Rui Pinto terá espiado Ministério Público e advogados durante dois meses sem ser descoberto

cv (YouTube)

Rui Pinto terá conseguido entrar no sistema informático da Procuradoria Geral da República (PGR) fazer pesquisas e sair sem ser notado durante cerca de dois meses.

Durante esse período de tempo, segundo a acusação do Ministério Público (MP), citada pelo jornal Público, o hacker passeou-se pelo sistema informático da PGR e acedeu às caixas de Correio Electrónico dos magistrados do MP e até extraiu documentos.

No que diz respeito ao acesso às caixas de correio electrónico refere a acusação que, “em data não concretamente apurada, mas seguramente anterior a 20 de outubro de 2018, o arguido, com recurso a uma plataforma de Phishing, obteve conhecimento das credenciais de acesso à caixa de correio electrónico com o endereço de e-mail de Amadeu Guerra, na altura director do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), bem como das caixas de correio utilizadas na PGR”.

O alegado pirata informático fez um total de 307 acessos entre novembro de 2018 e janeiro de 2019. As autoridades não conseguiram explicar como é que Rui Pinto conseguiu as credenciais que lhe deram o acesso.

“Primeiramente, utilizou um procedimento capaz de obter credenciais de acesso ao sistema informático da PGR, sem provocar qualquer tipo de alerta para o utilizador”, lê-se na acusação, que revela ainda o facto de este acesso ter permitido a Rui Pinto “efectuar um reconhecimento com grau definido de profundidade da infra-estrutura de rede, bem como todos os equipamentos conectados e vulnerabilidades” do sistema.

“O arguido Rui Pinto não só visualizou, como exfiltrou parte da informação que ali encontrou, a qual veio a guardar no seu equipamento digital”, lê-se.

De acordo com a acusação, através deste acesso, o alegado pirata informática entrou também no SIMP, o sistema informático do Ministério Público. Acedeu a pastas do Conselho Superior do Ministério Público e a documentos vários em segredo de justiça e ainda a um ficheiro com o nome completo, número de telefone, correio electrónico e data de nascimento de todos os magistrados do MP. Nessa altura, Rui Pinto acedeu, ainda, sem ser notado aos servidores da Sociedade de Advogados PLMJ.

Na acusação, é relatado que “no dia 26 de outubro de 2018” o arguido enviou para uma das advogadas da PLMJ um email com vírus, cujo o remetente indicava ser da autoridade tributária. Nesse email, ia um ficheiro com a indicação que apenas estaria disponível até dia 1 de novembro de 2018 para descarregar. A advogada suspeitou que fosse um vírus e encaminhou a mensagem par os informáticos da PLMJ.

O informático que tinha acesso remoto ao sistema, “por razões que se desconhecem”, abriu o tal endereço e as suas credenciais de acesso foram capturadas por Rui Pinto, que depois acedeu a mensagens de correio electrónico dos advogados.

Quando foi detido a 16 de Janeiro de 2019, em Budapeste, na Hungria, o alegado pirada tinha na sua posse oito discos rígidos e três telemóveis.

“Com a acusação agora tornada pública e o pedido de manutenção da prisão preventiva, confirma-se a vontade do Ministério Público de silenciar e destruir Rui Pinto, evitando que prossiga a colaboração que vinha mantendo com as autoridades de investigação de outros países”, refere o advogado Francisco Teixeira da Mota em comunicado, acrescentando que “a equipa constituída pelo Ministério Púbico para investigar a criminalidade no mundo do futebol parece estar mais dedicada a perseguir aqueles que a denunciam do que a investigar aqueles que a praticam”.

“A defesa de Rui Pinto lamenta que o Ministério Público, ao mesmo tempo que consegue evitar que a SAD de um clube de futebol seja pronunciada, consegue ‘descobrir’ 147 crimes contra o seu constituinte e enquanto em Espanha a Doyen é objeto de processos fiscais e criminais, em Portugal goza do beneplácito das autoridades de investigação” lê-se no comunicado. “Por último, acrescenta-se que a acusação deduzida contra Rui Pinto contém numerosas falsidades, nulidades e ilegalidades a que a defesa irá reagir no processo no seu devido tempo.”

Rui Pinto foi detido por suspeitas de acessos ilegítimo, violação de segredo, ofensa à pessoa coletiva e extorsão na forma tentada.

Com o hacker, veio também para Portugal todo o material informático apreendido no âmbito do processo, na Hungria: computadores, discos externos e telemóveis. As autoridades francesas chegaram a fazer uma cópia destes discos rígidos por receio de que fossem destruídos, em Portugal.

Em julho passado, a ex-eurodeputada Ana Gomes, que tem sido uma das maiores apoiantes de Rui Pinto, insistiu que “por várias vezes, e até por escrito, Rui Pinto manifestou-se interessado em colaborar com a justiça portuguesa“, mas que “as autoridades apenas querem encarniçar-se contra ele ou querem a sua cooperação na medida em que Rui Pinto possa dar mais dados para se incriminar”.

Os defensores de Rui Pinto aplaudem o seu papel no caso da FootballLeaks e consideram-no, não um hacker, mas um “denunciante” (whistleblower), criticando a justiça portuguesa por o ter detido e manter preso.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A este ritmo este “Mestre” em informática, está a encostar o Sócrates e o Salgado a um canto, no que diz respeito a notoriedade promovida pela C.S !…… Estes “Pintos” são realmente uns ARTISTAS !

RESPONDER

CGTP volta à rua com concentrações nos distritos e greves e plenários nas empresas

A CGTP vai voltar à rua pela valorização dos salários e do emprego e o respeito pelos direitos individuais e coletivos. A CGTP volta à rua com uma Jornada Nacional de Luta descentralizada para exigir melhores …

27 reúnem-se numa videocimeira para discutir restrições e a aceleração do processo de vacinação

Esta quinta-feira, os 27 reúnem-se virtualmente, numa cimeira coordenada, a partir de Bruxelas, pelo presidente do Conselho Europeu Charles Michel.  Segundo apurou a TSF, na videocimeira desta quinta-feira, os governos deverão reconhecer que a situação epidemiológica …

Em risco de perder a imunidade, Puigdemont fala em "pressão espanhola"

Carles Puigdemont, Toni Comín e Clara Ponsati estão em risco de perder imunidade. O ex-presidente do governo da Catalunha fala em "pressão espanhola" no Parlamento Europeu. O levantamento da imunidade de Carles Puigdemont e de dois …

Plano de desconfinamento a circular nas redes sociais é falso. Governo faz denúncia ao Ministério Público

Esta quinta-feira, começou a circular nas redes sociais um alegado plano de desconfinamento que teria início já no mês de março. O Governo já veio avisar que o documento é falso e vai fazer uma …

Carlos Carreiras diz que "Passos Coelho não é passado, é presente"

O presidente da Câmara de Cascais voltou a criticar a liderança do líder do PSD e, em sentido contrário, deixou rasgados elogios ao seu antecessor. Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Carlos Carreiras …

PSP diz que jovem que se gabou de violação no Instagram pode ter "fantasiado"

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu afirma que "tudo leva a crer" que o jovem que assumiu, em direto no Instagram, ter violado uma rapariga estivesse a fantasiar. A PSP de Viseu identificou o …

Termina hoje o prazo para validar faturas para apresentar no IRS

Os contribuintes têm até esta quinta-feira para validar e verificar as faturas de 2020 no Portal e-fatura e que vão servir de base no cálculo das deduções no IRS. Há já vários anos que as deduções …

“Foi torturada”. Princesa Latifa escreve carta à polícia a pedir que investigue desaparecimento da irmã

Latifa escreveu à polícia britânica em 2019. O caso da sua irmã Shamsa, raptada em Inglaterra há mais de vinte anos, tem muitas semelhanças com o drama agora vivido pela princesa. A princesa Latifa, filha do …

Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP). Até agora, o …

24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde. Na nota …