Reembolso de IRS para recibos verdes vai subir em 2019

Na Primavera, quando preencherem a declaração de IRS, os trabalhadores a recibos verdes irão sentir os efeitos da alteração feita ao indexante de apoios sociais. Esta mudança no mínimo de existência garante a isenção de IRS a 54 mil trabalhadores independentes.

Os trabalhadores a recibos verdes vão começar a sentir, na primavera de 2019, os efeitos de terem passado a estar abrangidos pelo mínimo de existência. Com Orçamento do Estado para 2018, o mínimo de existência – que define um mínimo de rendimento livre de impostos – passou a abranger os trabalhadores independentes.

Assim, o efeito chegará na primavera com a entrega da declaração do IRS e isto significa para muitos trabalhadores independentes não pagar qualquer imposto.

O indexante de apoios sociais deverá aumentar cerca de sete euros em janeiro e com ele sobe também o mínimo de existência, que passará dos atuais 9006,9€ para 9156€. Como explica a Renascença, ao aumentar-se o indexante de apoios sociais em cerca e sete euros, perto de 54 mil contribuintes irão ser abrangidos por aquele mínimo de rendimento livre de impostos.

Como avança o Jornal de Notícias esta quarta-feira, quem ganha até nove mil euros por ano (isto é, perto de 642 euros por mês) fica isento de pagamento do imposto sobre o rendimento, o que até agora não acontecia.

Conjugada com a mudança nos escalões, esta medida fará com que um trabalhador que passe recibos verdes de cerca de 750 euros por mês passe a pagar zero euros de IRS neste ano, contra os 728 que habitualmente era chamado a pagar (ainda que parte fosse recuperada através das deduções à coleta).

Mas as mudanças não ficam por aqui. Outra das novidades para os trabalhadores a recibo verde é a obrigatoriedade de faturas: o fisco exige que uma parte das despesas destes trabalhadores seja agora justificada através de fatura. Até agora, a máquina fiscal assumia automaticamente que 25% do rendimento eram despesas.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • A direita, que não está ressabiada, diz que a esquerda geringonceira é sempre igual, aplica sempre o truque do toma lá, dá cá!
      Os ingénuos que se iludam…

      “…Mas as mudanças não ficam por aqui. Outra das novidades para os trabalhadores a recibo verde é a obrigatoriedade de faturas: o fisco exige que uma parte das despesas destes trabalhadores seja agora justificada através de fatura. Até agora, a máquina fiscal assumia automaticamente que 25% do rendimento eram despesas.”

      • Alô Rés-do-Chão (RC), aqui Primeiro Andar:

        A citação que você fez, só reforça mais o meu ponto e dá um excelente exemplo de uma boa medida. Que sentido fazia essa medida que já vinha da Era Passista, de assumir 25% do rendimento? Então e se eu tiver facturas que provem que eu gastei 50% ou mais do rendimento? Vamos supor que eu estou a começar um negócio e tive um investimento incial em computadores e outra maquinaria… Porque carga de água vou ter um tecto de 25%? E por outro lado, porque é que eu vou deduzir 25% de despesas se não tiver tido despesas nenhumas?.. Bem, isso dos 25% é que era uma senhora estupidez!.. Além disso a obrigatoriedade de apresentação de facturas, só aborrece quem não for sério. A si pelos vistos aborrece um bocado.

  1. Hipocrisia estes impostos não são para função pública.Esses tem direito a emprego .Se produzirem ou não tanto faz .Esta garantido e assim se mantém geringonça depois queixam-se- do Bolsonaro.

RESPONDER

Morreu a primeira mulher portuguesa a integrar um Governo

Maria Teresa Cárcomo Lobo foi nomeada subsecretária de Estado da Saúde em agosto de 1970 por Marcelo Caetano. Morreu este mês no Rio de Janeiro, no Brasil, aos 89 anos. A notícia da morte de Maria …

Putin, o espião soviético, tinha cartão de identificação da secreta alemã

Quando era membro do KGB, o Presidente russo estava colocado em Dresden, na Alemanha. Agora, descobriu-se nos arquivos que tinha também identidade da Stasi. Foi encontrado nos arquivos da polícia secreta, em Dresden, um cartão de …

Ataque em Estrasburgo. Número de vítimas mortais sobe para quatro

Um dos feridos do atentado de terça-feira em Estrasburgo morreu esta sexta-feira, elevando para quatro o número total de vítimas mortais, anunciou a Procuradoria de Paris. Duas pessoas morreram no próprio dia do ataque, depois de …

Preço do pão pode aumentar no próximo ano

O preço do pão poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima, disse à agência Lusa o presidente da Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares do …

Auditorias sobre fogos de 2017 ainda não estão prontas

Quase um ano e meio depois dos incêndios que assolaram o país em 2017, as inspeções e processos disciplinares destinados a apurar responsabilidades que correm na Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) não estão ainda …

PJ detém suspeito de 160 crimes informáticos por tentar clonar cartões multibanco

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem suspeito de 160 crimes de burla informática e associação criminosa por ter instalado dispositivos em máquinas multibanco para capturar dados das bandas magnéticas e códigos de acesso para …

Falhas do piloto na origem da queda de avioneta na praia da Caparica

Falhas na gestão da emergência e quebra de procedimentos pelo piloto instrutor levaram à aterragem do Cessna 152 numa praia da Costa de Caparica, Almada, em agosto de 2017, causando a morte a duas pessoas, …

Greve do Metro do Porto desconvocada após acordo

A greve na Metro do Porto, marcada para os dias 17 e 31 de dezembro, foi desconvocada depois de a empresa ter chegado a acordo com o Sindicato dos Maquinistas de Caminho-de-Ferro. A greve dos profissionais …

Parlamento aprova benefícios fiscais para arrendamento de longa duração

O parlamento aprovou esta quinta-feira, na generalidade, quatro dos dez projetos de lei do PSD sobre arrendamento, destacando-se a atribuição de benefícios fiscais a contratos a partir de dois anos e o aperfeiçoamento do Balcão …

Moção de censura contra governo francês foi rejeitada

A Assembleia Nacional francesa rejeitou a moção de censura das esquerdas contra o governo de Édouard Philippe, pela gestão da crise dos "coletes amarelos", votada apenas por 70 deputados. Com esta moção, os três grupos de …