/

PS e PSD querem acordo na lei eleitoral autárquica. Debate começa na próxima semana

Mário Cruz / Lusa

Os dois maiores partidos, PS e PSD, deram esta quarta-feira sinais de entendimento em matéria de revisão da lei eleitoral autárquica, contestada pelos autarcas independentes por dificultar as suas candidaturas, estando prevista a sua discussão na próxima semana no parlamento.

Devido à urgência do assunto, o Parlamento tem 15 dias para fazer a discussão das nove propostas de alteração que, há uma semana, baixaram, sem votação, à comissão de Assuntos Constitucionais e que, na sua reunião desta quarta-feira, agendou para a próxima semana.

Pelo PSD, Hugo Carneiro declarou que o seu partido está “totalmente disponível para consenso até onde ele seja possível” e Pedro Delgado Alves, do PS, disse o mesmo, prometendo um “esforço significativo” para se conseguirem “textos de substituição onde for possível”. E colocou o cenário de se tentar conseguir negociar esses textos de consenso até ao final do dia de segunda-feira.

Pedro Delgado Alves identificou as áreas em que se poderiam dividir as conversações para encontrar acordos com possibilidades de êxito diferentes – as regras para as candidaturas de cidadãos independentes, para a formação de mesas, ou as medidas para incentivar a participação eleitoral em tempos de pandemia da covid-19.

Nenhum outro partido representado na comissão se pronunciou sobre o tema.

Assim, Luís Marques Guedes, presidente da comissão da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, revelou que vai agendar para a próxima terça-feira a discussão das nove propostas.

E alertou para o calendário apertado, tendo em conta “a urgência política” do tema, a poucos meses das eleições autárquicas, no Outono, dado que não havendo um texto de substituição com o apoio de uma maioria, a comissão terá de voltar a reunir-se para discutir de novo, agora na especialidade, os diplomas.

No dia 8 de Abril, foi adiada a votação, na generalidade, das alterações à lei eleitoral autárquica.

Este adiamento permite que se faça o trabalho de debate na especialidade, em comissão de Assuntos Constitucionais, na tentativa de encontrar um texto comum, antes da votação final global, em plenário. Todos os partidos pediram que baixasse à comissão sem votação.

Todos, do Bloco de Esquerda ao CDS, prometeram trabalhar nesse consenso, apesar de serem muitas as propostas e muitos diferentes entre si.

As mais recentes mudanças à lei eleitoral autárquica foram aprovadas no final da sessão legislativa passada, em julho, pelo PS e PSD, mas foram muito contestadas pela Associação Nacional de Movimentos Autárquicos Independentes (AMAI) por dificultarem a candidatura destes movimentos.

As regras aprovadas – e que os partidos querem agora alterar, embora com soluções diferentes – obrigam os movimentos independentes a recolher assinaturas em separado para concorrer a câmaras, assembleias municipais e juntas de freguesia e impede o uso do mesmo nome para essas candidaturas se apresentarem a votos.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.