump prepara ordem executiva contra redes sociais. Quer reduzir proteções legais das empresas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar esta quinta-feira uma ordem executiva sobre as redes sociais, anunciou a Casa Branca, dois dias depois de o Twitter ter assinalado mensagens de Donald Trump com alertas de …

Mais 13 mortes e 304 novos casos. Reabertura da economia em Lisboa questionada

Embora a região Norte continue a ser a mais afetada pela pandemia, a situação na região da Grande Lisboa tem piorado. O Governo está a estudar o adiamento de algumas medidas de reabertura da economia …

Queixas de consumidores sobre vendas online sobem 250%

A Associação de defesa de consumidores Deco recebeu 3.500 reclamações relativas a compras online entre janeiro e maio, um aumento de 250% face ao número registado em igual período do ano anterior. Paulo Fonseca, da Deco, …

Alto político russo demitido por Vladimir Putin recorre ao Supremo

Um alto responsável político russo, demitido pelo Presidente Vladimir Putin em janeiro devido a acusações de vários escândalos, contestou a decisão perante a mais alta instância judicial do país. É a primeira vez em vinte anos …