Relatório sobre Novo Banco conclui que supervisão “falhou em toda a linha”

O deputado responsável pelo relatório da comissão de inquérito ao Novo Banco concluiu, esta terça-feira, que “a supervisão falhou em toda a linha” no período prévio à resolução do BES, uma ideia que considera ser “quase um consenso”.

Fernando Anastácio está esta terça-feira a apresentar a versão preliminar do relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

“Este relatório é marcado, numa primeira fase, por uma análise daquilo que foi a atuação do supervisor ao longo do período prévio à resolução do BES”, começou por explicar o deputado relator, considerando que o denominado relatório Costa Pinto “foi uma peça essencial dos trabalhos desta comissão”.

Segundo o socialista, o relatório Costa Pinto, “conjuntamente com os depoimentos” que decorreram nas 56 audições da comissão de inquérito, identificaram “um conjunto de circunstâncias e de momentos” que permitem retirar uma conclusão.

“Que a supervisão falhou em toda a linha é quase um consenso, permitam-me dizer isto assim. Ficou claríssimo, pelo menos na minha leitura, aos olhos de todos nós, que houve uma falha permanente e sistemática da supervisão”, apontou.

Na perspetiva do deputado relator, a supervisão chegou “sempre tarde aos problemas, sem prejuízo que os identificava”.

“Tivemos aqui uma supervisão – não quero usar a expressão, mas – muito epistolar, com muita carta e pouca ação. Os serviços do Banco de Portugal identificaram um conjunto de problemas ao longo dos anos e reportaram-nos à administração e a administração nada fez”, criticou.

Foi uma supervisão, segundo o deputado do PS, que optava sempre por uma via “mais prudente”, evitando a litigância. “Uma abordagem que discordo totalmente“, afirmou no Parlamento, citado pelo Jornal de Negócios.

Anastácio disse também que a relação do Banco de Portugal com o BES Angola foi um “desastre completo” e deixou ainda críticas à Comissão Europeia, nomeadamente por ter impedido o Fundo de Resolução de ter administradores no banco.

Segundo o mesmo jornal, o socialista falou num contrato “desequilibrado” porque, por imposição de Bruxelas, “impede o Fundo de Resolução, que tem 25% do capital, de exercer em pleno os seus direitos” de acionista.

“As opções podiam ter sido diferentes se houvesse a capacidade de intervenção” do Fundo de Resolução, concluiu.

De acordo com o jornal online Observador, no Parlamento, o deputado do PSD Duarte Pacheco já anunciou que a bancada social-democrata irá votar contra o documento, caracterizando-o como “enviesamento socialista”.

Também a deputada do CDS Cecília Meireles considerou que não se trata de um relatório, mas sim de uma “narrativa parcial“ e fala em vários ajustes de contas.

Para a centrista, trata-se de um “ajuste de contas entre um Governo que estava e um Governo que entrou” e de “um ajuste de contas entre um governador que saiu [Carlos Costa] e um governador que entrou [Mário Centeno]”.

Discussão e votação do relatório adiadas para 26 e 27

Antes da apresentação do documento, os deputados decidiram adiar a discussão e votação do relatório para as próximas segunda e terça-feira. A votação terá de ser realizada no dia 27 (terça-feira) até à meia noite.

Ao longo de pouco mais de três meses, decorreram no Parlamento 56 audições da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, num total de 174 horas.

Foram precisos 10.447 minutos para concluir as audições, que começaram no dia 10 de março, com João Costa Pinto, o antigo presidente do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal e coordenador da comissão que elaborou o tal relatório Costa Pinto.

O último depoente a ser ouvido foi o presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, na tarde do dia 16 de junho.

O presidente da comissão é o deputado Fernando Negrão (PSD), tendo o PS sete deputados efetivos, o PSD quatro e o BE dois, enquanto PCP, CDS-PP, PAN e Iniciativa Liberal estão representados, cada um, por um deputado efetivo, num total de 17.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Resumindo…
    o povo paga e o resto é treta…
    os “cães” grandes do BES estão ricos… não andam a pedir esmolas…
    O governador do banco à data foi promovido para o Banco Central Europeu…
    os politicos continuam a descartar responsabilidades…
    As agencias de controlo que deviam controlar recebem e depois descartam responsabilidades como se nada fosse com eles…
    enfim…
    Não se aprende nada com os erros e a culpa vai ficar solteira… uma vez mais…

    • “Obrigada a falhar”. E por quem? Por aqueles que lá a colocaram? Não é por acaso que PSD e CDS se opõem a este relatório. Lembro que o supervisor teve a entusiástica bênção do então PR, garantindo que se tratava de alguém de elevada competência e idoneidade. E tinha tanta competência que o governo em exercício e pouco antes das eleições – que perdeu – lhe renovou a “patriótica” missão. Não é que isto me interesse muito, o caso BES nunca existiu, afinal o banco caiu apenas por causa de Luís F. Vieira. Siga o circo, tem que haver para embalar os trouxas.
      Estou absolutamente de acordo com o Nuno Vasconcelos quando afirma “estar decidido a pagar os prejuízos causados a investidores, para a banca nem um tostão”. Faz sentido, a banca é um negócio, altamente lucrativo quando existe uma gestão capaz, se esta não existe ou é danosa, caixote do lixo, nem um cêntimo dos dinheiros públicos. É da massa falida, da responsabilização dos accionistas gananciosos que devem sair as compensações para pequenos e médios investidores e só estes,desde que não tenham alinhado em fundos gananciosos ou especulativos.

  2. Na linha do que temos vindo a assistir falta vir agora o regulador dizer que aculpa da falta de supervisão foi do porteiro e do telefonista do Banco de Portugal.

  3. Estamos nas mãos de vigaristas e os Bancos desta forma ficam cada vez mais descredibilizados perante a opinião pública e o caso não é para menos, dantes uma entidade bancária era uma entidade de confiança, hoje bem pelo contrário, deixam-nos muitas dúvidas quanto à sua reputação e a justiça é branda ou mesmo inativa perante esta ladroagem engravatada!

  4. Se calhar a supervisão não falhou. Se calhar cumpriu rigorosamente o seu papel. Pode é ser que esse papel seja diferente do que nós, plebeus, ingenuamente imaginamos.
    Não devemos cometer o erro de pensar que somos governados por imbecis. Eles não são imbecis. Eles sabem muito bem o que fazem. E porque o fazem.
    Refiro-me, obviamente, a quem governa, e não aos políticos que estão na ribalta. Esses sim, exibem uma imbecilidade exuberante. Que até ajuda os (verdadeiros) governantes, pois serve de manobra de diversão: Enquanto a plebe se afadiga a expôr as suas abundantes cretinices, não chateia quem interessa.
    É ver, exemplo recente, o José Magalhães, notável promotor da (riam-se!) “Carta de Direitos Humanos na Era Digital”.
    O nome é giro, não é? Pois. Riam-se. Enquanto podem, claro…

RESPONDER

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …

Hidilyn Diaz dá primeira medalha de ouro de sempre às Filipinas

A filipina Hidilyn Diaz deu esta segunda-feira a primeira medalha de ouro de sempre ao seu país em Jogos Olímpicos, ao conquistar a categoria de -55 kg de halterofilismo em Tóquio2020. Depois de ter sido segunda …