Novo estudo diz que Remdesivir não tem “impacto significativo” nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional.

Em maio, a Food and Drug Administration autorizou o uso condicional do remdesivir, desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Gilead, para o tratamento de covid-19, depois de um estudo ter sugerido que o medicamento reduzia o tempo de internamento hospitalar de infetados com o vírus.

Desde agosto que nos EUA o medicamento tem então sido usado em todos os pacientes hospitalizados com covid-19, e não apenas para os que se encontram dependentes de ventiladores para respirar. Milhares de infetados norte-americanos receberam o tratamento, incluindo o presidente Donald Trump.

Contudo, um novo estudo, no qual a Organização Mundial da Saúde contribuiu, sugere que o remdesivir não reduz o risco dos infetados com o novo coronavírus morrerem.

O estudo publicado a 15 de outubro no medRxiv, ainda não foi revisto por pares, mas incluiu mais de 11.200 pessoas de 30 países diferentes.

De acordo com o LiveScience, do grupo de pacientes que participaram no estudo, cerca de 4100 serviram como grupo de comparação e não receberam nenhum tratamento com medicamentos. Os medicamentos administrados aos pacientes do outro grupo incluíam remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e uma molécula chamada Interferon-β1a.

Numa última análise, os resultados do estudo sugerem que nenhum medicamento reduziu significativamente as mortes entre os pacientes, em comparação com o grupo que não os tomou. Para além disso, os medicamentos não reduziram a possibilidade de os pacientes recorrerem a um ventilador para respirar.

“As descobertas gerais pouco promissoras dos medicamentos testados são suficientes para refutar as esperanças iniciais de que os medicamentos reduziriam a mortalidade entre os pacientes com covid-19″, escreveram os autores do estudo. Estudos anteriores já adiantavam que a hidroxicloroquina e o lopinavir não reduziam a mortalidade nos doentes infetados.

O novo estudo indica que “remdesivir não produz nenhum impacto significativo na sobrevivência”, refere Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia da Universidade de Oxford.

No entanto, Peter Chin-Hong, especialista em doenças infeciosas da Universidade da Califórnia, em San Francisco, disse ao jornal norte-americano The New York Times que os resultados do teste podem ser um pouco duvidosos.

Os participantes do estudo foram tratados em 405 hospitais diferentes, sendo que cada um tem os seus próprios protocolos de tratamento. Para além disso, o remdesivir ainda pode oferecer benefícios aos pacientes se administrado no início da doença, mas isso não foi abordado especificamente neste novo estudo, sublinhou Maricar Malinis, médico de doenças infeciosas da Universidade de Yale, ao Times.

Landray lembra que mesmo que o remdesivir ajude alguns pacientes com covid-19, ainda é caro e difícil de administrar. “Este é um medicamento que deve ser administrado por infusão intravenosa durante 5 a 10 dias”, acrescentando que custa cerca de 2550 de dólares (perto de 2155 euros) por tratamento.

“A covid-19 afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Precisamos de tratamentos acessíveis e equitativos”, defende Landray.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …

Mundial de Futsal. Portugal esmaga as Ilhas Salomão por 7-0 e tem um pé nos oitavos

Portugal lidera o grupo C e pode garantir o apuramento caso Marrocos não perca contra a Tailândia. A seleção portuguesa de futsal, campeã europeia em título, somou hoje o segundo triunfo em dois jogos no grupo …

"Dezenas de pessoas" da comitiva de Putin infetadas com covid-19

O Presidente russo, Vladimir Putin, informou que dezenas de pessoas da sua comitiva testaram positivo para o coronavírus, doença que afetou mais de 7 milhões de habitantes no país. Putin entrou em isolamento no início desta …

Uber investe 90 milhões em novo ‘hub’ e sede em Lisboa e espera contratar mais 200 pessoas

A Uber está a investir 90 milhões de euros num novo ‘hub’ e sede de operações em Lisboa, hoje inaugurados, criando mais de 400 empregos diretos e pretendendo contratar mais 200 pessoas até final do …

Máscara nos espaços fechados e eventual terceira dose em massa - as conclusões da reunião no Infarmed

Terminou há momentos a reunião do governo com especialistas no Infarmed sobre o balanço da evolução da pandemia e as recomendações das medidas que devem ser adoptadas nesta nova fase. A reunião começou com as …

"Cruzeiro espacial" da SpaceX com quatro civis já está em órbita

Voo espacial terá a duração de três dias e cada um do seus tripulantes (quatro civis) terá uma tarefa na missão. Ainda assim, viagem tem um objetivo nobre e social. Passo a passo, Elon Musk parece …

Líder do PAN faz queixa no Ministério Público depois de ser ameaçada de morte

A deputada mostrou no Twitter o tipo de insultos e ameaças que tem recebido e avisa que não se vai calar ou permitir que o desrespeito continue. Inês Sousa Real foi insultada e ameaçada nas redes …

Árbitro foi muito "benévolo" com o FC Porto

O golo de Taremi e a expulsão de Mbemba originaram protestos portugueses. Os espanhóis têm uma visão diferente. O Atlético de Madrid-FC Porto contou com duas boas equipas em campo e uma "que esteve menos bem", …

Buraco na camada de ozono ultrapassa o tamanho da Antártida

A dimensão do buraco na camada de ozono no hemisfério sul ultrapassou o tamanho da Antártida, continente com cerca de 14 milhões de quilómetros quadrados, anunciou hoje o serviço europeu Copernicus, de monitorização da atmosfera. “O …

Políticos e especialistas querem legalizar canábis (com impostos para prevenir o consumo)

Um grupo de 65 personalidades, entre especialistas médicos e ex-ministros, apela à legalização da canábis, considerando que é a melhor forma de prevenir o consumo desta droga, nomeadamente através dos impostos aplicados ao sector. Esta carta …