Pedro Nuno Santos criticou direção do PS. E foi Costa quem lhe respondeu

Tiago Petinga / Lusa

Pedro Nuno Santos, Antonio Costa, Augusto Santos Silva: o núcleo duro do Governo no Parlamento

O PS aprovou as listas de candidatos a deputados para as próximas eleições legislativas num processo que não foi consensual e que gerou críticas, designadamente no âmbito das escolhas feitas em Braga que colocam o ministro Pedro Nuno Santos contra a direcção do partido.

O presidente do PS, Carlos César, anunciou já de madrugada que a Comissão Política Nacional do partido aprovou as listas de candidatos socialistas a deputados nas próximas eleições legislativas com votações entre os 80% e os 92%.

O anúncio foi feito após uma reunião em Lisboa que demorou cerca de duas horas e meia, menos do que o habitual em comissões políticas destinadas a aprovar listas de candidatos a deputados.

Mas esta rapidez não reflecte consenso após um processo que gerou algumas polémicas, nomeadamente em Braga, com o ministro Pedro Nuno Santos, responsável pela pasta das Infraestruturas e dirigente do PS, a criticar a direcção pela forma como foram feitas as escolhas.

As críticas de Nuno Santos visavam sobretudo a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, que coordenou todo o processo de escolha dos candidatos socialistas a deputados nas próximas legislativas, mas foi o próprio António Costa quem respondeu ao ministro, como apurou a Lusa.

A agência de notícias refere que, de acordo com dirigentes socialistas, o episódio entre Nuno Santos e Costa passou-se na terça-feira ao fim da tarde, durante a reunião do Secretariado Nacional do PS que antecedeu a aprovação das listas.

Nuno Santos considerou que houve uma excessiva interferência da direcção na composição da lista do círculo de Braga, depois de a respectiva federação a ter aprovado com mais de 80% de votos favoráveis, conforme nota a Lusa.

Costa respondeu às críticas de Nuno Santos e contrapôs que estava em causa a qualidade da lista aprovada pela Comissão Política Federativa de Braga.

Na reunião que se seguiu da Comissão Política Nacional do PS, o líder federativo de Braga, Joaquim Barreto, fez uma intervenção com críticas duras à actuação do seu partido – e Nuno Santos aplaudiu o discurso.

Sónia Fertuzinhos, cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Braga, e Hugo Pires, secretário nacional do PS para a Organização, não constavam dos candidatos incluídos na lista aprovada pela Federação de Braga, tendo sido escolhas directas do secretário-geral do PS.

O terceiro nome da lista de Braga, Maria Begonha, líder da Juventude Socialista, também foi apontado pelo secretário-geral.

Os “suspeitos do costume” e o cuidado com o “familygate”

Também houve polémicas com as escolhas feitas noutros distritos, nomeadamente na Guarda e no Porto. E o líder da corrente minoritária socialista, Daniel Adrião, acusa Costa de ter privilegiado o aparelho partidário na definição das listas.

“São escolhas que reflectem o peso e a influência do aparelho, mas que não reflectem a desejável abertura à sociedade que se impunha, tendo em conta os fraquíssimos níveis de participação eleitoral que se têm vindo a registar”, apontou Adrião na sua intervenção na reunião da Comissão Política em Lisboa.

Adrião realçou ainda que se “valorizou o controlo em detrimento da inovação”, com a direcção a “insistir num modelo de organização política caduco e esgotado, que não é minimamente atractivo” para a sociedade actual. “O resultado são listas sem novidade, sem frescura, construídas apenas numa lógica de gestão de equilíbrios de poder interno”, concluiu.

O PS anunciou uma renovação na composição das listas, relativamente a 2015, mas, na verdade, são compostas pelos “suspeitos do costume”, com “30 actuais governantes em lugares previsivelmente elegíveis”, como salienta o Observador. Esta publicação fez as contas e aponta que “mais de 45% do Governo” integra as listas do PS.

A escolha dos deputados teve especial cuidado com os militantes familiares depois do escândalo do “familygate. Assim, em Setúbal, o líder da distrital, António Mendonça Mendes, secretário de Estado e irmão de Ana Catarina Mendes, não surge na lista que é encabeçada pela secretária-geral adjunta do PS.

Voto secreto e “mais de 56% de mulheres”

No anúncio de aprovação das listas, Carlos César sublinhou que o PS apresenta “mais de 56% de mulheres entre os seus efectivos, respeitando assim a distribuição equilibrada em termos de género”. “Também têm a particularidade de terem sido aprovadas por voto secreto com votações que oscilaram entre os 80% e os 92%”, acrescentou o presidente dos socialistas para demarcar o partido do PSD.

Confrontado com o facto de as listas de candidatos não terem agora representantes nem da CGTP-IN, nem da UGT, Carlos César contrapôs que incluem “personalidades que são pessoas sindicalizadas, que desde logo trabalham e têm um domínio em matérias laborais”.

Para o presidente do PS, mais importante do que a questão de representantes das centrais sindicais nas listas, “é saber o que se pretende para o país”, designadamente nos planos “laboral, económico e social”.

Já sobre as polémicas em torno das listas com as Federações da Guarda e de Braga, Carlos César negou a existência de “problemas específicos nessas áreas”, frisando que “é inevitável” que aconteçam divergências nas escolhas “num partido democrático”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Trump critica muro construído pelos seus apoiantes na fronteira com México

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) criticou hoje um muro construído por apoiantes na fronteira americana com o México e que está em risco de ruir, defendendo que o objetivo do grupo era …

Estado de emergência devido a novo derrame de combustível no Círculo Polar Ártico

As autoridades russas declararam o estado de emergência na localidade de Tukhard, na Sibéria, devido ao derramamento de 44,5 toneladas de combustível num lago, naquele que é o segundo desastre ecológico no Círculo Polar Ártico …

Bélgica inclui Alentejo e Algarve na zona laranja com "maior vigilância"

Os viajantes que entrem na Bélgica oriundos do Alentejo e do Algarve serão sujeitos a “maior vigilância” devido à pandemia da covid-19, segundo o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) belga, que não especifica …

Infetado detido em Miranda do Douro por desrespeitar confinamento obrigatório

A GNR deteve em Miranda do Douro um homem, de 26 anos, por não respeitar o confinamento obrigatório que lhe foi decretado pela autoridade de saúde pública naquele concelho do distrito de Bragança. "O homem encontrava-se …

Sudão aprova criminalização da mutilação genital feminina

O Conselho Soberano, a mais alta autoridade do Sudão, aprovou a criminalização da mutilação genital feminina (MGF), uma prática muito antiga que continua generalizada no país, anunciou o Ministério da Justiça. O Conselho Soberano, composto por …

Andrzej Duda reeleito Presidente da Polónia

O chefe de Estado polaco venceu a segunda volta das eleições Presidenciais com 51,21% dos votos, derrotando o liberal Rafal Trzaskowski, anunciou, esta segunda-feira, a Comissão Eleitoral. Segundo a Comissão Eleitoral, Andrzej Duda conseguiu a reeleição …

Manifestantes criticam escolha de Macron para o Ministério do Interior. Ministro é acusado de violação

Ativistas dos direitos das mulheres protestaram, em França e no estrangeiro, contra a nomeação do novo ministro do Interior, acusado de violação, e do ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo. Ativistas dos direitos das …

Cinco meses depois, chefes de diplomacia da UE voltam a reunir-se em Bruxelas

A reunião contempla temas como o impacto da pandemia, a situação na Líbia, Hong Kong e na Venezuela, as relação da União Europeia com a Índia e África e o Processo de Paz do Médio …

Há 12 países que conseguiram escapar à pandemia

Tendo em conta os casos registados e comunicados oficialmente pelas autoridades, há 12 países no mundo que não registam qualquer caso de infeção. Segundo a universidade norte-americana Johns Hopkins, a covid-19 chegou a 188 países, mas, …

"Prisioneira em casa" há 4 meses. Algarvia já fez 14 testes e não se livra do coronavírus

A algarvia Tânia Poço está infectada com o novo coronavírus há quatro meses. Nesta altura, já não tem sintomas de covid-19, mas os testes que tem feito continuam a assinalar a presença do vírus naquele …