Feridas, queimaduras e hematomas. Relatório confirma tortura a prisioneiros políticos na Arábia Saudita

USDoD / Wikimedia

O príncipe saudita Mohammed bin Salman

Presos políticos na Arábia Saudita estão a sofrer de desnutrição, cortes, contusões e queimaduras, de acordo com relatos médicos que foram preparados apenas para o governante do país, o rei Salman.

Os relatórios fornecem a primeira evidência documentada de que os presos político estão a enfrentar graves abusos físicos, apesar da negação do governo. O The Guardian foi informado de que os relatórios médicos serão entregues ao rei Salman, juntamente com recomendações que incluem um perdão a todos os prisioneiros ou, pelo menos, libertação antecipada para aqueles com sérios problemas de saúde.

Estas opções são parte de uma revisão interna substancial que teria sido ordenada pelo rei, que aprovou a realização de exames de até 60 prisioneiros, muitos deles mulheres.

Algumas das avaliações chegaram ao jornal britânico, que pediu ao governo saudita que comentasse os relatórios médicos há mais de uma semana. Um porta-voz recusou-se a discutir a questão. As autoridades não questionaram a autenticidade dos relatórios.

O The Guardian escreve que verificou a exatidão e o conteúdo de um dos exames. As condições de outros indivíduos, conforme descrito nos documentos, são consistentes com os relatos que surgiram envolvendo alegações de tortura.

A pressão sobre a Arábia Saudita pela detenção e tratamento de prisioneiros políticos tem crescido nos últimos meses, no meio de alegações de que algumas ativistas foram submetidas a choques elétricos e amarrações em custódia.

Com o reino também sofrendo o impacto do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, o rei Salman teria ordenado uma revisão da decisão de prender e deter cerca de 200 homens e mulheres numa repressão ordenada pelo príncipe herdeiro.

Os homens que terão sido examinados incluem Adel Ahmad Banaemah, Mohammed Saud Al Bisher, Fahad Abdullaziz Al-Sunaidi, Zuhair Kutbi, Abdullaziz Fawzan al-Fawzan e Yasser Abdullah al-Ayyaf. O The Guardian refere que as mulheres incluem Samar Mohammad Badawi, Hatoon Ajwad al-Fassi e Abeer Adbdullatif Al Namankany.

Os exames foram feitos em janeiro e os relatórios médicos, que estão marcados como confidenciais, foram incluídos numa visão geral detalhada que inclui três recomendações gerais ao rei sobre o que fazer. De acordo com os relatórios médicos, os comentários sobre os detidos sugerem que muitos foram gravemente maltratados e têm uma série de problemas de saúde.

Em quase todos os casos, os relatórios exigiam que os prisioneiros fossem urgentemente transferidos do confinamento solitário para um centro médico. As recomendações de alguns conselheiros ao rei incluem o perdão de todos os presos políticos, a libertação de indivíduos presos a partir de 2017 e a libertação de prisioneiros com problemas de saúde.

Em reportagens anteriores, um porta-voz da embaixada saudita em Washington disse que o reino assinou a convenção contra a tortura e proíbe o uso. A Arábia Saudita “toma todas e quaisquer alegações de maus tratos aos réus que aguardam julgamento ou aos prisioneiros que cumprem as suas sentenças muito a sério”.

O The Guardian foi avisado por vários especialistas em direitos humanos de que tentar entrar em contacto com familiares de pessoas detidas representaria sérios riscos para os membros da família que vivem na Arábia Saudita.

A Human Rights Watch pediu que a Arábia Saudita “liberte imediatamente todos os ativistas de direitos humanos e dissidentes pacíficos e convide os monitores internacionais a conduzir uma investigação abrangente e transparente sobre o seu tratamento”.

Um porta-voz acrescentou: “Sauditas, incluindo mulheres ativistas, alegaram que as autoridades maltrataram-nos com crueldade indescritível, incluindo choques elétricos, chicotadas e assédio sexual, e novas revelações de relatórios médicos parecem confirmar o que disseram há meses”.

Um ativista dos direitos humanos disse que as descrições contidas nos relatórios, incluindo que os indivíduos estavam detidos em confinamento solitário, eram consistentes com evidências que recolhidas por ativistas. O ativista disse que as prisioneiras foram eletrocutadas, amarradas a cadeiras e espancadas nas coxas, costas e nádegas.

Justin Shilad, um investigador associado do Médio Oriente no Comité para a Proteção dos Jornalistas, disse que o caso de Fahd al-Sunaidi, um jornalista, mostrou a extensão e o alcance da repressão ordenada pelo príncipe herdeiro.

“O fato de ele estar em detenção por nenhuma razão discernível, o facto de não ser conhecido como uma figura controversa, demonstra a repressão de Salman à liberdade de imprensa, ao jornalismo independente ou a qualquer comentário que tenha uma natureza crítica ou independente ”, disse. “O nível de medo, intimidação e silenciamento de informações está além do que vemos nas zonas de guerra na região onde o Estado Islâmico opera”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …

China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as …

Ângelo Rodrigues, Flamengo e Tinder. Os temas mais procurados pelos portugueses no Google

Ângelo Rodrigues, Flamengo, como saber onde votar, como funciona o Tinder e "Game of Thrones" estão entre os tópicos que os utilizadores portugueses do Google mais pesquisaram ao longo de 2019. Os dados são divulgados …