Reuniões entre políticos e peritos voltam segunda-feira no Porto (e com transmissão nas redes sociais)

António Pedro Santos / Lusa

As reuniões sobre a evolução da covid-19 em Portugal que juntam peritos, políticos e parceiros sociais vão ser retomadas na segunda-feira, desta vez no Porto e agora com transmissão aberta das intervenções iniciais dos técnicos.

Segundo o Governo, a reunião terá lugar no auditório da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, a partir das 15:00, juntando novamente o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro, António Costa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, líderes partidários, patronais e sindicais.

A sessão de segunda-feira, de acordo com fonte do executivo, “será importante” para acertar as medidas a adotar a partir de 15 deste mês, quando o país, de forma preventiva, entrar em estado de contingência.

Na primeira parte da reunião no Porto, os especialistas farão o ponto da situação epidemiológica em Portugal, seguindo-se uma atualização sobre o inquérito serológico. Depois, estão na agenda o estudo “Caso controlo”, o ponto da situação sobre a investigação científica para a descoberta de vacinas contra a covid-19, a aplicação “Stay away covid” para telemóveis e o regresso às aulas.

Estas reuniões, que surgiram por iniciativa do primeiro-ministro, com um objetivo de partilha de informação, começaram no dia 24 de março e decorreram até 08 de julho, em dez sessões no auditório do Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos da Saúde, em Lisboa, inicialmente semanais e depois de periodicidade quinzenal.

Depois de cerca de dois meses sem nenhuma reunião, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou no dia 27 de agosto que estas sessões com peritos e políticos iriam ser retomadas, com uma novidade: “Terão uma parte, a parte expositiva, que será de transmissão aberta e essa é a principal diferença que as reuniões terão face ao passado”. Fonte do executivo adiantou à agência Lusa que esta transmissão será feita através das contas do Governo nas redes sociais.

O regresso às reuniões

No início de julho, em entrevista ao Porto Canal, o presidente do PSD, Rui Rio, disse que as reuniões no Infarmed começavam “a ter pouca utilidade”, e mais tarde defendeu que deveriam continuar, mas com menos frequência e “mais objetivas e mais curtas”.

Já depois das críticas de Rui Rio, no final da décima reunião sobre a covid-19 no Infarmed, em Lisboa, no dia 08 de julho o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, declarou perante a comunicação social: “Terminamos hoje uma experiência de vários meses, iniciada no final de março em pleno estado de emergência”.

Sem querer “fazer profecias sobre o que será necessário em termos de futuros encontros como este”, o chefe de Estado fez um balanço destas dez sessões, afirmando que a sua realização periódica foi “muito importante” e representou “o máximo da transparência”

Marcelo sustentou que “o modelo pensado” para março, quando Portugal adotou as primeiras medidas de combate à covid-19, “precisava de ser descontinuado, fechando um ciclo e naturalmente ponderando, em tempo oportuno, a abertura de outro ciclo”.

Neste mesmo dia, após uma reunião com a presidente da Câmara Municipal da Amadora, o primeiro-ministro negou, contudo, o fim destas reuniões, contrapondo que apenas não tinha ficado definida uma data para a próxima sessão, que só deveria decorrer quando estiverem prontos dois estudos em curso sobre a covid-19 em Portugal.

“Sempre que se justificar haverá novas reuniões”, disse.

O formato das anteriores sessões, realizadas no Infarmed, em Lisboa, consistiu numa primeira parte com apresentações técnicas e uma segunda fase de perguntas dos políticos e dirigentes patronais e sindicais. Nestas reuniões participaram também, por videoconferência, os conselheiros de Estado. No final das sessões, tornou-se habitual o chefe de Estado fazer uma síntese das conclusões aos jornalistas, tendo ao seu lado o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República. Os representantes dos nove partidos com assento parlamentar falavam em seguida.

A pandemia de covid-19, doença provocada por um novo coronavírus detetado em dezembro do ano passado no centro da China, atingiu 196 países e territórios e já infetou mais de 26 milhões de pessoas e fez mais de 800 mil mortos a nível global, segundo a agência de notícias francesa AFP.

Em Portugal, os primeiros casos foram confirmados no dia 02 de março e até agora mais de 1800 pessoas morreram, num total de perto de 60 mil contabilizadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …

A Alemanha quer tornar o teletrabalho um direito legal

O Governo alemão prepara-se para publicar um projeto de lei que dará aos trabalhadores do país o direito legar de trabalhar a partir de casa. A medida aplicar-se-á a todos as atividades laborais que possam …

Novo surto em lar de Beja e 90 alunos em isolamento em Famalicão

Um surto de covid-19 identificado no Lar de Idosos do Centro Paroquial e Social do Salvador, em Beja, já infetou 31 pessoas, sendo 24 utentes e sete funcionários, divulgou a Unidade Local de Saúde do …