Erdogan vence referendo e é o novo Sultão da Turquia

Tolga Bozoglu / EPA

O presidente da Turquia, Recep Erdogan

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, reivindicou esta noite a vitória no referendo constitucional e apelou aos seus apoiantes para celebrarem o resultado, enquanto a oposição denunciava manipulações e diz que vai contestar o resultado.

O presidente Recep Erdogan descreveu a vitória do “sim” no referendo de hoje como uma “decisão histórica” e pediu aos países estrangeiros para “respeitarem o resultado”.

O sistema presidencialista aprovado no referendo deste domingo dá mais poderes ao presidente turco e abre o caminho para que Erdogan possa governar até 2034.

Erdogan considerou que os resultados oficiais demonstram que o referendo destinado a reforçar os poderes presidenciais venceu com uma margem de 1,3 milhões de votos, com uma taxa de participação “de 86 por cento”.

O Presidente turco assumiu um tom conciliatório em declarações aos jornalistas em Istambul, numa referência aos resultados do referendo que hoje decorreu no país euroasiático. No entanto, avisou os críticos que “menosprezam” o resultado da consulta “que não o devem fazer, porque será em vão“.

O Presidente turco agradeceu aos eleitores, independentemente da sua opção de voto.

As principais forças da oposição já denunciaram uma fraude eleitoral e prometeram contestar os resultados que apontavam para uma vitória do “sim” com 51,35%, quando estavam contados 99,17% dos votos.

Numa referência à reintrodução da pena de morte, um tema que regressou à atualidade política turca na sequência do sangrento e fracassado golpe de Estado de julho de 2016, considerou que a questão “deverá ser discutida” com os líderes políticos do país, e eventualmente necessitar de um referendo.

Erdogan telefonou ao primeiro-ministro, Binali Yildirim, para o felicitar pelos resultados do referendo constitucional, após considerar “clara” a vitória do “sim”, e contactou com Devlet Bahçeli, dirigente do Partido Ação Nacionalista (MHP), que também participou na campanha pelo “sim”, apesar da oposição de parte considerável das suas bases.

Previamente, Bahçeli tinha já referido numa declaração que os eleitores turcos optaram “de livre vontade” pelas reformas que reforçam os poderes presidenciais e definiu os resultados como “um sucesso muito importante, uma vitória que torna a desistência e a negação impossíveis”.

O chefe da formação ultranacionalista, quarta força política no parlamento de Ancara, rejeitou ainda a “pressão, chantagem, imposição, pressão e ameaças de todo o mundo para que a escolha do ‘não’ triunfasse”.

O MHP apoiou o Presidente turco e seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) no projeto de alteração do sistema parlamentar na Turquia para um regime presidencialista.

Também o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, se referiu ao nascimento de uma “nova Turquia” na sequência dos resultados.

Perante um grupo de apoiantes na cidade de Antalya, de onde é natural, disse. “A partir de hoje, existe uma verdadeira nova Turquia. Haverá estabilidade e confiança na nova Turquia”.

O primeiro ministro-turco Binali Yildirim também reclamou vitória, apesar de os resultados oficiais ainda não terem sido divulgados.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Por favor ZAP, voltamos a ter o incómodo dos anúncios laterais que é impossível fechar e não deixam ver as noticias…

RESPONDER

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …

Farmácias em risco de não ter vacinas da gripe para tantos pedidos

As farmácias privadas receiam não ter doses suficientes de vacina contra a gripe para dar resposta a todos os pedidos. As encomendas da vacina já sãocinco vezes mais do que as registadas em 2019. A preocupação …

É responsabilidade a mais. Médicos não querem integrar Brigadas Rápidas dos lares

Está a ser difícil contratar médicos para as Brigadas de Intervenção Rápida dos lares que foram anunciadas pelo Governo. Mesmo a receberem acima da tabela de pagamentos, os médicos receiam a falta de condições e …

Restrições a turistas suavizadas. Finlândia tenta salvar a Lapónia (e a época de inverno)

A Finlândia, que vê o turismo estrangeiro em perigo na Lapónia, permite a partir de hoje a entrada de turistas de cerca de vinte países sem terem de fazer quarentena. As medidas surgem numa altura em …

"Foi uma vergonha". PS em choque com saída de Jamila e com o poder de Temido

A saída de Jamila Madeira do cargo de secretária de Estado Adjunta e da Saúde, a pedido da ministra Marta Temido, deixou alguns socialistas "arrepiados" e há um desconforto interno com a situação. É mais …