Radiação do desastre de Fukushima detetada no Canadá

2

Ministério da Administração Interna e Transportes do Japão / Wikimedia

Vista aérea da central nuclear de Fukushima

Vista aérea da central nuclear de Fukushima

Pela primeira vez, foi detetada radiação do desastre nuclear de Fukushima na costa da América do Norte, mais precisamente ao largo da costa canadiana. Vestígios de Césio-134 e Césio-137 foram detectados em amostras, mas o nível é baixo e não representa ameaça significativa.

Os investigadores do Instituto Oceanográfico de Woods Hole (WHOI), no Canadá, recolheram amostras ao largo de Ucluelet, uma pequena localidade na ilha de Vancouver, em fevereiro, e afirmam que os níveis de radiação do desastre nuclear japonês – foram detetados vestígios de Césio -134 e -137, dois elementos radioativos – são demasiado baixos para constituírem uma ameaça significativa à vida humana e marinha.

Por exemplo, com os níveis de radioatividade detectados no local, mesmo que uma pessoa nadasse diariamente nas águas à volta da Ilha de Vancouver ao longo de um ano, a exposição à radiação seria mais de mil vezes menor do que a sofrida durante um raio-X, de acordo com o instituto.

Ken Buesseler / WHOI

Ken Buesseler, investigador do WHOI, tem medido os níveis de radioatividade em amostras das águas do Pacífico desde 2011

Ken Buesseler, investigador do WHOI, tem medido os níveis de radioatividade em amostras das águas do Pacífico desde 2011

No entanto, os investigadores alertam para o risco de propagação ao longo da costa da América do Norte: “A radioatividade pode ser perigosa, e devemos monitorizar cuidadosamente os oceanos, depois daquela que é, certamente, a maior libertação acidental de contaminantes radioativos nos oceanos em toda a História”, afirma Ken Buesseler, do WHOI, no comunicado. “Contudo, os níveis que detetámos em Ucluete são extremamente baixos”, garantiu.

Em março de 2011, um terremoto seguido de tsunami atingiu a central nuclear de Fukushima, 209km a nordeste de Tóquio, forçando a evacuação de mais de 160 mil habitantes naquele que configura como o pior desastre nuclear do mundo desde Chernobyl, em 1986.

Os testes realizados no Japão logo depois do desastre mostravam que em cada metro cúbico havia 50 milhões de becquerel (unidade de medida de radioatividade). A amostra da água em Ucluelet continha apenas 1,4 becquerel de césio-134 por metro cúbico e 5,8 becquerel de césio-137.

De acordo com Buesseler, níveis semelhantes de Césio deverão chegar gradualmente às costas norte-americanas, podendo chegar à costa oeste dos EUA. De acordo com o jornal The Globe and Mail, em novembro do ano passado, foi detetada radiação a 150km da costa do norte da Califórnia. “Prever a propagação da radiação torna-se cada vez mais difícil à medida que se aproxima da costa“, alerta o investigador.

ZAP

2 Comments

  1. Aqui a notícia seria: “Radiação do Desastre de Fukushima AINDA NÃO detectada no Canadá”. Agora, isto não é notícia.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE