Separatistas catalães vão a julgamento hoje em processo histórico

Alberto Estevez / EPA

O presidente da Generalitat de Catalunya, Carles Puigdemont

Doze dirigentes independentistas catalães acusados de estar envolvidos na tentativa de secessão da Catalunha em outubro de 2017 começam esta terça-feira a ser julgados num megaprocesso que será transmitido em direto pela televisão.

O julgamento, que deverá demorar três meses com a sentença a ser conhecida antes das férias de verão, vai ser seguido por mais de 600 jornalistas e 150 meios de comunicação social espanhóis e estrangeiros. Trata-se de um “processo histórico”, nota a agência de notícias AFP.

O Tribunal Supremo põe à disposição de todos o sinal em direto das audiências, para que haja absoluta transparência sobre o processo, contrariando o relato dos separatistas.

O Ministério Público pediu penas que vão até 25 anos de prisão contra os acusados, por alegados delitos de rebelião, sedição, desvio de fundos e desobediência.

A figura principal da tentativa de independência, o ex-presidente do Governo regional catalão, Carles Puigdemont, que fugiu para a Bélgica, é o grande ausente neste processo, visto que Espanha não julga pessoas à revelia em delitos com este grau de gravidade.

No banco dos réus vão estar, entre outros, o ex-vice-presidente do Governo regional e vários ex-membros desse executivo, a antiga presidente do Parlamento catalão e os dirigentes de duas poderosas associações cívicas separatistas.

Nove dos acusados estão detidos provisoriamente há mais de um ano suspeitos de terem cometido os delitos mais graves de rebelião e desvio de fundos públicos.

Após realizar a 1 de outubro de 2017 um referendo sobre a independência proibido pela justiça, os separatistas catalães proclamaram a 27 de outubro do mesmo ano uma República catalã independente.

Processo “histórico”

O processo de independência foi interrompido no mesmo dia, quando o Governo central espanhol, presidido então por Mariano Rajoy, decidiu intervir na Comunidade Autonómica, destituindo o executivo de Carlos Puigdemont e dissolvendo o Parlamento.

As eleições regionais, que se realizaram a 21 de dezembro de 2017, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas que continuam a defender a criação de uma República independente. A questão central no processo que se inicia é a de saber se houve violência na tentativa de secessão, com a acusação de rebelião, que implica uma sublevação violenta, a ser contestada.

O Ministério Público defende que houve delito de rebelião, um crime contra a Constituição espanhola com penas que podem ir até 25 anos de prisão, enquanto os representantes do interesse do Estado (advogado do Estado), dizem que houve apenas delitos de sedição, crime contra a ordem pública com penas até 12 anos de prisão.

A defesa rejeita perentoriamente que tenha havido violência e contrapõe que foram as forças da ordem que utilizaram a violência para reprimir a votação no referendo de 01 de outubro de 2017. Por outro lado, o partido de extrema-direita Vox, o mais crítico do movimento separatista, apresenta-se como a “acusação popular”, uma particularidade do sistema jurídico espanhol que autoriza qualquer cidadão ou organização a se apresentar do lado da acusação como defensor da legalidade.

Os independentistas têm feito tudo para desacreditar este julgamento que asseguram ser um “embuste”, defendendo que o Estado espanhol vai julgar “presos políticos” e não “políticos presos”, ao mesmo tempo que pedem a presença de observadores internacionais para acompanharem o processo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Este é um julgamento politico, e a justiça vai julgar sendo parte interessada porque manteve presos 12 presos politicos e agora vao condena-los à pena maxima, será isto justiça a sério??? Claro que nao. Fazendo um paralelo com o que se passa na venezuela, se a espanha acusa os detidos de traiçao por defenderem aquilo a que se propiseram quando se apresentaram a eleiçoes e foram autorizados pelo povo Catalão, então como é que a espanha reconheu de pronto um impostor na venezuela, a ser assim e actuando ao mesmo modo de espanha a venezuela pode e edeve prender guaido como traidor à patria. Então porque é que a espanha tem 2 pesos e duas medidas??? Isto de ser democrata tem muito que se diga, agora está na moda fazer democracia conforme nos der jeito, nao é????

  2. A Espanha está muito longe de ser um autêntico Estado-Nação. Só um mega cínico braço de ferro de Madrid (leia-se: especialmente de Castela) é que tem possibilitado a persistência desta falsa União. Sendo que foi aquilo que foi com o País Basco e vai ser também com a Catalunha. Pois se Madrid deixar que se abra agora uma caixa de pandora é ponto assente que nunca mais conseguirá controlar e deter os ímpetos nacionalistas das outras regiões. E que assistiremos em poucas décadas à completa desagregação da Espanha actual, dando lugar a vários novos Estados, independentes e muito mais próximos, cada um, da sua própria Nação.
    E, já agora, que não se pense cá pelo território luso que isso não nos diz respeito. Pois diz, sim, muito! Porque temos o dever histórico da preservação da nossa consciência identitária na Nação Portugalaica!…

Hospital da Cruz Vermelha pode vir a ser vendido à Santa Casa da Misericórdia

A Cruz Vermelha Portuguesa quer vender o respetivo hospital, em Lisboa, e a Santa Casa da Misericórdia da capital está interessada na aquisição. A Cruz Vermelha acredita que a venda pode acontecer até ao final do …

Tribunal de recurso absolve Benfica de jogo à porta fechada

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa absolveu o Benfica das penas de disputar um jogo à porta fechada e do pagamento de uma multa de 56.250 euros, pelo seu relacionamento com grupos organizados de …

Senadora da oposição declara-se Presidente interina da Bolívia. Morales fala no “golpe mais matreiro e nefasto da história”

A senadora da oposição Jeanine Áñez assumiu esta terça-feira a Presidência interina da Bolívia, depois da renúncia de Evo Morales, numa sessão parlamentar que decorreu sem a presença de representares do Movimento para o Socialismo. Segundo …

Cientistas implantaram chip no cérebro de um paciente para ajudá-lo a superar o vício em opióides

West Virginia é o Estado norte-americano com a maior taxa de mortes relacionadas com opióides. Agora, é também o primeiro a usar estimulação cerebral profunda para combater este vício. A Universidade de West Virginia, nos Estados …

Contra “radicalismos, xenofobias e intolerâncias”. Marcelo vai ser distinguido pela mais antiga universidade da Europa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, termina esta quarta-feira em Bolonha a sua visita de Estado a Itália, com um dia dedicado à educação, em que será distinguido pela mais antiga universidade da …

Trump recebe Erdogan na Casa Branca para primeiro encontro após ofensiva na Síria

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebe esta quarta-feira na Casa Branca o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, naquele que é o primeiro encontro após a ofensiva turca lançada a 9 de outubro …

O mistério daquilo que torna uma piada engraçada (mas só para algumas pessoas)

https://vimeo.com/372607767 Aquilo que torna uma piada engraçada poderá depender do contexto social e temporal. Cientistas ainda tentam perceber até que ponto o nosso cérebro pode ter influência neste processo. Acha engraçada esta piada da Suméria de 1900 …

Elon Musk explica como construir uma cidade sustentável em Marte

O CEO da Space X, o multimilionário Elon Musk, revelou na rede social Twitter detalhes sobre os planos da empresa para estabelecer um assentamento em Marte que seja sustentável para os seres humanos. No entender de …

Físicos já conseguem espreitar o gato de Schrödinger sem o matar

Pode haver uma forma de espreitar o gato de Schrödinger - a famosa experiência mental baseada em felinos que descreve o comportamento misterioso das partículas subatómicas - sem matar permanentemente o animal hipotético. O gato de …

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …