PSD aceita declaração de calamidade, “desde que seja salvaguardada a componente constitucional”

Rodrigo Antunes / Lusa

O presidente do PSD afirmou hoje que a aceita que o Governo declare a situação de calamidade pública após 2 de maio, em substituição do estado de emergência, mas disse esperar que não existam problemas de constitucionalidade.

Rui Rio falava aos jornalistas após a reunião com o primeiro-ministro, António Costa, em São Bento, que durou cerca de duas horas (mais uma do que o previsto) e no qual também estiveram presentes os titulares das pastas da Economia (Pedro Siza Vieira) e da Saúde (Marta Temido).

No que respeita à decisão de não renovação do estado de emergência, sendo substituído pela declaração de calamidade pública por causa da pandemia de convid-19, o líder social-democrata disse não ter colocado problema, “desde que seja salvaguardada a componente constitucional”.

“Tivemos a oportunidade de perguntar ao primeiro-ministro se estava certo de que podia tomar as medidas que necessita sem o estado de emergência. O primeiro-ministro mostrou-se confiante que não haverá problemas de constitucionalidade. Esperamos que tenha razão e que não venham a suceder problemas num futuro próximo”, declarou Rui Rio, tendo ao seu lado o deputado do PSD Ricardo Batista Leite e o antigo ministro Nuno Morais Sarmento.

Neste ponto, o presidente do PSD fez questão de salientar que a declaração de calamidade será tomada “por resolução do Conselho de Ministros.

“Se o Governo quiser depois agilizar através de uma proposta de lei – o que acho bem até que o faça, porque aí mantém o controlo e a fiscalização da Assembleia da República -, aí o PSD terá de analisar o conteúdo desse diploma. Mas a nossa predisposição ao longo de todo este tempo é para colaborar e cooperar e não para criar obstáculos“, justificou.

Ainda sobre a adoção da situação de calamidade, o líder social-democrata alegou que importa saber em que medida as leis de Bases de Proteção Civil e de Saúde pública, mesmo conjugadas, “são suficientes para ultrapassar problemas de inconstitucionalidade”.

Não sou constitucionalista nem tão pouco jurista. Limitei-me a perguntar ao primeiro-ministro se estava confortável com a não existência de um estado de emergência relativamente às medidas que quer tomar. E as medidas que o primeiro-ministro quer tomar são todas elas muito parecidas com aquilo que existe agora, porque a abertura vai ser lenta. Os números que temos da evolução da pandemia de covid-19 são ainda perigosos e as coisas podem descambar”, justificou o líder social-democrata.

Perante os jornalistas, o presidente do PSD considerou depois que é correta a estratégia “de se começar a abrir a atividade económica, mas de uma forma muito prudente e lenta, medindo as coisas”.

“O primeiro passo será dado no início de maio [dia 4], o segundo a meio de maio [dia 18] e o terceiro a 1 de junho, sempre com avaliações sobre aquilo que aconteceu na quinzena anterior” em termos de controlo da propagação da covid-19, referiu.

Nas declarações aos jornalistas, o presidente do PSD disse ainda ter colocado ao primeiro-ministro duas preocupações, a primeira das quais referente a atrasos no acesso das empresas aos apoios do Estado, e a segunda sobre dívidas do Estado a fornecedores.

“Procurámos sensibilizar o Governo para a necessidade de desburocratizar para o dinheiro chegar mais rápido às empresas. Esse dinheiro tem de chegar em tempo útil”, acentuou, antes de reiterar a necessidade de o Estado “pagar rapidamente todas as dívidas que tem aos seus fornecedores”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Novo recorde: SNS24 recebeu mais de 23 mil chamadas só esta segunda-feira

O centro de contactos SNS24 bateu um novo recorde de atendimentos no dia 19 de outubro, com 23.373 chamadas atendidas, revelaram os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) ao Público. Os picos de chamadas …

Israel descobre túnel escavado desde a Faixa de Gaza

"O túnel, com várias dezenas de metros de comprimento, foi escavado em Khan Younès, no sul da Faixa de Gaza, e entra no território israelita", afirmou o porta-voz do exército, Jonathan Conricus, durante uma conferência …

Lei aprovada no Parlamento pretende facilitar prescrições de multas a partidos políticos

O projeto foi aprovado na generalidade no Parlamento, e está em discussão na especialidade. A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) teme os efeitos da nova legislação sobre as prescrições de multas a partidos …

Noiva de Khashoggi processa príncipe herdeiro saudita

Hatice Cengiz, noiva de Jamal Khashoggi, colocou um processo contra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e outros alegados mentores do assassínio. A noiva do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Turquia em outubro de …

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …