Reforma do IRS vai valorizar mais o trabalho e privilegiar a família

Rodrigo Gatinho / portugal.gov.pt

Ministro do Emprego, da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares

Ministro do Emprego, da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares

O ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social afirmou hoje que a reforma do IRS vai valorizar mais o trabalho e privilegiar a família, contribuindo para atenuar o atual défice demográfico.

“A breve trecho teremos uma reforma do IRS” que visa três aspetos: “O IRS deve ficar mais simples, deve valorizar mais o trabalho e privilegiar mais a família e a dimensão familiar“, disse o ministro da Solidariedade Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, no seminário “Setor Social e a Estratégia Europa 2020”, que está a decorrer em Lisboa.

O ministro sublinhou que “é importante dar esse contributo” do sistema fiscal no “mais breve prazo“, para favorecer “a inversão do atual défice demográfico, do atual inverno demográfico”, que Portugal está a viver.

Nesse sentido, defendeu, o sistema fiscal deve ser “sensível também à dimensão familiar em Portugal”, criando “mecanismos mais amigos do trabalho e da família”.

A Comissão de Reforma do IRS sugeriu, numa proposta entregue ao Governo, que os pais (ascendentes) sem recursos que vivem com os filhos (contribuintes) passem a contar para o cálculo do rendimento coletável, diminuindo a tributação das famílias nestas situações.

Outra das propostas é que o cálculo do rendimento coletável para efeitos de IRS passe a considerar o número de filhos, o quociente familiar, atribuindo uma ponderação de 0,3% por cada filho.

No seminário, o ministro observou ainda que a demografia “é um dos maiores desafios à escala europeia”.

Para Mota Soares, “o crescimento económico e os níveis de emprego mais expressivos são essenciais e decisivos para a promoção da natalidade em Portugal”.

Também presente no seminário, promovido pela União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social, o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (CNIS), Lino Maia, defendeu que, para promover a natalidade, é preciso olhar para o território.

“O que acontece neste momento em Portugal é que temos um interior excessivamente deprimido, excessivamente desertificado e, se queremos apostar na natalidade e nas condições de vida, temos de olhar para o território”, sublinhou o padre Lino Maia.

Para combater a pobreza e a desertificação do território, “é preciso haver vontade”, sustentou o presidente da CNIS.

“O problema não é o envelhecimento, nem é talvez a natalidade, o problema é pôr a economia a funcionar para que haja mais natalidade e mais condições de vida para as pessoas viverem”, frisou Lino Maia.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Pois eu penso que é tudo mentira, de acordo com a experiencia que tenho com estes governantes, não se pode fazer confiança em nada, e se agora aliviarem a carga um pouco, é cinismo puro, porque passam a vida a dizer que não é possivel baixar impostos.
    Logo, tudo o que baixarem agora, será aumentado em dobro assim que ganhem as eleições.

Em apenas dois dias, duas mulheres "dalit" morreram vítimas de violação na Índia

De acordo com a polícia local, uma segunda mulher dalit morreu na Índia após ter sido violada por dois homens. Outro caso semelhante aconteceu esta semana, depois de uma jovem de 19 anos, do mesmo …

A Casa Branca contratou para a NOAA cientistas que defendem que as mudanças climáticas "são uma mentira"

Funcionários do governo norte-americano terão abordado cientistas com historial de críticas regulares sobre as mudanças climáticas causadas pelo homem, aos quais foram propostos cargos de gestão na NOAA. Segundo especialistas citados pela E&E News, esta …

United quase pede para Dalot sair

Adeptos pensavam que o português nunca mais ia jogar pela equipa principal do Manchester United. Jogou na Taça da Liga e não convenceu. O Manchester United seguiu para os quartos-de-final para a Taça da Liga inglesa, …

Testemunhas revelam que agentes de inteligência dos EUA consideraram sequestrar (e envenenar) Assange

Testemunhas anónimas revelaram em tribunal que planos para envenenar ou sequestrar Julian Assange da embaixada do Equador foram discutidos entre fontes da inteligência dos Estados Unidos e uma empresa de segurança privada que espiou o …

"Assassino do Twitter" assume ter matado 8 mulheres que partilharam pensamentos suicidas

O caso está a chocar o Japão. Perante o Tribunal de Tóquio, Takahiro Shiraishi declarou-se culpado, após ter assassinado e esquartejado oito mulheres e um homem em 2017. O assassino conheceu as vítimas através da rede …

"Como me mudar para o Canadá?" É o que os norte-americanos querem saber depois do debate presidencial

Depois do debate presidencial ficar marcado por diversas interrupções e insultos entre os candidatos à Casa Branca, são muitos os americanos a sentirem-se tentados a abandonar o país, e já escolherem o destino: o Canadá. Ao …

"Não toleramos insultos": Equipa abandona jogo decisivo ao intervalo

Comentário sobre a homossexualidade de um futebolista antecipou o final de um jogo de futebol. A mesma equipa tinha protestado outro encontro devido a insulto racista. O jogo de futebol entre San Diego Loyal e Phoenix …

Cofina condenada a pagar 3 milhões de euros ao Fisco

A Cofina, que detém o Correio da Manhã, a CMTV, a Sábado e o Jornal de Negócios, vai ter de pagar três milhões de euros à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) após ter perdido o …

Desfasamento do horário vigora até 31 de março de 2021 (e pode ser prolongado)

O regime excecional que contempla o desfasamento de horários vigora até 31 de março de 2021, podendo ser prolongado, e os trabalhadores sem transportes públicos que lhe permitam cumprir o horário podem opor-se. O diploma que …

Mário Centeno vai dar aulas na Universidade Nova

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, vai dar aulas na Universidade Nova, em Campolide, Lisboa, avança o jornal Público esta quinta-feira. O antigo ministro das Finanças do Governo de António Costa vai lecionar a …