Depois de sobreviver ao cancro, Sarah cruzou o Canal da Mancha a nado 4 vezes sem parar

Uma mulher norte-americana tornou-se a primeira pessoa a cruzar a nado o Canal da Mancha, entre o Reino Unido e França, quatro vezes sem parar. E dedicou a vitória a todos que, como ela, são sobreviventes do cancro.

Sarah Thomas, 37 anos, começou este desafio nas primeiras horas do último domingo e terminou-o 54 horas e 10 minutos depois. Nadadora de ultramaratonas em águas abertas – que completou um tratamento de cancro de mama há um ano – dedicou a travessia épica a “todos os sobreviventes (da doença) que há por aí”.

Até à data, houve quatro nadadores que cruzaram o Canal três vezes sem parar. Assim, Sarah foi a primeira a conseguir fazer quatro voltas.

Em 2018, Sarah foi submetida a um tratamento para combater um cancro da mama agressivo, que lhe foi diagnosticado em 2017. Foi também nessa altura que a equipa médica lhe disse para não abandonar de todo a natação, uma vez que seria a sua forma de lidar com a doença.

Em declarações à BBC, pouco depois de chegar à praia, Sarah não estava em si: “Não consigo acreditar que fiz isto. A verdade é que estou um pouco tonta”, acrescentou, antes do desabafo: “estou muito cansada, acho que vou passar o dia a dormir.”

And a couple drone shots from somewhere in Channel during her first return to England. Sarah Thomas Elaine Kornbau HowleyI got some great shots, and a really good drone horror story, to boot 😉

Publicado por Jon Washer em Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Segundo a previsão inicial, o percurso seria de cerca de 128 quilómetros, mas, por causa das correntes, Sarah acabou por nadar quase 209 quilómetros. “É uma vitória, ela testou os limites da resistência”, sublinhou Kevin Murphy, observador oficial da travessia, antes de acrescentar, “foi incrível, absolutamente inspirador. No final, ficamos muito emocionados”, conta Kevin Murphy, observador oficial da travessia.

Ao sair da água em Dover, cidade portuária no sudeste da Inglaterra, Sarah teve ainda oportunidade de comemorar a sua entrada para o livro dos recordes com champanhe e chocolate.

Foi em 2007 que Sarah completou a sua primeira travessia em águas abertas. Cinco anos depois, em 2012, cruzou o Canal da Mancha pela primeira vez, e repetiu o feito em 2016.

No sábado à noite, na véspera do início da travessia, a mulher admitiu, num post no Facebook, que estava “assustada” com o desafio. “Estou à espera desta travessia há mais de dois anos e lutei muito para chegar aqui”, antes de rematar: “Se estou a 100%? Não. Mas sou o melhor que posso ser agora, depois de tudo o que passei, com mais explosão e garra do que nunca.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …

Afastado desde a noite eleitoral, Rui Rio volta para lançar suspeitas sobre a RTP

Afastado dos holofotes desde a noite eleitoral e sem dizer se se vai recandidatar à liderança do PSD, Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar as suas suspeitas sobre a RTP. O líder social-democrata recorreu às …