Roupas de nanotubos de carbono podem ser usadas como bateria

Engenheiros da Universidade de Cincinnati, nos EUA, em parceria com a Base Aérea de Wright-Patterson, estão a desenvolver uma roupa que pode ser usada como bateria, sendo assim capaz de carregar outros dispositivos elétricos.  

O tecido das roupas é feito a partir de nanotubos de carbono, que são materiais com excelentes propriedades de condução térmica resistência ao calor.

O Nanoworld Laboratories da Universidade de Cincinnati tem um acordo de pesquisa com o laboratório da Base Aérea Wright-Patterson. Graças às tecnologias de ponta da Força Aérea americana, os cientistas são capazes de criar materiais inteligentes para aprimorar as aplicações de tecnologia militar.

E, no centro destas aplicações, estão os nanotubos de carbono. De acordo com os cientistas, no futuro, será possível substituir o cobre dos carros e dos aviões, de forma a diminui o peso dos veículos e melhorar a eficiência do combustível.

Os nanotubos de carbono poderão também ser utilizados para filtrar as nossas águas e para nos dar mais informação sobre as nossas vidas e corpos, através de sensores biométricos. Além disso, estes materiais devem também substituir o poliéster e outras fibras sintéticas.

Os nanotubos de carbono são os objetos mais negros encontrados na Terra, absorvendo cerca de 99,9% de toda a luz visível.

Roupas “carregadoras” de energia

O laboratório da universidade Cincinnati orienta trabalhos científicos de 30 estudantes universitários. Uma das pesquisas, publicada na revista Materials Research no dia 20 de junho, estudou as formas de melhorar a resistência à tração da fibra de nanotubos de carbono.

De forma a “cultivar” os fios de nanotubo, os cientistas utilizam uma câmara de vácuo e um processo chamado de deposição química em fase vapor. Qualquer fonte com carbono pode ser utilizada para criar os nanotubos, do álcool até ao metano. Cada “semente” de carbono pode também ser manipulada para ter o tamanho desejado.

As pequenas folhas de carbono resultantes tornam-se num fio que se parece com uma sede produzida por uma aranha. “É exatamente como um tecido”, disse Vesselin Shanov, um dos diretores do laboratório.

“Podemos usá-los em aplicações que vão desde os sensores para rastrear metais pesados na água até dispositivos de armazenamento de energia, incluindo super-condensadores e baterias”, explicou o investigador.

Para os militares, estas aplicações poderiam significar o fim das baterias pesadas necessárias para o grande número de eletrónicos que compõem o seu equipamento, incluindo luzes, visão noturna e dispositivos de comunicação.

“Um terço do peso que os soldados carregam são baterias utilizadas para alimentar todos os seus equipamentos”, disse Mark Haase, um dos estudantes envolvidos na pesquisa. “Então, mesmo que nos possamos livrar de apenas um pouco deste peso, será uma grande vantagem para os soldados no campo”.

Por agora, os cientista querem verificar que os nanotubos de carbono não são tóxicos. Estudos anteriores apontaram que, em grande exposições, os nanotubos podiam causar danos nos pulmões semelhantes aos causados pelo amianto. Além disso, os custos de produção de produtos a partir de nanotubos são ainda muito elevados.

“Estamos a trabalhar com clientes que se preocupam mais com desempenho do que com custo. Mas, uma vez que aperfeiçoarmos a síntese, a escala aumentará consideravelmente e os custos devem também cair”, explicou Haase.

Só quando as máquinas têxteis de grande escala forem capazes de gerar quilómetros de fios de nanotubo de carbono, é que será possível perceber se o material se pode espalhar para outras aplicações.

Avatar ZAP // HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …