Robert De Niro e James Franco acusados de assédio

Rhododendrites / Wikimedia

O ator Robert de Niro

Robert De Niro é acusado de abuso verbal, comportamento inadequado e discriminação de género por uma ex-funcionária. James Franco é acusado de se ter aproveitado sexualmente de duas estudantes da sua escola de representação.

Uma ex-funcionária acusou Robert De Niro de abuso verbal, comportamento inadequado e discriminação de género num processo judicial acionado pela empresa do ator por ter gasto centenas de milhares de dólares com um cartão de crédito da empresa.

A mulher, Graham Chase Robinson, diz que De Niro a submeteu a “contactos físicos indesejados”, que repetidamente lhe fez comentários ofensivos e que foi forçada a assumir tarefas domésticas que não eram pedidas a funcionários do sexo masculino.

Entre outras coisas, a ex-funcionária diz que o ator a fez coçar as suas costas, apertar as camisas ou lavar a roupa. De acordo com o processo, que decorre num tribunal federal de Nova Iorque, Robinson disse ainda que a estrela de Hollywood lhe pagava menos do que aos seus colegas, apesar de ter maiores responsabilidades. Robinson pede para ser compensada com pelo menos 11 milhões de euros por salários e danos perdidos.

O processo surge depois de a empresa do ator, a Canal Productions, ter acusado a ex-funcionária de ter gasto dinheiro da empresa com despesas pessoais e de passar muito do seu tempo a assistir a séries de televisão.

A empresa alegou que, por exemplo, Robinson usou o cartão de crédito para pagar cerca de onze mil euros em restaurantes e 29 mil euros em viagens de táxi e Uber.

A Canal Productions pede 5,5 milhões de euros de indemnização e descreveu a mulher como uma funcionária que usou a confiança que detinha para se aproveitar em beneficio pessoal.

No caso do ator James Franco, duas estudantes das aulas de representação da sua escola acusaram-no de se ter aproveitado delas sexualmente. A ação foi interposta no tribunal de Los Angeles por Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal.

Tither-Kaplan foi uma das cinco mulheres que denunciaram o ator por suposta má conduta sexual, num artigo publicado em janeiro de 2018 pelo Los Angeles Times.

As duas mulheres garantem que James Franco e os seus parceiros no Studio 4 “desenvolvem um comportamento inapropriado com os alunos”.

Tither-Kaplan e Gaal inscreveram-se no Studio 4 em 2014 e garantem que as aulas incluíam lições sobre cenas de sexo que consistiam em “simulações de atos sexuais que iam muito além dos padrões da indústria”.

Sarah Tither-Kaplan, como já tinha declarado no artigo do Los Angeles Times, especificou no processo a alegada filmagem de uma orgia na qual Franco simulava praticar sexo oral.

No processo é exigida uma compensação pelos danos e o retorno ou destruição de qualquer gravação feita no Studio 4.

A polémica em torno de Franco começou nos Globo de Ouro de 2018, onde este recebeu o prémio de melhor ator na comédia ‘O artista do desastre’ (2017) e em cujo tapete vermelho desfilou com um alfinete do Time’s Up (movimento contra o assédio sexual).

Durante a cerimónia, várias atrizes acusaram o ator de ser hipócrita por usar um desses crachás, apontando-o como responsável por episódios de abuso sexual no passado.

Alguns dias depois, Franco respondeu a essas acusações numa entrevista com Stephen Colbert, no programa noturno The Late Show.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Desagravou-se a seca no país, mas Algarve mantém seca extrema

24,5% do continente estava em seca fraca, 23,8% em chuva fraca, 23,3% em seca moderada e 10,9% em seca severa. Sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema. Portugal continental registou em novembro um desagravamento da …

Procurador do MP investigado por ajudar traficante a fugir da prisão

Carlos Figueira, procurador do Ministério Público de Lisboa, está a ser investigado pela Polícia Judiciária por corrupção. O magistrado é suspeito de ter ajudado um traficante a fugir da prisão. Um procurador do Tribunal de Execução …

Refugiados em greve de fome por falta de condições em campo bósnio

Centenas de refugiados de um campo improvisado em Vucjak, na Bósnia, estão em greve de fome pelo segundo dia consecutivo para protestar contra a situação degradante em que se encontram. Os refugiados no campo improvisado …

Ex-aliada de Bolsonaro denuncia grupo difusor de notícias falsas ligado ao Presidente

A deputada brasileira Joice Hasselmann, ex-líder do Governo de Jair Bolsonaro no congresso, denunciou na quarta-feira a atuação de um grupo difusor de "fake news" (notícias falsas) ligado ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, e que …

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …