A próxima guerra mundial será “entre grandes hackers”

O neurocientista Moran Cerf trabalhou na prevenção de ciberataques, para o Governo israelita, durante uma década, e prevê, por isso, que a próxima guerra mundial será entre grandes ‘hackers’, disse em entrevista à agência Lusa.

O especialista franco-israelita, que fez uma intervenção na 10.ª edição da TEDx Porto, sobre até que o ponto o ser humano deve confiar no seu cérebro, “nunca ouviu falar de Rui Pinto”, o ‘hacker’ português que se encontra detido pelas autoridades, mas de uma coisa afirmou ter a certeza: “os ‘hackers’ movem-se por interesses particulares”.

O que começou por ser uma atividade de “miúdos que queriam melhorar a sua pontuação nos jogos de computador”, segundo Moran Cerf, “tornou-se numa arma, não aquelas usadas pelos países nos confrontos bélicos, mas a que se recorre para interesse particulares”. Sublinhando que para, se ser um bom ‘hacker’, “há que ter muito atenção aos detalhes e não se ficar apenas pelo que vê”, comparou esta atividade à dos cientistas.

Tendo trabalhado durante quase dez anos para o governo israelita, primeiro para o exército e depois para uma empresa estatal, na prevenção de ciberataques, Moran Cerf descobriu “muitas semelhanças entre ataques informáticos e o entendimento do cérebro”.

Desse estudo extraiu que os “computadores são impossíveis de serem parados”, entendendo, por isso, que “tê-los ligados ao cérebro é uma forma de garantir que não se torna numa guerra, mas sim numa colaboração”, até porque, vincou, “não é claro que os humanos ganhariam”. E de um novo mundo que “carece de legislação” para acompanhar a nova realidade, traçou como exemplo um eventual ataque cibernético a Portugal pela Espanha para explicar o que ainda falta fazer.

“Se a Espanha atacar Portugal com um míssil, o governo português responderia da mesma forma. Contudo, se a Espanha fizer um ataque informático a uma instalação portuguesa e durante dois dias a população não tiver comida não é óbvio qual será a resposta portuguesa”, argumentou Moran Cerf.

E prosseguiu: “A Coreia do Norte fez vários ataques informáticos aos Estados Unidos, e eles, mesmo sabendo de onde partiu o ataque, limitaram-se a dizer para pararem com aquilo. É uma questão que não está legislada. Não está definida que tipo de resposta, internacionalmente aceite, pode avançar em consequência destes ataques”.

Saindo de cenários de guerra para um quotidiano cada vez mais próximo, o especialista deixou outro alerta, quando citou os carros sem condutor: “se há um acidente num carro com condutor, sabemos a quem culpar, mas se tal acontecer num carro gerido por um computador vamos culpar quem ou o quê?”.

“Ninguém conhece a extensão dos danos”

Para o professor da Kellogg School of Management, nos Estados Unidos, um estudioso destas questões e com muitas palestras dadas, “ninguém conhece exatamente a extensão dos danos causados pelos ataques informáticos, mas os governos dos maiores países colecionam informação”.

“Há seis países com ‘hackers’ ativos – Rússia, China, Coreia do Norte, Irão, Estados Unidos e Israel -, que procuram assim combater ataques informáticos massivos. Aqui não há bons nem maus, todos fazem o mesmo e a História há de julgá-los por isso”, revelou.

Questionado pela Lusa se neste cenário a segurança não passa de uma ilusão para o cidadão comum, admitiu-o, mas desdramatizando. “A verdade é que ainda não tivemos um exemplo de uma destruição massiva causada por um ataque informático. Há uns anos a Sony Studios, em Hollywood, foi atacada, mas isso foi por dinheiro, nada de muito dramático. Depois foi a Apple a reclamar que uma companhia chinesa lhe tinha roubado segredos comerciais, ou seja, outra vez dinheiro”, lembrou o especialista.

Na França, Estados Unidos e na Alemanha “viu-se já também, a interferência de ‘hackers’ com fins políticos, o que é um pouco mais sério, mas ainda não vimos uma guerra”, acrescentou antes de avançar com uma previsão.

“Durante o período das nossas vidas a próxima guerra não será como a I ou II Guerra Mundial, disputada com armas, mas talvez porque alguém, por exemplo, carregou numa tecla e cortou a energia elétrica a um hospital ou provocou a explosão de um reator nuclear, e quando isso acontecer finalmente teremos todos a noção do quão sério é um ciberataque. Será uma guerra entre grandes ‘hackers’”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O ciberataque ao fornecimento de energia elétrica na Venezuela por parte dos apoiantes (EUA) dos golpistas é uma utilização desta arma na prática.

Responder a etter Cancelar resposta

Irmãos transformaram 7 linhas de código num império de 36 mil milhões de dólares

Patrick e John Collison são dois jovens empreendedores irlandeses que fundaram a Stripe, uma empresa que criou uma solução alternativa para os pagamentos online, avaliada em 36 mil milhões de dólares. Em vez de construirem soluções …

ECDC. Portugal terá "níveis muito baixos" de novos casos se mantiver restrições

Se Portugal mantiver as restrições adotadas atualmente, irá registar em dezembro “níveis muito baixos” de novos casos de covid-19. O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), criado com a missão de ajudar os …

Com apenas 14 anos, Xiaoyu é o adolescente mais alto do mundo. Mede 2,21 metros

Ren Keyu nasceu na China a 18 de outubro de 2006, e no dia em que comemorou o seu 14º aniversário recebeu também o título do Guinness World Records do adolescente mais alto do mundo, …

Jerónimo "não está a prazo" no PCP (e vai continuar a negociar com o PS)

O PCP continua disponível para negociar com o PS, mas não a troco de nada. Quanto ao quinto mandato consecutivo enquanto secretário-geral do partido, Jerónimo avisou, este domingo, que não está "a prazo". No discurso de …

Hackers expõem na cloud dados que roubaram de utilizadores do Spotify. Foi um acidente

Um grupo de piratas informáticos compilou uma base de dados com cerca de 250.000 palavras-passe do Spotify e armazenaram os dados na cloud. No entanto, esqueceram-se de proteger o armazenamento com uma palavra-passe. De acordo com …

Disney vai colocar em lay-off mais de 30.000 trabalhadores em 2021

A gigante norte-americana Walt Disney Company anunciou esta semana que vai colocar em regime de lay-off 32.000 trabalhadores no primeiro semestre de 2021 devido às quebras financeiras causadas por causada da pandemia de covid-19. A …

Ventura responde a Rodrigues dos Santos (e os ânimos à direita tornam-se cada vez mais ácidos)

Depois de Francisco Rodrigues dos Santos ter afirmado, em entrevista ao Sol, que o CDS "não fará alianças políticas com o partido Chega", André Ventura reagiu em tom irónico: "Como é que o Chega conseguirá …

Portugal com mais 4.093 novos casos e 64 óbitos. Há 536 doentes em cuidados intensivos

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 64 óbitos e 4.093 novos casos de covid-19. O número de internamentos nos cuidados intensivos volta a bater recorde, com 536 doentes. Portugal contabilizou, nas últimas 24 horas, 64 …

Empresa a operar em Espanha e Portugal investigada por má gestão de resíduos da covid

Uma empresa multinacional está a ser investigada pela Guardia Civil espanhola, em estreita colaboração com a Guarda Nacional Republicana (GNR), devido a uma alegada má gestão de resíduos sanitários da covid-19. A Guarda Civil espanhola, em estreita …

"Eu não quero dizer adeus." Mosteiro torna-se símbolo da tensão em Nagorno-Karabakh

O mosteiro de Dadivank, na vila de Karvachar, está a tornar-se um símbolo da tensão que existe entre arménios e azeris na disputa por Nagorno-Karabakh. O mosteiro de Dadivank foi fundado no I Século por um …