//

Salgado deu presente de 2 milhões ao primo (e insistiu para que este aceitasse)

4

Miguel A. Lopes / Lusa

O ex-presidente do BES, Ricardo Salgado

Ricardo Salgado deu ao primo José Manuel Espírito Santo um presente de dois milhões de euros. A oferta ocorreu em maio de 2014, em plena crise do GES, e Salgado terá ameaçado “chatear-se” com o primo se este não aceitasse.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em maior de 2014, o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, terá dado ao primo José Manuel Espírito Santo um presente de dois milhões de euros.

O relato da oferta do presente de dois milhões conta no acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, de janeiro de 2018, relativo ao recurso de José Manuel Espírito Santo contra o arresto dos seus imóveis, no âmbito do processo de investigação ao Universo GES.

Este presente aconteceu numa altura em que o Grupo Espírito Santo (GES) estava já em plena crise financeira, avança o Correio da Manhã.

“O dr. Ricardo Salgado um dia chamou o oponente José Manuel Espírito Santo, já no final, com as coisas muito mal, e disse ‘vou-te dar dois milhões de euros’, em maio de 2014, tendo este respondido que não pode aceitar esses dois milhões de euros”, pode ler-se no acórdão.

Depois de o primo ter dito que não pdoeria aceitar o presente, Salgado terá ripostado, “dizendo que o oponente ia aceitar”. Assim, pediu o número de uma conta bancária para fazer a transferência dos dois milhões de euros, “tendo o oponente dito que não ia dizer nenhuma”.

Segundo o acórdão, citado pelo CM, Ricardo Salgado “insistiu para lhe dizer qual era a conta, sob pena de se chatearem“.

José Manuel Espírito Santo acabou por aceitar o presente do então líder do BES e do GES. O dinheiro terá sido canalizado para a Raimul, empresa do ramo familiar de José Manuel Espírito Santo, e terá sido utilizado para participar no aumento de capital da Espírito Santo International (ESI).

O primo de Ricardo Salgado admite que os dois milhões chegaram à Raimul, mas diz desconhecer a origem do dinheiro. O Ministério Público considera, “no mínimo, ingénuo” que José Manuel Espírito Santo desconheça a origem da quantia, tendo em conta o estado financeiro em que todo o grupo GES se encontrava naquela altura.

José Manuel Espírito Santo podia, tendo em conta a data em que tudo aconteceu, “questionar-se e saber de onde é que poderia vir aquele dinheiro”, sustenta o MP.

PUBLICIDADE

  ZAP //

4 Comments

  1. Foi até dar o berro, este com a idade que tem e como começou tinha por dever ter mais juízo, possivelmente foram efeitos da liberdade!.

  2. Mais um que anda solto, quanto mais se rouba mais tempo tens para viver em liberdade para continuares a fazer os tais “negócios” porque não tenhamos dúvidas que o negócio continua está-lhes na massa do sangue, outro zé ninguém já estava dentro e há muito tempo, mas como foi o “grande gestor” dos dinheiros da populaça, está-se bem.
    O Sobrinho do BESAngola já foi preso? Claro que não, anda a investir na SAD do Sporting CP assim, tem 29,9 desta SAD, como o Ricciardi que cobre, segundo dizem, os buracos de tesouraria e da compra de jogadores do referido clube, como foi o caso do jogador Wendell.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.