Regras rígidas de distanciamento estão desatualizadas, dizem investigadores

Sebastião Moreira / Lusa

As regras rígidas de distanciamento social como medida de prevenção da covid-19 baseiam-se em ciência desatualizada, defenderam investigadores da Universidade de Oxford num artigo publicado na terça-feira.

De acordo com os especialistas, citados pela agência Lusa, as regras de contenção do novo coronavírus devem refletir melhor os vários fatores que se conjugam para influenciar o risco de transmissão da doença.

“Regras que estipulam uma única distância física específica (um ou dois metros) entre as pessoas para reduzir a disseminação de covid-19 são baseadas em ciência desatualizada e experiências de vírus anteriores”, indicaram os investigadores, no artigo publicado no BMJ.

Tais regras, sustentaram os especialistas, são baseadas numa “dicotomia simplista” que descreve a transmissão viral por gotículas grandes ou pequenas emitidas isoladamente, “sem levar em conta o ar exalado”, de acordo com Nicholas Jones, da Universidade de Oxford, e os colegas.

Na realidade a transmissão é mais complexa, envolvendo “um contínuo de gotículas de diferentes tamanhos e um papel importante do ar que as carrega”, explicaram os investigadores responsáveis pelo estudo.

“As evidências sugerem que pequenas gotículas transportadas pelo ar carregadas com covid-19 podem viajar mais de dois metros impulsionadas por tosse e gritos, e podem espalhar-se até sete ou oito metros concentradas no ar exalado por uma pessoa infetada”, lê-se num comunicado na terça-feira divulgado.

Assim, os peritos alertaram que as regras de distanciamento social devem ter em conta os vários fatores de risco, incluindo o tipo de atividade, ambientes internos e externos, o nível de ventilação e se são usadas proteções faciais. A carga viral do emissor, a duração da exposição e a suscetibilidade à infeção também são importantes, acrescentaram.

“Isso proporcionaria maior proteção em ambientes de maior risco, mas também maior liberdade em ambientes de menor risco, permitindo um potencial retorno à normalidade em alguns aspetos da vida social e económica”, escreveram os autores do trabalho.

Por exemplo, nas situações de maior risco, como um bar ou uma discoteca lotados, o distanciamento físico além de dois metros e a minimização do tempo de ocupação devem ser considerados, enquanto um distanciamento menos rigoroso provavelmente será adequado em cenários de baixo risco.

Os peritos disseram que é preciso mais trabalho para examinar as áreas de incerteza e estender o guião para desenvolver soluções específicas para diferentes ambientes internos e os vários níveis de utilização.

O distanciamento físico deve ser visto como “apenas uma parte de uma abordagem mais ampla de saúde pública para conter a pandemia de covid-19” e concluíram: “Deve ser usado em combinação com outras estratégias para reduzir o risco de transmissão, incluindo lavagem das mãos, limpeza regular das superfícies, equipamento de proteção e coberturas faciais quando apropriado, estratégias de higiene do ar e isolamento dos indivíduos afetados”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas medem temperatura a 4 mil borboletas (e revelam a influência do clima no seu habitat)

Um grupo de cientistas do Reino Unido recolheu 4 mil borboletas selvagens para medir a sua temperaturas, alertando que algumas das espécies mais reconhecidas do país estão em ameaça de colapso, e em risco de …

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …