SETI deteta 72 sinais extraterrestres numa galáxia a 3000 milhões de anos-luz

Os cientistas do Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI), nos Estados Unidos, detetaram 72 sinais extraterrestres vindos de uma galáxia anã a cerca de três mil milhões de anos-luz da Terra.

Uma equipa de cientistas do programa Breakthrough Listen, situado no SETI Institute, na Universidade da Califórnia, em Berkeley, EUA, detetou 72 sinais extraterrestres ao examinar 400 terabytes de dados radiofónicos vindos de uma galáxia anã a cerca de três mil milhões de anos-luz da Terra.

A fonte que emite estas rajadas rápidas de rádio – intensas explosões de energia de rádio que duram apenas alguns milissegundos de duração – é conhecida como FRB 121102.

A maioria das FRB analisadas emitiu apenas uma descarga de rajadas rápidas de rádio, mas na FRB 121102 esse fenómeno repetiu-se várias vezes. Foi assim que se detetaram 21 explosões nesta fonte, no ano passado, ao analisar dados recolhidos pelo telescópio Green Bank, nos EUA, com a implementação de algoritmos informáticos padrão.

Mas, agora, a equipa desenvolveu um novo e mais poderoso algoritmo, com o qual reanalisaram os dados do telescópio e descobriram outras 72 explosões que não haviam sido visualizadas com a técnica anterior.

Gerry Zhang, estudante doutorado por esta universidade norte-americana, foi o responsável pelo algoritmo, tendo recorrido a algumas das técnicas usadas pelas empresas de tecnologia da Internet para otimizar os resultados de pesquisa e classificar imagens.

Os cientistas treinaram um algoritmo conhecido como rede neuronal convolucional, que facilita o reconhecimento destas rajadas rápidas de rádio (“fast radio bursts” em inglês).

“O seu trabalho é entusiasmante não só porque nos ajuda a compreender o comportamento dinâmico dos FBR com mais detalhe, mas também por causa do potencial que mostra ao usar a aprendizagem de máquinas para detetar sinais perdidos por algoritmos clássicos”, afirmou Andrew Siemion, investigador do SETI, à Sky News.

A FRB 121102 tem origem numa galáxia anã localizada a 3 mil milhões de anos-luz do nosso planeta, mas a natureza do objeto que as emite é desconhecida. Há diversas teorias sobre o assunto, incluindo a que poderiam ser sinais de tecnologia desenvolvida por uma avançada civilização extraterrestre.

“A natureza do objeto que os emite é desconhecida. Existem várias teorias, incluindo que elas podem ser assinaturas da tecnologia desenvolvida por vida inteligente”, disse fonte do SETI também citada pelo canal de televisão.

Em 2017, cientistas da Universidade de Harvard já tinham sugerido que estes sinais podiam ser o resultado de falhas de energia de transmissores poderosos construídos por civilizações alienígenas para enviar gigantes barcos em viagens interestelares.

Os resultados desta nova investigação foram aceites para publicação na revista científica Astrophysical Journal.

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Essas possíveis civilizações agora captadas existiram à 3.000 milhões de anos, ou seja estão mais do extintas, pois quando olhamos para o espaço estamos a olhar para o passado, e quanto mais longe mais longínquo no tempo.

    • Mais extintas porquê?
      Pode a galáxia deles não ter sido destruida, podem ter desenvolvido tecnologia para sobreviverem.
      Nós temos quantos anos de tecnologia? 80 anos? 90 anos? Já enviam robots para outros planetas, quando tivermos 1000 anos de tecnologia o que poderemos alcançar?
      Todas as hipóteses podem ser válidas enquanto não houver uma confirmação do que é, o que foi e o que será.
      Não vejo porque porque a única hipótese é: estão extintos! É preciso ser obtuso se for para pensar assim.

  2. Nao sei que tem o redshift a ver com isso mas esta bem, e pelo que andei a ler nao me parece que seja nada de mais fizeram upgrades nos sistemas detectaram 1 pulsar digo eu, nao sei o que eh a frequencia (FRB 121102) mas penso que sera ” fast radio brusts ” o que nao eh nada de novo ja foi detectado antes em inglaterra se nao me engano… ” FRB 121102
    An observation in 2012 of a fast radio burst (FRB 121102)[4] in the direction of Auriga in the northern hemisphere using the Arecibo radio telescope confirmed the extragalactic origin of fast radio pulses by an effect known as plasma dispersion. ” mais aqui ” https://en.wikipedia.org/wiki/Fast_radio_burst

    • Se não sabe o que é o Redshift ou como são medidas as distâncias no Cosmos, então não sabe como eles chegaram à conclusão que essa galáxia está a “3000 milhões de anos-luz” …

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …