Cientistas conseguiram criar proteína que “mata” o cérebro

Pela primeira vez, cientistas conseguiram criar um prião artificial humano, ou seja, uma proteína infecciosa que provoca doenças que destroem o cérebro. Uma descoberta que pode ajudar a curar doenças neuro-degenerativas, como a Creutzfeldt-Jakob e o Alzheimer.

Os priões são proteínas produzidas pelo corpo e que se desenvolveram de forma incorrecta, provocando doenças. Eles ligam-se a outras proteínas, transmitindo-lhes a sua anormalidade, “despoletando um efeito dominó que causa buracos microscópicos, tornando o cérebro numa esponja, o que resulta na deterioração progressiva, demencia e, em alguns casos, na morte”, como explicam os investigadores da Universidade norte-americana Case Western Reserve num comunicado.

Há várias doenças causadas por priões, sendo a mais conhecida a Creutzfeldt-Jakob. Mas o processo de formação destas proteínas patogénicas era um mistério que biólogos moleculares da referida universidade conseguiram agora desvendar.

A sintetização em laboratório de priões que infectam roedores já tinha sido conseguida antes, mas estes não eram infecciosos para os humanos.

Na investigação publicada na Nature Communications, os cientistas apontam como conseguiram criar “um novo prião humano, altamente destrutivo“, conforme se explica no citado comunicado.

Este primeiro prião humano artificial foi desenvolvido a partir da proteína humana PrP, que foi modificada geneticamente e introduzida na bactéria ‘Escherichia coli‘ que depois expressa a molécula “altamente destrutiva” no cérebro.

Neste processo, acabaram por descobrir uma molécula específica que será essencial para a multiplicação dos priões e para a transmissão da doença a pacientes, denominada Ganglioside GM1. Uma descoberta que abre a porta ao desenvolvimento de novos medicamentos, para bloquear os efeitos da replicação de priões e, logo, combater doenças neuro-degenerativas como a Creutzfeldt-Jakob, bem como outras formas de demência.

“As nossas descobertas explicam, a nível estrutural, a emergência de novos priões humanos e fornecem uma base para compreender como diferenças aparentemente subtis, na estrutura da proteína anómala, e modificações afectam a sua transmissibilidade, a segmentação celular, e, consequentemente, as manifestações nos humanos“, explica o professor de Patologia e Neurologia na Escola de Medicina da Case Western Reserve, Jiri G. Safar, que liderou a investigação.

“Conseguir gerar priões humanos sintéticos num laboratório, como fizemos, vai permitir-nos alcançar uma compreensão muito mais rica da estrutura e replicação de priões”, nota Safar no comunicado sobre o estudo. Este conhecimento “é crucial para desenvolver inibidores da sua replicação e propagação por todo o cérebro, o que é essencial para travar doenças do cérebro com base em priões”, acrescenta o investigador.

A doença de Creutzfeldt-Jakob não tem cura, presentemente, apresentando sintomas semelhantes à doença de Alzheimer, designadamente demencia, perdas de memória, dificuldades de visão e de locomoção.

A sintetização deste primeiro prião humano artificial pode acabar também por ter repercussões positivas para as doenças de Alzheimer e de Parkinson, já que “se espalham pelo cérebro de forma semelhante” à Creutzfeldt-Jakob.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …