Roubou 50 dólares e foi condenado a perpétua. Agora, 36 anos depois, foi libertado

Beth Shelburne / Twitter

Alvin Kennard no tribunal do Alabama onde foi a sua audiência

Alvin Kennard foi condenado a uma pena de prisão perpétua quando tinha 22 anos, por ter roubado de cerca de 50 dólares (45 euros) de uma padaria, num assalto que não fez vítimas. Agora, aos 58, a sua pena foi revista por um tribunal do Alabama, nos Estados Unidos (EUA), e irá sair em liberdade.

Perante o juiz, o norte-americano pediu desculpa pelos seus crimes: “Aceito a responsabilidade pelo que fiz no passado. Quero uma oportunidade para corrigir as coisas”, noticiou o Observador esta sexta-feira. Antes disso, Alvin Kennard tinha sido condenado por outro roubo a uma estação de serviço, que estava totalmente vazia.

Em causa está uma antiga lei do estado do Alabama (EUA), entretanto revista, conhecida por three strikes law em que, após três condenações, uma quarta condenação resultaria em prisão perpétua, sem possibilidade de saída antecipada, explicou o Guardian.

No caso de Alvin Kennard, o norte-americano declarou-se culpado de três crimes relacionados com o assalto à estação de serviço vazia, quando tinha 18 anos, e foi condenado a três anos de pena suspensa. Durante esse período foi condenado por um quarto crime – o do assalto à padaria, levado a cabo com uma faca, mas sem causar feridos -, que resultou na condenação a prisão perpétua.

Na quarta-feira, Alvin Kennard teve uma audiência para revisão de pena, onde teve de comparecer algemado. A defesa reforçou que, ao longo destas mais de três décadas, este teve um “comportamento exemplar” na prisão, que não recebe nenhuma ação disciplinar há mais de 14 anos e que é bem visto pelos guardas, segundo contou o site local AL.

A advogada Carla Crowder afirmou que o condenado foi “verdadeiramente reabilitado”, reforçou que tem apoio familiar e pediu a sua libertação imediata. Ainda segundo o mesmo site, o procurador afirmou não se opor à alteração de pena. “Mas deixem-me ser claro: isto não é por causa de 50 dólares”, acrescentou o procurador Lane Tolbert.

O juiz David Carpenter decidiu, assim, aceder ao pedido da defesa e alterou a condenação de Alvin Kennard de prisão perpétua para os 36 anos de prisão que já cumpriu. O condenado, que tem trabalhado como carpinteiro na prisão, declarou ao juiz que tenciona seguir essa profissão em liberdade.

A decisão foi recebida em tribunal com aplausos e gritos de alegria de familiares e amigos de Alvin Kennard, contou o Washington Post. “Lancei as minhas mãos ao alto e disse ‘Deus, obrigada, obrigada'”, contou a sua sobrinha Patricia Jones à rádio WBRC.

Carla Crowder referiu que o seu cliente ficou “assoberbado” com a decisão. “Aquilo que é extraordinário sobre o senhor Kennard é que, mesmo quando pensava que ia ficar na prisão para o resto da vida, mudou a sua vida”, disse. “Está assoberbado com esta oportunidade, mas mantém-se próximo da sua família, portanto tem um apoio incrível”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O quêêê?… Prisão perpétua por roubar uma estação de serviço e 50 dólares de uma padaria, sem causar um ferido?!.. E ainda há dúvidas de que dentro do mundo moderno ocidental, os EUA são o império do mal?…

  2. Pois… está certo. Foi lhe dado 3 oportunidades para acertar o passo. Como desperdiçou-as todas, a lei foi comprida. À 3ª perpétua.

RESPONDER

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …