Sem “rancores”, Costa pede vitória “sólida” que permita gerar consensos

Manuel de Almeida / Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa.

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa.

O secretário-geral do PS pediu que, “sem acrimónias ou rancores”, no domingo, se ponha fim a uma crise política “irresponsavelmente aberta no país”, e voltou a alertar para a influência da extrema-direita num Governo PSD.

Estas foram duas das mensagens transmitidas por António Costa no discurso que proferiu no encerramento do comício do PS no pavilhão da Sociedade Filarmónica Artística Piedense, em Almada.

No seu discurso, o líder socialista elogiou o sentido de solidariedade dos portugueses no combate à pandemia de covid-19, recusando a lógica do “cada um por si”, salientou que já 4,5 milhões de portugueses receberam a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e que, apesar do aumento das infeções, o Serviço Nacional de Saúde não está sob pressão.

Neste contexto, António Costa procurou colocar em contraste a resposta deste Governo à crise sanitária e a resposta dada pelo executivo de Passos Coelho em 2011 perante a crise financeira.

“Não houve aumento de impostos nem redução dos salários. Houve mobilização do Estado social e proteção dos rendimentos”, declarou, antes de condenar a forma como no parlamento se abriu uma crise política em Portugal ainda em conjuntura de crise sanitária.

“Por já termos vencido a austeridade, a estagnação económica e estarmos a lutar contra a pandemia é que eu não tenho a menor das dúvidas de que, no próximo domingo, vamos também vencer esta crise política que foi irresponsavelmente criada em Portugal. É impossível perceber a razão de se ter criado esta crise política”, observou, numa crítica indireta a partidos como o PCP e o Bloco de Esquerda.

Neste quadro, de acordo com António Costa, “só há uma resposta a dar no próximo domingo: Acabar com esta crise política já no domingo e não a deixarmos prolongar por mais quatro anos”.

Pela sua parte, segundo António Costa, haverá diálogo no dia seguinte às eleições.

“O PS tem uma responsabilidade porque foi em todos os momentos o motor da concórdia nacional, o ponto de mobilização das diferentes forças. De novo, é isso que temos de fazer, sem acrimónias, sem rancores, virando a página desta crise e devolvendo ao país aquilo que é fundamental: Estabilidade no país e tranquilidade na vida de cada português”, acentuou.

Na parte final da sua intervenção, o líder socialista defendeu que “estão criadas todas as condições de segurança” sanitárias para que os portugueses possam votar e voltou a alertar para uma possível influência do Chega num executivo de maioria relativa liderado pelo PSD.

“Sejamos também muito claros, o voto no PS é certo e seguro, porque não temos um programa escondido. Das duas alternativas que temos, é a única que em circunstância alguma dependerá da tolerância, da complacência acordada ou não acordada com a extrema-direita, porque com a extrema-direita não queremos nada, nada e mesmo nada”, frisou.

Segundo António Costa, para o PS, o muro que o “separa da extrema-direita, não começa à porta do Conselho de Ministros”.

“O muro começa nos valores fundamentais no qual assenta a dignidade humana. Já vimos bem que nos Açores não foi preciso que a extrema-direita estivesse sentada no Governo Regional para condicionar a política do PSD. Não queremos que na República aconteça aquilo que acontece nos Açores. E, tal como não há almoços grátis, também não há viabilizações grátis de Governo”, acrescentou.

“Sólida vitória” que permita “gerar consensos”

O secretário-geral do PS defendeu a necessidade de “garantir uma sólida vitória” que permita “gerar consensos”, apelando a “um esforço grande de unidade nacional” que “assegure estabilidade” e permita “virar a página” da pandemia.

“Todos estão a ficar conscientes da importância destas eleições e de garantir uma sólida vitória que dê estabilidade ao país, que permita ao país gerar os consensos e a unidade nacional que é fundamental para virarmos a página desta pandemia. É isso que as pessoas pedem”, afirmou António Costa.

O secretário-geral falava aos jornalistas durante a tradicional descida da rua Santa Catarina, no Porto, onde foi acompanhado pelo cabeça de lista por este círculo eleitoral, Alexandre Quintanilha, pelo número dois por aquele círculo eleitoral e ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e pelo presidente da Federação do Porto do PS, Manuel Pizarro.

António Costa apelou a que os “portugueses reflitam bem e decidam melhor no próximo dia 30”, sustentando que este é o momento “de os portugueses falarem”.

O também primeiro-ministro reiterou a necessidade de “garantir um esforço grande de unidade nacional”, que “assegure estabilidade” e permita “virar a página definitivamente desta pandemia”.

“Dia 30 os portugueses põem as cartas na mesa, dizendo quem ganha, quem perde, como ganha e quem tem mandatos de forma a podermos trabalhar com todos para construir uma solução sólida para a próxima legislatura”, disse.

“Humildade de aguardar” pelo resultado das eleições

O líder socialista recomendou a Rui Rio que tenha “a humildade de aguardar que os portugueses” votem no domingo, salientando que os políticos têm direito às suas “ambições”, mas só os portugueses conhecem o resultado das eleições legislativas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Eu acho que todos os políticos têm naturalmente direito às ambições que têm, mas devem ter a humildade de aguardar que os portugueses tomem a decisão, porque verdadeiramente só os portugueses é que conhecem o resultados destas eleições, porque só os portugueses é que sabem como é que vão votar no próximo domingo”, afirmou António Costa, reagindo às palavras de Rui Rio, que disse que o atual primeiro-ministro está “na iminência de perder as eleições”.

À semelhança do que tinha dito no dia anterior, António Costa reiterou que não pretende jogar “pingue-pongue com o doutor Rui Rio”, deixando-lhe, no entanto, uma mensagem: “Quando ele quiser debater política, debatemos política”.

Costa sustentou que o “PS não tem um programa escondido, tem um programa que é claro”: “a valorização dos rendimentos, do SNS [Serviço Nacional de Saúde]”, a aposta “nas qualificações e na inovação como motores” do desenvolvimento e uma “Segurança Social sólida”.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE