Em Lisboa, apesar das regras, o final de verão junta amigos com cerveja na mão

José Sena Goulão / Lusa

Este não é um final de verão habitual, mas há quem tente manter hábitos de outros anos no regresso das férias: tomar uma cerveja com amigos ao final do dia, atropelando regras como a limitação nos ajuntamentos.

Quinta-feira, 19:00, Cidade Universitária, em Lisboa. Os grupos de jovens reúnem-se, na sua maioria, junto aos cafés existentes perto do Caleidoscópio e da Faculdade de Ciências. Na mão têm cervejas ou cigarros, esbanjam conversas e risos. A máscara é visível no braço ou a sair de um bolso.

Apesar de a Área Metropolitana de Lisboa continuar em situação de contingência – nível que se estende a todo o continente português na terça-feira – e de não serem permitidos os ajuntamentos de mais de 10 pessoas ou o consumo de álcool na via pública, muitos jovens parecem alheios ao estipulado.

A Lusa esteve junto ao polo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, junto ao Campo Grande, até perto das 20:30. Os estabelecimentos comerciais fecharam às 20:00, só ficando aberto um restaurante.

Pouco antes, alguns jovens dançavam ao som de música vinda de um carro estacionado. Os muros repletos de jovens, copos de cerveja e garrafas. Os jovens, de idades entre os 17 e os 20 e poucos, a serem jovens.

Os grupos dispersavam quando viam as câmaras apontadas na sua direção, alguns colocavam as máscaras como sinal de que sabiam estar a desafiar as regras.

Quando os cafés fecharam despediram-se com beijinhos, abraços e apertos de mão, tudo aquilo que se faria normalmente numa altura em que o vírus não existisse.

Nenhum dos jovens quis falar à Lusa, mas o presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa, Hélder Semedo, referiu que muitos dos jovens que por ali se encontram são pessoas que “vêm de fora do ‘campus’, não pertencem à universidade”.

“Nota-se que há ajuntamentos, principalmente aqui na parte de restauração desta zona, de um número grande de pessoas que não têm os devidos cuidados do distanciamento social, da utilização da máscara. Estão a fumar, a beber, não têm isso em atenção”, afirmou.

Segundo o representante, as associações de estudantes da Universidade de Lisboa e a própria Associação Académica estão a preparar campanhas para o início do ano letivo, que começa para a semana, “para sensibilizar os estudantes da universidade e para a mitigação do próprio vírus”.

“Estamos preocupados com a abertura e queremos que a abertura aconteça. Como temos dito, é preciso voltar a humanizar a universidade, precisa dos seus estudantes. Uma universidade sem estudantes não faz sentido”, lembrou, recordando o atípico semestre passado, com as aulas presenciais canceladas.

De acordo com Hélder Semedo, “é certo que ainda não se sabe como vai ser gerida a situação as 18 escolas da universidade”, mas estão preparadas para receber os estudantes.

“Vamos ter de receber 50 mil alunos de uma vez. Muitos deles estão um pouco exaustos de estar em casa e muitos fazem o que estes estão a fazer agora. Querem descontrair, descansar e beber a sua cerveja, o que é normal, compreende-se. Só é preciso sensibilizar para que não haja mais casos de covid-19 e tentar mitigar a questão do vírus”, lembrou.

Para o presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, José António Borges (PS), a situação dos ajuntamentos de jovens naquela zona não é novidade. Já antes da pandemia eram “foco de atração”, sobretudo “pelo valor do preço baixo das bebidas alcoólicas”.

“Nos primeiros meses de confinamento correu bastante bem, como no resto da cidade. Em setembro, no início das aulas e do regresso dos estudantes a Lisboa, aliado a haver um certo desejo de desconfinamento, tem claramente havido uma afluência excessiva a estes bares”, explicou.

Apesar de considerar que os jovens “querem voltar às suas rotinas diárias”, o autarca sublinhou que a afluência de pessoas é “mais baixa do que era normal”, mas “ainda assim é excessiva para o período” em que se vive.

José António Borges adiantou que a junta está a trabalhar com as autoridades policiais para que na segunda quinzena de setembro possa regressar “alguma acalmia” à zona, embora se desconheça o que se irá passar com a retoma das aulas. Ainda assim, sabe que as faculdades “estão a preparar este regresso com calma”.

“Acho que o bom senso prevalecerá. As instituições estão preparadas ou a preparar-se para que durante o período das aulas as coisas regressem ou tenham níveis de normalidades, e que isto seja um foco de excitação juvenil de início de ano letivo e depois acabe por acalmar”, afirmou.

O autarca lembrou ainda o papel “muito importante” das associações de estudantes “na sensibilização dos jovens para que estes comportamentos se normalizem, no sentido de estarem precavidos nos cuidados de saúde”.

Hélder Semedo lembrou que a maior parte dos eventos académicos “estão cancelados até indicação em contrário da própria Reitoria” e que “até a situação estar normalizada” vai haver um acompanhamento das atividades, “dentro de outros moldes”.

“Estamos preocupados”, afirmou, acrescentando que a quinta-feira justifica especial atenção em relação aos ajuntamentos, por ser o dia académico e, tradicionalmente, de saídas à noite dos estudantes.

A Polícia de Segurança Pública registou 308 contraordenações em agosto por violação das regras de contenção da covid-19, sendo o consumo de bebidas alcoólicas na via pública responsável por cerca de metade das multas (150).

Porto não é exceção

A PSP do Porto elaborou 23 autos de contraordenação por consumo de bebidas na via pública entre as 22:00 de sexta-feira e as 03:00 de hoje, avisando que vai manter ações similares “no contexto da atual situação epidemiológica”.

Em comunicado, a PSP afirma ter elaborado, no mesmo período e na mesma operação, realizada na Baixa do Porto, um auto de contraordenação por violação das regras de funcionamento dos estabelecimentos.

“A PSP, no contexto da atual situação epidemiológica, continuará a proceder a ações de fiscalização e de aconselhamento sobre as medidas e normativos de proteção e segurança dos cidadãos”, afiança o Comando Metropolitano do Porto daquela força policial.

Os autos de contraordenação agora anunciados relacionado com o chamado “botellón” (ajuntamento de jovens para convívio e consumo de álcool) somam-se a 20 outros por consumo de bebidas na via pública elaborados na mesma zona entre as 22:00 de quinta-feira e as 02:30 do dia seguinte.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E qual é o problema???, ou será que apenas as concentrações em prol de 1 partido politico sao inofensivas????
    Ja chega de nos tomar por parvos

RESPONDER

Consumo excessivo de álcool afeta o sistema nervoso (e aumenta a ansiedade)

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde concluíram que o consumo repetitivo de álcool afeta diretamente células imunes do sistema nervoso central, que eliminam parte da comunicação entre os neurónios, e provoca o …

Afinal, os tubarões-baleia macho não são os maiores peixes dos oceanos

Um novo estudo revela que, afinal, os tubarões-baleia machos não são os maiores peixes do oceano. As fêmeas crescem continuamente muito depois de os machos pararem, atingindo tamanhos maiores - ainda que demorem mais tempo …

Exército norte-americano usou fundos de emergência covid-19 para comprar armas

O exército dos Estados Unidos utilizou fundos de emergência aprovados pelo Congresso especificamente para combater a covid-19 para comprar armas, denuncia esta semana o jornal norte-americano The Washington Post. O caso remonta a março passado, …

Carpinteiros usam técnica medieval na reconstrução de Notre Dame

A reconstrução de Notre Dame - que se prevê estar concluída no prazo de cinco anos - continua a avançar e os carpinteiros usaram técnicas medievais para erguer uma estrutura na fachada do monumento. A Catedral …

Durante um ano e meio, uma aldeia inteira perdeu a Internet todos os dias à mesma hora (e já se sabe porquê)

Durante 18 meses, os residentes de uma vila no País de Gales perderam a Internet todos os dias à mesma hora. Agora, engenheiros identificaram o motivo: uma televisão em segunda mão que emitia um sinal …

Gado na UE produz 704 milhões de toneladas de CO2 (mais do que todos os transportes juntos)

De acordo com uma nova análise da Greenpeace, animais de criação como vacas, porcos e outros, estão a emitir mais gases com efeito de estufa na Europa do que todos os transportes juntos. Na última década, …

É distraído e está sempre a perder a carteira? A Cashew Smart Wallet é para si

Uma simples carteira pode vir a melhorar os seus dias. A Cashew Smart Wallet é dotada de uma tecnologia de bluetooth que permite proteger os seus bens e ainda o ajuda caso a perca por …

Desportivo das Aves SAD desiste do Campeonato de Portugal

O Desportivo das Aves SAD vai abdicar da participação no Campeonato de Portugal (CdP), após ter falhado as negociações com o Perafita para utilizar as instalações do clube de Matosinhos. "As inscrições fechavam ontem [terça-feira] e …

Celebridades doam dinheiro para pagar dívidas a ex-presos impedidos de votar nos EUA

O bilionário Michael Bloomberg, o cantor John Legend e o basquetebolista LeBron James são algumas das celebridades que estão a doar dinheiro para pagar dívidas de ex-presidiários da Florida, impedidos de votar nas próximas eleições …

No debate sobre o Plano de Recuperação, evocou-se Sócrates e Passos

O líder do PSD questionou o primeiro-ministro se pretende "fomentar o desemprego" com o aumento do salário mínimo. O chefe do Governo manifestou-se "completamente perplexo". Na abertura do debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, …