Relação reverte decisão de Ivo Rosa. Marroquino vai ser julgado por terrorismo

(dr) Tribunal da Relação de Lisboa

Tribunal da Relação de Lisboa

O Tribunal da Relação de Lisboa revelou esta quarta-feira à agência Lusa que reverteu uma decisão do juiz Ivo Rosa e decidiu levar a julgamento um cidadão marroquino acusado de pertencer ao grupo Estado Islâmico e de recrutar operacionais em Portugal.

Em 22 de junho, o juiz Ivo Rosa, do Tribunal Central de Instrução Criminal, decidiu não pronunciar – ou seja, não levar a julgamento – Abdesselam Tazi por vários crimes ligados ao terrorismo, tendo os procuradores do Ministério Público (MP) João Melo e Vítor Magalhães interposto recurso da decisão de “não pronúncia” para o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL).

Em resposta escrita enviada à Lusa, o TRL refere que “deu provimento” ao recurso do MP, revogou a “anterior decisão instrutória” e ordenou que “a mesma seja substituída por outra que pronuncie (leve a julgamento)” o arguido pelos oito crimes que constam do despacho de acusação do MP, “por se entender estarem fortemente indiciados os factos descritos na acusação”, segundo a decisão dos juízes desembargadores Simões de Carvalho (relator) e Margarida Bacelar.

Abdesselam Tazi, 64 anos, em prisão preventiva na cadeia de alta segurança de Monsanto, em Lisboa, está acusado de oito crimes: adesão a organização terrorista internacional, falsificação com vista ao terrorismo, recrutamento para o terrorismo, financiamento do terrorismo e quatro crimes de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo.

Na leitura da decisão instrutória, Ivo Rosa, que será o juiz responsável pela fase de instrução do processo da Operação Marquês, sustentou que a prova apresentada pelo MP na acusação era “indireta”, acrescentando que dos factos imputados a Tazi não era possível inferir ou concluir que o arguido tivesse atuado com o propósito de falsificar documentos, de financiar, de aderir ou de recrutar elementos para o Estado Islâmico ou para outra organização terrorista.

O juiz salientou que “não se mostraram” provados indícios suficientes quanto aos factos descritos na acusação relacionados com o terrorismo, razão pela qual não pronunciou (não levou a julgamento) o arguido por esses factos.

Ivo Rosa colocou ainda em causa a prova apresentada pelo MP que sustentaria as ligações ao terrorismo, e disse que a acusação formou a sua convicção “em meios de prova indireta”, que podem ter diversas leituras e interpretações.

O facto de Tazi ter utilizado passaportes e cartões de crédito falsos, ter viajado para a Turquia, estar na posse de manuscritos do Islão, ser muçulmano e ortodoxo, não haver prova direta de que radicalizou Hicham El Hanafi [detido em França desde 20 de novembro de 2016 por envolvimento na preparação de um atentado terrorista] não permite, segundo o juiz, “extrair-se uma conclusão ou inferir que dos mesmos o arguido aderiu a uma organização terrorista ou que recrutou Hicham El Hanafi”.

Ivo Rosa decidiu levar o arguido a julgamento apenas por um crime de falsificação de documento (relativo à falsificação do passaporte) e por quatro crimes de contrafação de moeda (relativos ao uso de quatro cartões de crédito falsos), que nada têm a ver com terrorismo ou com ligações terroristas.

Tazi está a ser julgado por estes crimes em Aveiro, pois foi nessa comarca “onde se consumou o crime de contrafação de moeda”, estando a leitura do acórdão agendada para as 10:00 de 07 de dezembro.

Segundo a acusação do MP, Tazi deslocou-se várias vezes ao Centro de Acolhimento para Refugiados, no concelho de Loures, para recrutar operacionais para esta organização, prometendo-lhes mensalmente 1.800 dólares norte-americanos (cerca de 1.500 euros).

Abdesselam Tazi fez-se sempre acompanhar de Hicham El Hanafi, que havia radicalizado e recrutado em Marrocos, antes de ambos viajarem para a Europa. O MP diz que o processo de refugiado, os apoios e a colocação em Portugal deste suspeito foram idênticos aos do arguido, tendo ambos ficado a viver juntos no distrito de Aveiro.

“Pelo menos a partir de 23 de setembro de 2013, a principal atividade desenvolvida pelo arguido em Portugal consistia em auxiliar e financiar a deslocação de cidadãos marroquinos para a Europa e em obter meios de financiamento para a causa ‘jihadista’”, indica a acusação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

O MP conta que Abdesselam Tazi “passou a visitar regularmente” o Centro de Acolhimento para Refugiados (CAR) “para dar apoio às pessoas em relação às quais organizara a sua vinda para Portugal e outros migrantes jovens que pudessem ser radicalizados e recrutados para aderirem ao Daesh” (acrónimo árabe do grupo extremista Estado Islâmico), procurando convencê-las de “que teriam uma vida melhor se aderissem ao Daesh e fossem viver para a Síria”.

// Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Este Ivo Rosa é um bom juiz. É tudo ao lado…
    A coisa promete. Assim ainda vai chegar a Procurador Geral da República da República Banano-Socialista.

    • Pois, pois.
      E entretanto, ainda vai concluir que o Zé Pinóquio, também conhecido por 44, ou por Zé Trocas, e o seus amigos do peito e associados não devem ser julgados, porque o MP apenas conseguiu obter provas indiretas das múltiplas práticas engenhosas que eles levaram a cabo para movimentarem milhões de euros em “comissões” e contratos manhosos. E lá vai o engenhoso Zé Trocas ver o seu processo arquivado. E depois há-de intentar uma ação contra o Estado, pedindo uma indemnização por não ter sido eleito PR, entre outras coisas.
      Por isso era tão importante, que para a instrução fosse este a ser designado, ainda que o sistema tivesse que emperrar mais de duas vezes.
      Assim não vamos lá…

  2. Bem, pelo menos já dá para ver como vai acabar o outro julgamento de terrorismo que tem agora em mãos, porque para mim são bem piores que terroristas.
    Com juízes destes, um dia ficam cá fora todos os criminosos e lá dentro todos os que trabalham…

RESPONDER

Nem senhoras, nem senhores. Japan Airlines vai abolir expressões de género

A habitual saudação "senhoras e senhores" da companhia aérea japonesa vai ser substituída por saudações neutras relativamente ao género como, por exemplo, "bom dia" e "boa noite". Segundo o jornal The Telegraph, a Japan Airlines vai …

Centeno pediu e Marcelo recebeu o governador do Banco de Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, esta segunda-feira à tarde, a pedido deste. O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta segunda-feira à tarde, no Palácio …

Vila romena reelege autarca que morreu de covid-19 dez dias antes

Os moradores de Deveselu, na Roménia, decidiram prestar uma última homenagem ao presidente da Câmara, nas eleições locais deste domingo, que morreu devido a complicações provocadas pela covid-19 dez dias antes. De acordo com a agência …

Jogador do Rio Ave recusou jogar

Matheus Reis não quis defrontar o Vitória de Guimarães porque quer sair rapidamente de Vila do Conde. Presidente anunciou suspensão do atleta. O Rio Ave apareceu no duelo com o Vitória de Guimarães (0-0) sem Matheus …

António Joaquim entrega recurso no Supremo no caso do homicídio do triatleta

O advogado de António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, entregou, esta segunda-feira, no Supremo Tribunal de Justiça um recurso sobre essa decisão, defendendo a sua revogação e a …

57% dos portugueses diz que a pandemia dificultou acesso à saúde (e mais de 600 mil perderem consultas)

Mais de metade dos portugueses (cerca de 57%) considera que a pandemia dificultou o seu acesso aos cuidados de saúde, sendo a população mais idosa (69%) e os doentes crónicos (70%) quem mais manifesta esta …

“Negacionista e bem raivosa”. Livro de ex-ministro da Saúde revela reação de Bolsonaro à pandemia

O primeiro ministro da Saúde do mandato de Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, publicou um livro sobre o combate à pandemia no Brasil e revelou que o Presidente teve uma reação “negacionista” e “raivosa”. De acordo …

"É um génio". Futre acredita que João Félix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo

O antigo internacional português e antigo jogador do Atlético de Madrid Paulo Futre acredita que João Felix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo. "É um génio. Cada vez que a bola passa pelos …

Seis novos sauditas indiciados na Turquia pela morte de Khashoggi

Os seis sauditas, indiciados a alguns dias do segundo aniversário do homicídio, não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia. O procurador de Istambul indiciou, esta segunda-feira, seis novos sauditas suspeitos de …

Expressões neutras e imagens de homens e mulheres. Governo quer militares a usar linguagem inclusiva

O Ministério da Defesa quer que os militares comecem a usar uma linguagem mais inclusiva e menos discriminatória nos documentos e comunicações oficiais, de acordo com uma diretiva enviada Estado-Maior-General das Forças Armadas e aos …