Rio diz que qualquer acordo com o PS “terá de ser por escrito”

Carlos Barroso / Lusa

O líder do PSD, Rui Rio

O líder do PSD reconhece que a função de deputado não o entusiasma, mas promete que vai assumir o cargo. Em entrevista à Lusa, Rio diz ainda que qualquer eventual acordo com o PS depois das legislativas deve ser por escrito.

Questionado se irá cumprir o mandato de deputado até ao fim, Rui Rio não se compromete. “Isso vai depender naturalmente daquilo que for o futuro do PSD e de eu próprio no PSD, poderei ficar ou não ficar de uma forma ou de outra”, afirma.

Não tenho particular entusiasmo em ser deputado, não tenho. Fui deputado dez anos numa altura em que o Parlamento tinha um nível qualitativo inferior ao que tinha tido antes, mas muito superior àquilo que tem hoje. Se mesmo quando eu saí, já achava que o Parlamento se estava a degradar e não entusiasmava assim tanto, entretanto ainda se degradou mais, não é função que me entusiasme completamente”, afirmou.

Ainda assim, Rio irá assumir o mandato — é número dois pelo Porto —, mas garante que não faria o que vê muitos fazer, no seu partido e em outros, que é “até chorarem para serem deputados”.

O líder do PSD rejeita que possa tomar uma decisão a quente na noite das eleições sobre o seu futuro político — “não tenho 30 e tal anos nem 40” —, se os resultados forem dentro de “padrões de normalidade”.

“Se o PSD tivesse 10% também não era a quente, era a frio. Se tivesse 50% também não há decisão nenhuma a tomar, dentro do que são os padrões de normalidade logo se vê”, afirmou, em tom irónico.

Rio rejeita que não haja sinais de abertura na lista de deputados e, sem ter as contas feitas, admitiu que talvez metade dos cabeças-de-lista que escolheu não tenha sido sempre a seu favor, “entre os que estiveram com o Santana Lopes ou que no ‘golpe de Estado’ de janeiro mudaram de lado”.

Esse “golpe” refere-se ao desafio lançado por Luís Montenegro para que Rio convocasse eleições diretas antecipadas, e que o líder classifica como “uma ação de desespero, tendo em vista condicionar as listas das europeias e as outras”.

Na campanha, não sabe se terá Montenegro a seu lado, e garante ainda não ter feito convites a ex-líderes para esse período. “Não sei com quem é que vou estar ao lado, sou candidato pelo Porto, vou fazer a volta nacional, mas a minha obrigação é fazer um bocadinho mais no Porto”, refere.

Acordo com PS? Só “por escrito”

O presidente do PSD considera que as maiorias absolutas não facilitam as reformas estruturais alargadas. Rio defende que existem quatro reformas estruturais para o país que devem ser feitas por acordo alargado: sistema político; segurança social; descentralização e justiça.

“Pelo menos estas quatro requerem maiorias alargadas que não têm de ser necessariamente em votos, podem ser em conforto político”, afirma, explicando que são o tipo de reformas que não podem ser invertidas quando o Governo muda.

Questionado se uma eventual maioria absoluta pode facilitar essas reformas, o líder do PSD responde negativamente. “Ao contrário do que possa parecer, para reformas estruturais, acho que as maiorias absolutas não são positivas, não são facilitadoras de reformas estruturais alargadas”, elabora.

Qualquer acordo sobre reformas que possam vir a ser feitas com um Governo PS, ou “seja com que partido for”, teria de ser “por escrito”, diz Rio.

Para o líder do PSD, que nos últimos tempos tem endurecido o tom de crítica ao Governo, há ainda tempo para inverter a tendência eleitoral, que aponta para uma vitória folgada do partido no poder.

“Tenho consciência de que o PS vai à frente”, reconhece. Com “os pés assentes na terra”, acredita que os 30 dias que faltam até às eleições “são mais do que suficientes para inverter [essa tendência]”.

“A margem de indecisos, mas indecisos sinceros, pessoas que querem votar, mas não sabem mesmo como [porque] do Governo não gostam, olham para a oposição e ainda não sentiram que se tivesse afirmado”.

O líder do PSD não ficou desiludido com o primeiro-ministro António Costa, mas esperava que tivesse tido “mais ousadia para reformar e para melhorar” o país.

Questionado sobre como fará para marcar as posições entre PSD e PS perante um eleitor do centro, que diz ser aquele que disputa com este último partido, Rio declara que será com duas diferenças fundamentais: “uma relativamente à governação em concreto, que tem diferenças”, embora não “gigantescas”, mas “claras”, e a outra “com a postura e com a forma de ser”.

Regionalização só se não aumentar despesa

Rui Rio deseja que possa haver uma pergunta a referendo que lhe permita votar “sim” à regionalização, ao contrário de 1998.

Questionado sobre se é possível avançar já para a regionalização, defende que esse passo terá sempre de ser dado “por referendo”, mas não concretiza se entende haver condições para esta consulta na próxima legislatura.

Por outro lado, essa regionalização — que definiu mais como a criação de “autarquias grandes” do que “pequenos governos” — não pode significar mais despesa pública.

“No fim, temos de ter uma melhor governação e menos despesa pública. Eu não voto a favor de nenhum referendo pela descentralização se tal implicar mais despesa pública. Não voto, isso é sagrado”, frisa.

Este sábado, o primeiro-ministro afirmou-se “perplexo com o TGV tirado da cartola” por Rui Rio, acusando o presidente do PSD de “inconstância permanente de posições”.

Fiquei profundamente perplexo como é que um partido com o grau de responsabilidade e que pretende ser alternativa de Governo se comporta com esta ligeireza relativamente a investimentos que são de milhares de milhões de euros”, acrescentou.

Rio relembrou então que o PSD não fala no seu programa eleitoral na execução do TGV, mas no estudo de uma ligação mais rápida entre Porto e Lisboa, concluindo que Costa “deixou-se levar pelas notícias”.

“A notícia foi manifestamente exagerada. O doutor António Costa provavelmente ouviu a notícia, acreditou nela, ele já tem experiência que chegue para não acreditar logo nas notícias, mas faz um comentário em cima de um pressuposto que não é exatamente assim”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …