Rússia vai reforçar presença naval no Atlântico e Mediterrâneo

Paul A. Vise / Wikimedia

O porta-aviões Kuznetsov, navio-almirante da frota da Rússia no Atlântico norte, em 1991, escoltado pelo contratorpedeiro norte-americano USS Deyo.

O porta-aviões Kuznetsov, navio-almirante da frota da Rússia no Atlântico norte, escoltado pelo contratorpedeiro norte-americano USS Deyo.

Reforçar as posições estratégicas da marinha no Mar Negro e manter uma presença no Atlântico e no Mediterrâneo são as principais orientações da nova “doutrina naval” da Rússia, atualizada devido à “inadmissível expansão” da NATO até às suas fronteiras.

Publicado na página do Kremlin na Internet, o documento foi tornado público alguns meses depois de ter sido definida também uma nova doutrina militar que reagia já ao reforço dos meios da Aliança Atlântica na Europa Central, num contexto de tensões inéditas desde o fim da Guerra Fria entre Moscovo e o Ocidente, devido à crise ucraniana.

A sua vertente naval, com 46 páginas, sublinha igualmente “o caráter inadmissível para a Rússia dos projetos de deslocação de infraestruturas militares da Aliança para as suas fronteiras“.

O texto determina, nomeadamente, o objetivo de “aumentar as infraestruturas” da Frota do Mar Negro na Crimeia, península ucraniana anexada em 2014 pela Rússia.

Ainda para a região do Mar Negro, a nova doutrina prevê “a reconstituição acelerada e completa das posições estratégicas da Rússia, o apoio à paz e à estabilidade”.

O vice-primeiro-ministro, Dmitri Rogozin, salientou “a tónica colocada no Atlântico e no Ártico“.

“A atenção que damos ao Atlântico é justificada pelo alargamento da NATO ao leste“, declarou às agências de notícias russas.

Precisamente no Atlântico, a nova doutrina visa “garantir uma presença militar naval suficiente da Rússia na região”. O mesmo objetivo é traçado para o Mediterrâneo, com um destacamento de meios “de forma permanente”.

Para o Ártico, onde as autoridades russas contam com a produção de hidrocarbonetos, trata-se de “reduzir as ameaças sobre a segurança nacional e garantir a estabilidade estratégica”.

O documento prevê “aumentar as forças da Frota do Norte“.

“Estas alterações mostram que a Rússia presta particular atenção ao reforço do seu potencial naval no Ártico e no Atlântico para combater a NATO”, comentou o especialista militar Alexandre Golts na rádio Ecos de Moscovo.

Mas “sem um reforço decisivo dos meios da Frota, tudo isto não faz sentido”, acrescentou, contudo.

A NATO, que acusa Moscovo de ter enviado soldados para o leste da Ucrânia, decidiu em fevereiro consolidar a defesa do seu flanco oriental, criando uma nova força de 5.000 homens rapidamente mobilizável, batizada como “Ponta de Lança”, e seis centros de comando e de controlo na Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia e Roménia.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. …depois do e.i. aí está o expansionismo soviético… Apesar de embargados por alguns.
    Os ucranianos é que anseiam pela sua integridade territorial nas barbas da Europa.
    Note-se que se desconhece a resposta do constitucional Russo solicitado pelo ex-kgb quanto à “legalidade jurídica” das independências dos ex-estados da “grande rússia” isto, para além das “pontes” abertas e planos secretos pelos revolucionários de caviar do Syriza… Para serem enchotados da união monetária!

  2. Pois que se passeiem por aí e para alimentar tudo isto os russos terão de pagar a fatura e apertar ainda mais o cinto disso não restarão dúvidas, quando estes se aperceberem de que estão a andar como o caranguejo logo aparecerão as contestações, a repressão e as prisões em massa.

  3. “… Crimeia, península ucraniana anexada em 2014 pela Rússia.” diz a notícia. E a história da anexação é esta: Em 1921 a República Socialista Soviética Autónoma da Crimeia foi criada como parte da República Socialista Federativa Soviética da Rússia, que se tornou então parte da União Soviética. Em 1954, para comemorar os 300 anos da integração da Ucrânia no Império Russo, Nikita Khrushchev, ucraniano, transferiu a Crimeia para a Ucrânia, por decreto do Soviete Supremo da União Soviética, como “oferta simbólica”. Em 2014 realizou-se um referendo em que 95,5% dos votos foram a favor da anexação do território à Rússia. Na Crimeia 60% da população é russa e 25% é ucraniana.

RESPONDER

Em Itália, todos os alunos vão passar de ano. Mas serão avaliados

A Itália decidiu que que todos os alunos vão passar de anos, mas que serão avaliados, avançou na segunda-feira o Governo daquele país, que esteve reunido em Conselho de Ministros. "Pensamos em duas opções que possibilitarão …

Redução de 3% na eletricidade para o mercado regulado entra em vigor esta terça-feira

A descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh), ou seja, uma redução de aproximadamente 3% no total da fatura de eletricidade dos consumidores, entra esta terça-feira em …

Em termos económicos estamos pior que "numa situação de guerra", diz Daniel Bessa

“Na recuperação da economia não podemos esperar uma fase ascendente tão rápida. Vamos ter uma recuperação mais lenta", alerta o economista Daniel Bessa. O economista Daniel Bessa considera que a atual situação económica, decorrente da pandemia, …

Escolas não devem reabrir em abril

Esta terça-feira ao início da tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que as escolas vão manter-se fechadas até ao final de abril. Marcelo Rebelo de Sousa esteve reunido, esta terça-feira, com especialistas …

Câmara de Comércio e Governo criam gabinete de apoio às empresas

A Câmara de Comércio e Indústria (CCIP) e o Governo criaram um gabinete de apoio às empresas para esclarecer e facilitar o acesso das companhias às ajudas lançadas pelo executivo. Segundo noticiou a TSF, a estrutura, …

Tragédia continua. Encontrado corpo de sobrinha-neta de John F. Kennedy

O corpo da sobrinha-neta do ex-Presidente norte-americano John F. Kennedy, que estava desaparecida com o filho desde quinta-feira, foi encontrado na segunda-feira, informaram esta terça-feira os meios de comunicação norte-americanos. Maeve Kennedy Townsend McKean, de 40 …

Jornal Económico e A Bola avançam para regime de lay-off

O Jornal Económico e o desportivo A Bola vão avançar para o regime de lay-off devido a quebras significativas nas vendas e publicidade desencadeadas pela pandemia de covid-19, que já fez mais de 300 vítimas …

Moratória nos créditos à habitação não suspende Seguros (e pode ter que os pagar durante mais tempo)

A suspensão dos pagamentos dos empréstimos do Crédito à Habitação, por parte dos clientes bancários que queiram aderir à moratória aprovada pelo Governo, pode não travar os pagamentos dos Seguros de Vida e Multi-riscos que …

Espanha poderá ser o primeiro país na Europa a avançar com rendimento básico universal

A ministra da Economia espanhola assegurou, este domingo, que o Governo está a trabalhar para aplicar o rendimento básico universal, embora não tenha dado ainda uma data concreta. Em declarações ao canal televisivo laSexta, a ministra …

Presidente revela que não está imune e é contra "descompressão" de medidas em abril

O Presidente da República revelou numa entrevista esta terça-feira divulgada pela Antena 1 que já fez um dos novos testes sorológicos para detetar a presença de anticorpos para o novo coronavírus e não está imunizado. "Depois …