Robôs “burros” trabalham em conjunto para realizar tarefas complexas

Uma nova pesquisa mostra que, ao mesmo tempo que aumentam as interações magnéticas, um enxame de robôs dispersos, chamados BOBbots, pode reunir-se em aglomerados compactos para realizar tarefas complexas.

Fazer com que um enxame de robôs trabalhe coletivamente pode ser desafiante, a menos que os investigadores consigam articular cuidadosamente as suas interações através do uso de componentes e algoritmos cada vez mais sofisticados.

Nesta experiência, os investigadores quiseram mostrar que mesmo o mais simples dos robôs pode realizar tarefas muito além da sua capacidade pré-definida.

O objetivo de realizar essas tarefas mais complexas excedeu as expectativas da equipa, e os investigadores revelaram ser capazes de remover todos os sensores, comunicação, memória e computação do dispositivo, aproveitamento as características físicas dos robôs.

Os BOBbots da equipa, ou “bots que se comportam, organizam e agitam”, que foram assim chamados em homenagem ao pioneiro da física granular Bob Behringer, são “tão burros quanto podem ser”, explica Dana Randall, professora de computação do Georgia Institute of Technology.

“O seu chassis cilíndrico tem escovas vibratórias que fazem com que passem mais tempo em zonas com mais vizinhos”, revela a especialista.

A plataforma experimental foi complementada por simulações computacionais precisas, conduzidas pelo aluno de física Shengkai Li, como forma de estudar aspetos do sistema que seriam inconvenientes de estudar em laboratório.

Apesar da simplicidade dos BOBbots, os investigadores descobriram que, conforme os robôs se movem e se encontram, “formam-se agregados compactos que são capazes de limpar coletivamente detritos pesados ​​demais para serem movidos por um só”, refere Daniel Goldman, professor de física.

“Enquanto a maioria das pessoas constrói robôs cada vez mais complexos e caros para garantir a coordenação, queríamos ver que tarefas complexas poderiam ser realizadas com robôs muito simples”, observa.

O trabalho foi inspirado num modelo teórico de partículas que se movem num tabuleiro de xadrez, adianta o Futurity.

Uma abstração teórica, conhecida como sistema de partículas auto-organizadas, foi desenvolvida para estudar rigorosamente um modelo matemático dos BOBbots.

Através do uso de ideias da teoria da probabilidade, física estatística e algoritmos estocásticos, os especialistas foram capazes de provar que o modelo teórico passa por uma mudança de fase à medida que as interações magnéticas aumentam.

“A análise rigorosa não apenas mostrou como construir os BOBbots, como também revelou uma robustez inerente do nosso algoritmo que permitiu que alguns dos robôs apresentassem falhas ou fossem imprevisíveis”, explica Randall.

O estudo foi publicado na revista Science Advances a 23 de abril.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …