Responsável da Protecção Civil da Figueira da Foz “abandonou” posto em plena crise do Leslie

Paulo Novais / Lusa

Os efeitos da tempestade Leslie na Figueira da Foz.

A Figueira da Foz, a zona mais abalada pela tempestade Leslie, esteve durante três horas sem o comandante dos Bombeiros e também o coordenador da Protecção Civil municipal, Nuno Osório, que é acusado de abandonar o posto para ir “descansar”.

Nuno Osório confirma a ausência do teatro de operações, assumindo que foi “descansar”, mas salienta que não precisava “de estar presente para haver comunicação”, conforme declarações ao Jornal de Notícias.

A publicação atesta que “o segundo-comandante, a quem Nuno Osório diz ter “passado o serviço”, estava sozinho sem saber para onde se virar” às três da manhã. E “nem o trânsito da ponte foi encerrado”, aponta o jornal.

O antigo responsável da Protecção Civil da Figueira da Foz, Lídio Lopes, já veio pedir a “demissão imediata” de Nuno Osório, acusando-o de “abandonar a coordenação das operações de socorro em plena crise” da tempestade, na madrugada de domingo, “com a população a requisitar a maior ajuda” dos agentes de Protecção Civil e “sem comunicar esse abandono, sequer, a quem o iria substituir no comando operacional dos bombeiros”.

Lídio Lopes, que antecedeu a Nuno Osório no cargo de coordenador da Protecção Civil municipal, apontou ao também comandante dos Bombeiros Municipais a “leviandade de não ter accionado os mecanismos, sob a sua competência e à sua disposição, de prevenção e intervenção em situações de crise e de planeamento, acautelando a intervenção coordenada de todas as entidades que integram o sistema de Protecção Civil” durante a passagem da tempestade Leslie.

Em causa, no pedido de demissão, está o facto de Nuno Osório ter deixado a coordenação operacional, segundo o próprio, para ir “descansar”, alegadamente sem comunicar a ausência, quer a quem o deveria substituir enquanto comandante das operações de socorro (COS), com tutela sobre todos os bombeiros presentes no teatro de operações, quer ao comandante operacional distrital [CODIS] de Coimbra da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Ouvido pela Lusa sobre o paradeiro do coordenador operacional municipal na madrugada de domingo, o presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, afirmou desconhecer e remeteu a resposta para o próprio Nuno Osório.

Já Carlos Luís Tavares, CODIS de Coimbra, que nessa noite enviou para a Figueira da Foz meios de reforço de Aveiro e da Força Especial de Bombeiros, disse desconhecer que Nuno Osório tenha abandonado as funções.

Se o fez, devia ter dado conhecimento e não deu“, frisou Carlos Luís Tavares.

Nuno Osório, admitiu as jornalistas que “não às três da manhã [de domingo], mas mais tarde, em pleno declínio das necessidades de resposta às ocorrências”, cerca das 05 da madrugada, entendeu “ir descansar” para estar de regresso à coordenação a partir das 08:30, o que aconteceu, disse.

O Comandante dos Bombeiros argumentou que o trabalho expectável ao longo do dia “exigia que estivesse minimamente em condições para dar resposta”.

Nuno Osório diz ter passado o comando dos Bombeiros Municipais ao segundo comandante da corporação, Jorge Piedade, e a parte da coordenação da Protecção Civil municipal “aos técnicos superiores” daquela entidade.

Enquanto coordenador operacional municipal, Nuno Osório coordena todas as entidades de Protecção Civil concelhias – corporações de bombeiros, Cruz Vermelha Portuguesa, forças policiais ou funcionários de obras municipais e higiene e limpeza, entre outras.

Já enquanto comandante dos Bombeiros Municipais, numa situação de emergência, também assume as funções de COS, com o comando operacional dos bombeiros presentes – no caso da tempestade Leslie, na Figueira da Foz, a corporação de Voluntários, o reforço de Aveiro e os operacionais da Força Especial de Bombeiros.

Ao ausentar-se, essas funções deveriam passar para o bombeiro mais graduado no município, o que, na prática, é o outro comandante concelhio, o dos Bombeiros Voluntários (BVFF), João Moreira.

Este garantiu à Lusa que não teve “comunicação ou aviso prévio” da ausência de Nuno Osório e que não assumiu, por isso, as funções de COS, ficando a Figueira da Foz “oficialmente sem comandante de operações de socorro” durante várias horas, até ao início da manhã de domingo.

João Moreira adiantou, por outro lado, que só soube da ausência do comandante dos Bombeiros Municipais através de uma chamada “via rádio, porque não havia comunicações [telefónicas]” do segundo comandante Jorge Piedade, “por volta das 02:30”, duas horas e meia antes da hora a que Nuno Osório garante ter ido descansar.

“Perguntou-me onde é que punha os meios [do reforço de Aveiro e da Força Especial de Bombeiros] e eu questionei o porquê da pergunta”, frisou João Moreira, já que essa competência estava atribuída pelo CODIS a Nuno Osório, explicou.

“Perguntei e [Jorge Piedade] disse-me que ele [Nuno Osório] já não estava“, frisou João Moreira.

Instado a esclarecer o caso, Nuno Osório disse desconhecer o contacto entre o seu segundo comandante e João Moreira para que este último decidisse o posicionamento dos meios de reforço, numa altura em que o comandante dos Bombeiros Municipais ainda estaria em funções.

Já sobre quem assume as funções de comandante das operações de socorro na Figueira da Foz, no caso de um eventual impedimento seu, Nuno Osório não respondeu. “Isso está bem definido no sistema de gestão de operações, é só ler a legislação, isso é do âmbito operacional, está claramente definido entre nós”, alegou.

A Figueira da Foz foi a zona mais afectada pela tempestade Leslie em Portugal Continental. Várias infraestruturas da cidade foram danificadas, nomeadamente o porto de pesca e as empresas instaladas na zona industrial da Gala, que sofreram avultados prejuízos.

No sábado à noite, uma rajada de vento atingiu os cerca de 176 quilómetros/hora, o valor mais elevado registado em Portugal, como indicou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A estação de Figueira da Foz/Vila Verde registou aquele valor às 22:40 de sábado, no âmbito de um fenómeno designado por ‘sting jet’, segundo o IPMA. O máximo anterior era de 169 quilómetros por hora, a 17 de Outubro de 2015.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

  1. Bem, se ele lá tivesse permanecido, era igual. Conclusão, eis o significado de “coordenador da proteção civil”: tacho. Não servem para nada, não fazem falta, não fazem nada, e quando fazem, seria melhor não o fazerem. Enfim.

    • Infelizmente fazem falta: é um mecanismo supra-nacional que Teve de ser criado por estes “governos” para garantir a destruição do que tem de ser destruído para bem dos planos dos que mandam em meio mundo. O outro lado da mesma moeda é a não reconstrução das casas queimadas. Capice? ou tenho de fazer um desenho? Só queremos gentinha em cidades grandes! Acabou o regabofe de morar no campo-
      Desertificação? Claro. É mesmo para acontecer. Investir na prevenção? Claro que não! É mesmo para deixar arder e criar medo generalizado de lá viver.

  2. o problema habitual, dão-se cargos.

    jobs for the boys and girls, em vez de se atribuirem a pessoas competentes e responsáveis.

    os incêndios de má memória são exemplo claro disso mesmo, mas parece que não se aprendeu nada.

    tb desta classe politica que nos desgoverna há dezenas de anos que não espero nada de novo, a tendência é mesmo piorar.

  3. Até tenho vergonha de dizer que sou da Figueira da Foz.
    Esse senhor (será?) devia de imediato ter-se demitido, assim descansava mais um bocadito. O problema é que nem se demite nem o demitem porque o poder do TACHO tem muito mais força. INTERESSEIROS
    “Ai tou com sono, vou ali descansar a pestana, para daqui a um bocado estar todo lindo para falar na TV”, ao que chegou a nossa cidade e país…

  4. Continuem a deixar o lobby dos bombeiros e politicos, mandar na Proteccao Civil e o resultado vai ser sempre este!!!!

    Um bem haja aos homens e mulheres qe estiveram sempre presentes no terreno.

  5. Não há dúvida, tudo que cheira a Bombeiros,Proteççao Civil, autoridades disto e daquilo, só vem mostrar através dos tempos,e só serve para chupar
    dinheiro ao Estado, no final mais um inquérito que não vai dar em nada, e no final vai ser condecorado, pelos bons serviços prestados ao Estado.

  6. O homem seria mais útil no dia seguinte e de dia para a reorganização,… essas organizações não morrem se o chefe não está,…. calculo,…

  7. Nunca !! mas Nunca mais esta pessoa e outros tantos como ele, deveriam de exercer qualquer cargo Publico, alias deveriam de ser penalizados com um processo crime por falta das suas obrigaçoes e funçoes, pondo em causa centenas de pessoas em perigo.

  8. o que vai valendo a este país é que na realidade as catástrofes naturais têm nos dado muitas tréguas, pois o dia que algo muito sério acontecer vamos ver a real capacidade de resposta que temos preparado, nem quero imaginar.

  9. O que estes Doutores ou Engenheiros neste País querem, é um bom TACHO e de preferencia uma boa Reformas ou Reformas acumuladas, o mais curto espaço de tempo possível.
    TRABALHO É PARA OS ESCRAVOS

  10. Na minha terra houve um pequeno incêndio e era vê-los em grandes jipões a caminho mas não para apagar o fogo. É tudo boys dos partidos, bem entachados, alguns com licenciaturas domingueiras mas com o cartão do partido. Isso é que não pode faltar. Quadrilha!!!

  11. Será que ninguém vê que lhe andam a tentar fazer a cama? querem que o outro soneca do Comandante dos bombeiros voluntarios(a part-time) lhe fique com o lugar..

RESPONDER

Pinto da Costa diz ter total confiança em Sérgio Conceição

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, garantiu que tem "total confiança nos jogadores e no treinador", Sérgio Conceição, que no sábado colocou o lugar à disposição, de acordo com a newsletter oficial dos …

Isabel dos Santos utilizou três identidades para entrar e sair de Portugal

A empresária angola Isabel dos Santos utilizou três documentos de identificação distintos durante as últimas viagens que fez entre Portugal e o Reino Unido. "Izabel Dosovna Kukanova", "Isabel José dos Santos" e "Santos Isabel" foram as …

Voar nunca foi tão seguro, garante a Estatística

Voar em companhias áreas comerciais nunca foi tão seguro, garante um estudo levado a cabo por um professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que monitoriza o número de mortes de passageiros de todo o …

Coronavírus já provocou 56 mortes. China começa a desenvolver vacina

China começou a desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus, que já provocou a morte a 56 pessoas e infetou 1.975 pessoas no país, informa este domingo o jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). De …

Portugueses vencem "Óscares" de animação em Los Angeles

O filme “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias” da realizadora portuguesa Regina Pessoa, venceu este domingo o prémio de Melhor Curta Metragem e Sérgio Martins venceu a Melhor Direção de Animação em Longa Metragem, pelo …

Juiz Neto de Moura muda nome com que assina acórdãos

O juiz Neto de Moura, envolvido em algumas decisões polémicas sobre violência doméstica, alterou o nome com que assina os acórdãos, avança o Jornal de Notícias na sua edição impressa deste domingo. De acordo com …

Violenta tempestade faz pelo menos 30 mortos em Minas Gerais

A violenta tempestade que desde quinta-feira assola o estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil, já provocou pelo menos 30 mortos e 17 desaparecidos, anunciou este domingo a Proteção Civil. De acordo com o novo balanço, …

Descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham

Foram descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham usando as suas barbatanas. Ao todo são já conhecidas nove espécies deste tipo de tubarões. Investigadores encontraram tubarões que caminham nas águas do norte da Austrália e …

Caso suspeito de infeção por coronavírus em Portugal deu negativo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou este domingo que o primeiro caso suspeita de coronavírus em Portugal, com um paciente sob observação no Hospital de Curry Cabral, em Lisboa, deu negativo após  análises. "A Direção-Geral da …

Francisco Rodrigues dos Santos é o novo líder do CDS

A moção de estratégia de Francisco Rodrigues dos Santos, sob o título "Voltar a Acreditar", foi a mais votada na madrugada domingo no 28.º congresso do CDS, em Aveiro, avançaram à agência Lusa fontes partidárias. A …