Há 15 anos, um submarino da Marinha dos Estados Unidos encontrou uma montanha

Mark Allen Leonesio / U.S. Navy

Submarino USS San Francisco

Em 2005, o USS San Francisco embateu numa montanha submarina desconhecida. Apesar de ligeiramente “magoado”, não afundou – e isso não aconteceu por acaso.

No dia 8 de janeiro de 2005, o submarino USS San Francisco parou de repente. A tripulação do navio foi projetada e a maioria (137 membros) sofreu lesões derivadas do acidente.

Uma investigação aprofundada ao sucedido acabou por explicar em detalhe o que aconteceu: o arco do submarino ficou completamente esmagado porque o USS San Francisco tinha encontrado uma montanha submarina desconhecida.

Naquele dia, o USS San Francisco estava a, aproximadamente, 580 quilómetros a sudeste de Guam, a viajar a uma velocidade de flanco. Segundo o Popular Mechanics, as cartas de navegação usadas pela tripulação do navio não revelaram qualquer montanha submarina a brotar do fundo do oceano, pelo que o submarino acabou por embater nela.

No entanto, o mais incrível deste acidente é que, após esbarrar na montanha, a mais de 48 quilómetros por hora, o submarino não afundou nem sofreu qualquer tipo de sintoma de mau funcionamento do reator.

Além de sair quase ileso do acidente, o USS San Francisco conseguiu mover-se até ao porto da ilha de Guam, graças às ações de segurança que a Marinha dos Estados Unidos havia adotado quatro décadas antes.

Em 1963, o submarino nuclear USS Thresher foi perdido durante testes de mergulho no Oceano Atlântico – ficando claro que as medidas destinadas a afundar o submarino numa emergência falharam.

Nos dois meses que se seguiram, a Marinha norte-americana decidiu criar o programa SUBSAFE, com o objetivo de garantir que o casco de um qualquer submarino da Marinha manteria a integridade estrutural sob pressão, fazendo com que o submarino fosse capaz de, pelo menos, aflorar.

Além disso, o Programa de Propulsão Nuclear da Marinha melhorou os reatores nucleares, tornando-os mais seguros. Se o casco, os sistemas de lastro e o reator funcionassem adequadamente, a tripulação teria uma maior probabilidade de sobreviver a um acidente.

No caso particular do USS San Francisco, apesar de o arco ter ficado completamente esmagado a 525 pés de profundidade, o restante do casco mantinha a pressão, impedindo a embarcação de afundar completamente. Além disso, após o acidente, o reator nuclear ainda funcionava na perfeição, permitindo que o navio se movesse.

Em 2013, um almirante da Marinha dos Estados Unidos chegou mesmo a afirmar que, se não fosse o SUBSAFE, o USS San Francisco poderia não ter “sobrevivido”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Velocidade de “flanco”?

    Quando traduzirem textos do inglês, certifiquem-se que estão dentro do assunto.

    “Full ahead flank” é “velocidade máxima”.

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …