Relação com o PS “nunca foi fácil”, diz Catarina Martins

Tiago Petinga / Lusa

O Bloco de Esquerda assumiu este sábado que a relação com o PS “nunca foi fácil” e recusou que a perda de votos e a falta de um acordo de maioria parlamentar possam ser encarados como uma derrota do partido.

No final da reunião da Mesa Nacional, órgão máximo do partido entre Convenções, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, reconheceu que o partido teria preferido a repetição de uma maioria parlamentar negociada para quatro anos, como existiu na anterior legislatura.

“Como sabem, o BE propôs um acordo de maioria parlamentar, provou ser um instrumento útil capaz de ultrapassar turbulências políticas e capaz de ter horizontes de recuperação de rendimentos. Essa não foi a vontade do PS, que prefere negociar caso a caso, pode fazê-lo, teve votos para o fazer”.

Questionada por várias vezes se a falta de um acordo formal de legislatura tornará mais difícil a relação com o PS, a líder do BE nunca respondeu diretamente. “O PS e o BE são partidos muito diferentes, que trabalharam em conjunto. Nunca foi fácil essa relação e nunca deixámos de assumir a necessidade da convergência quando foi para responder ao que é importante”, afirmou a bloquista.

Catarina Martins rejeitou, no entanto, a leitura de que o resultado das eleições – com reforço do PS, perda de cerca de 50 mil votos e a falta de um acordo de maioria – possa “saber a derrota” para o BE. “Não o vimos assim na mesa nacional do BE, muito pelo contrário. O PS não teve maioria absoluta e, num cenário em que o BE com o desgaste de ter estado numa solução de maioria parlamentar, consegue manter meio milhão de votos e afirmar-se como terceira força política em todo o país”.

Ainda sem nova reunião marcada com o PS, a líder do BE recusou acusar os socialistas de falta de transparência na falta como recusaram continuar o processo negocial, dias depois de um primeiro encontro entre António Costa e Catarina Martins. “O PS anunciou que não queria um acordo. Desse ponto de vista, foi bastante transparente”, afirmou.

Para o próximo Orçamento do Estado, a líder do BE deixou já algumas prioridades. “Aqui estaremos para negociar um Orçamento que possa recuperar salários e pensões, que possa responder à enorme urgência do Serviço Nacional de Saúde, aqui estaremos para que haja investimento público que possa dar uma resposta mais forte nos transportes e à crise na habitação”, disse.

Catarina Martins assegurou ainda que o partido estará atento, na próxima legislatura, à regulamentação e dotação orçamental de diplomas como as leis de bases da saúde e da habitação, o estatuto dos cuidadores informais, bem como para “tirar conclusões da comissão de inquérito sobre as rendas e baixar o preço da energia”.

Sobre o futuro Governo, cujos ministros foram conhecidos na terça-feira, a coordenadora do BE salientou que “mais do que os nomes o que contam são as políticas”. “Teremos de esperar para ver quais são os percursos e se o PS pretende dialogar à esquerda ou, se pelo contrário, prefere dialogar à direita”, avisou.

A Mesa Nacional fez uma leitura detalhada dos resultados do Bloco e concluiu que, apesar da perda de cerca de 50 mil votos em relação há quatro anos, o partido registou um reforço na maioria dos distritos e consolidou-se como “terceira força política em Portugal”.

De acordo com os resultados globais provisórios disponíveis na página da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, o BE obteve, nas eleições legislativas de 6 de outubro, 9,52% e elegeu 19 deputados, correspondentes a pouco mais de 500 mil votos, menos 50 mil do que há quatro anos (quanto teve 10,19% e os mesmos 19 deputados).

A Mesa do BE debruçou-se ainda sobre questões internacionais, como a situação na Catalunha, reiterando a posição da Comissão Política do partido, segundo a qual a condenação efetiva do exercício de direitos políticos “representa um ataque aos princípios fundadores do Estado de Direito democrático”.

Por outro lado, os bloquistas condenaram “a ocupação turca do Curdistão” e instam o Governo português a declarar os membros da Missão Diplomática da Turquia em Portugal como ‘personas non gratas’, manifestando ainda solidariedade para com as manifestações populares no Equador e em Hong Kong.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

JPMorgan Chase prepara mudança para Paris após o Brexit

O banco norte-americano JPMorgan Chase anunciou no domingo que comprou um novo edifício no centro de Paris capaz de disponibilizar 450 postos de trabalho, o mais recente passo nos seus planos para sair de Londres …

Benfica contrata Samuel Pedro ao Boavista

O extremo, que se estreou esta temporada pelos seniores do Boavista, assinou contrato com o Benfica, anunciou o clube encarnado, esta segunda-feira, no seu site oficial. Samuel Pedro, de 18 anos, fez a sua estreia na I …

Prendas aos deputados acima de 150 euros serão divulgadas na Internet

PS, PSD e Bloco aprovaram, esta terça-feira, em votação final na Comissão Parlamentar de Transparência, o conjunto de critérios orientadores em matéria de ofertas e hospitalidade de deputados, diploma que teve a oposição do PAN. Estes …

Metro do Porto compra 18 novos veículos e assegura mais 60 mil lugares por dia

A Metro do Porto assinou esta terça-feira o contrato para a aquisição, por 49,6 milhões de euros, de 18 composições à empresa chinesa CRC Tangsthan que permitirão disponibilizar mais 60 mil lugares diários, estima a …

Catarina Martins diz que Carlos Costa "não tem condições" para ser governador

Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, disparou contra aqueles que considera serem "cúmplices" do "assalto ao povo angolano". Tanto a Justiça como o Governo português têm de agir, considera o Bloco de Esquerda, na sequência …

Pedro Sánchez vai reunir-se com líder do governo regional catalão

O primeiro-ministro espanhol e líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, anunciou na segunda-feira que se reunirá com o líder do governo regional da Catalunha, Quim Torra, no início de fevereiro. Em entrevista à televisão …

Governo confirma que nunca avaliou impacto dos vistos gold. Só 5% foram recusados

O Ministério da Administração Interna (MAI) confirmou que não foram realizadas avaliações ao impacto dos vistos gold e que não cabe ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) controlar as origens do capital investido em …

Conselho de Finanças Públicas alerta para "risco de desvio significativo" no ritmo de ajustamento estrutural

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alerta para um "risco de desvio significativo" do ritmo de ajustamento estrutural da economia portuguesa em 2020, avisando que a evolução programada da despesa no OE2020 "não cumpre o …

Carolina Salgado condenada a pena de quatro meses de prisão, substituída por multa de 600 euros

Carolina Salgado não cumpriu sentença do processo de difamação a Pinto da Costa. Além das 300 horas de trabalho comunitário devia ter publicado o texto da sentença no jornal e não o fez. Carolina Salgado foi …

Taiwan deteta primeiro paciente com pneumonia originária da China

A Agência Central de Notícias de Taiwan disse que uma mulher, que esteve recentemente na cidade chinesa de Wuhan, está a ser tratada e foi colocada sob quarentena, depois de se ter dirigido voluntariamente aos …