Sucessão de Jardim no PSD Madeira decide-se esta semana

PSD / Flickr

Presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim

Presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim

Seis militantes disputam na próxima sexta-feira a liderança do PSD/Madeira, uma luta para suceder a Alberto João Jardim num cargo que ocupa há quase quatro décadas, o que acontece pela primeira vez na vida do partido na região.

Ao longo dos anos, Jardim foi um líder incontestado pelas hostes sociais-democratas madeirenses que comandava com “mão de ferro” e apenas o ex-presidente da câmara do Funchal, Miguel Albuquerque, em rota de colisão com o carismático presidente, ousou disputar com ele umas eleições internas, das quais saiu derrotado apenas por pouco mais de uma centena de votos, em novembro de 2012.

Várias vezes Alberto João Jardim anunciou que iria abandonar o cargo, mas acabou sempre por decidir “voltar atrás”, anunciando mais uma recandidatura com a justificação que era necessário preparar a sua sucessão.

Mas parece que não conseguiu, porque durante este mandato, após ter assegurado que “desta vez” estava mesmo de saída, começaram a surgir as intenções da meia dúzia de militantes para ocupar o seu lugar e que se têm vindo a criticar mutuamente na praça pública.

Esta situação demonstra a divisão interna no partido na Madeira e a contestação começou a evidenciar-se logo após o resultado das últimas eleições autárquicas, nas quais o PSD perdeu sete dos 11 municípios que governava no arquipélago.

Candidatos

Quatro dos candidatos são licenciados em direito (Miguel Albuquerque, João Cunha e Silva, Manuel António Correia e Sérgio Marques), um em Finanças (Miguel Sousa) e outro tem o 9º ano de escolaridade (Jaime Ramos).

Em termos profissionais, Miguel Albuquerque (53 anos) exerceu a advocacia e entrou na vida política, foi durante vários anos o presidente da principal autarquia da Madeira, sendo também conhecida a sua paixão pela escrita, a música e as rosas. O ex-autarca declara estar empenhado na “renovação” do partido.

Manuel António Correia (49 anos) sempre trabalhou na administração pública regional, tendo começado no então Instituto de Habitação. Desde novembro de 2000 que é o secretário do Ambiente e Recursos Naturais do executivo insular e defende que “é possível renovar, unir e vencer”.

João Cunha e Silva (56 anos) sempre se dedicou à política e desempenhou, entre outras funções, a de deputado e vice-presidente da Assembleia Legislativa da Madeira. Em 2000 foi escolhido por Jardim para ser o número dois do governo madeirense e diz apresentar aos militantes “um projeto, uma equipa e um líder”.

O cargo de vice-presidente do Governo foi também exercido por Miguel de Sousa (61 anos) entre 1988 e 1992, após de ter sido diretor e, posteriormente, secretário regional dos Transportes e depois do Plano. Atualmente é gestor de um grupo cervejeiro na região e vice-presidente do parlamento regional, e apresenta um projeto de “quatro anos para uma nova Madeira”.

Sérgio Marques (57 anos) também tem experiência governativa, pois desempenhou funções no executivo insular como diretor regional do Planeamento e foi eurodeputado entre 1999 e 2009. “Força para mudar” é o lema do seu projeto.

Quanto a Jaime Ramos (67 anos), é um empresário da construção civil, dirigente da associação do setor na região, e há várias décadas que é secretário-geral e líder parlamentar do PSD/Madeira.

A JSD/Madeira foi a escola de alguns dos candidatos, casos de Miguel de Sousa, Miguel Albuquerque e Cunha e Silva que chegaram a ser os líderes da jota laranja madeirense.

/Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …

Greve geral volta a parar França. Filas de trânsito chegam aos 620 quilómetros

Os acessos a Paris estão, esta manhã, muito complicados devido ao quinto dia de greve contra a reforma das pensões e que afeta sobretudo a rede de transportes na capital francesa. De acordo com as autoridades, …