Proteção de Dados aponta normas inconstitucionais no Orçamento

António Cotrim / Lusa

A Comissão Nacional de Proteção de Dados considera que o Orçamento de Estado para 2019 tem normas “inconstitucionais” por violarem direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

Em causa está a interconexão entre as bases de dados de várias entidades públicas, uma prática que tem vindo a expandir-se e a merecer sucessivos alertas da CNPD. Desta vez, a autoridade nacional subiu o tom e diz mesmo que o documento com as contas públicas para 2019 contém normas contrárias à Constituição.

A CNPD visa dois artigos, recorda o DN. O primeiro permitirá troca de informações entre a base de dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional e a base de dados da Administração Central do Sistema de Saúde.

A medida é justificada com o reforço do “rigor na atribuição dos apoios públicos no âmbito da execução das políticas de emprego e formação profissional”, dos “incentivos ao emprego”, na procura de uma “maior eficácia na prevenção e combate à fraude nestes domínios” e ainda para “promover a desburocratização na relação com o cidadão”.

Para a CNPD, esta explicação é insuficiente, uma vez que não é especificado a que tipo de informação o IEFP e a ACSS precisam de aceder, não sendo “alcançável que informação possa essa ser” ou que categorias de dados “podem ser pertinentes”.

A comissão considera este artigo “inconstitucional” e que deveria ser “eliminado ou substancialmente revisto”.

Mas não é o único. O mesmo é válido para outra troca de informações entre bases de dados, que envolve a Agência Portuguesa para o Desenvolvimento e Coesão.

O OE prevê que esta Agência possa “estabelecer as necessárias interconexões de dados” com sete entidades públicas diferentes – Autoridade Tributária, Segurança Social, Instituto dos Registos e Notariado, Instituto do Emprego e Formação Profissional, Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, Instituto de Gestão Financeira da Educação e Agência para a Modernização Administrativa.

A esta lista juntam-se “os demais serviços da administração pública cuja intervenção se afigure relevante e necessária à prossecução das referidas competências”. Mas, para a CNPD, esta norma, “constitui uma disposição em branco, não tendo uma dose mínima de densidade normativa para regular uma operação que necessariamente traduz uma restrição ou condicionamento de um direito, liberdade e garantia”.

Em ambos os casos, a CNPD contesta que “estas disposições abertas e indeterminadas” venham a ser preenchidas por via de protocolos a celebrar entre as entidades administrativas envolvidas, concluindo que a “suspensão da vinculação da administração pública ao princípio da legalidade é evidente”.

“Não pode remeter-se para normas regulamentares ou acordos interadministrativos a definição dos aspetos essenciais dos tratamentos de dados pessoais“, sustenta a Comissão Nacional de Proteção de Dados, invocando que isto é tanto mais relevante quanto estejam em causa “dados de natureza sensível”, como são os dados de saúde.

Como tem feito nos últimos anos, a CNPD insiste que estas interconexões de dados devem ser objeto de legislação específica e não dispersas pelo Orçamento do Estado.

O organismo liderado por Filipa Calvão reitera o que já tinha afirmado no OE2018: “A verdade é que do conjunto das interconexões resulta uma teia de ligações entre bases de dados que permite, a partir de um qualquer elemento identificativo, inter-relacionar toda a informação relativa a cada cidadão na posse de toda a administração pública portuguesa”.

O Orçamento do Estado para 2019 abre a porta a pelo menos dez novas situações de troca de dados, o que para a CNPD é “um número muito elevado”, até porque “a maior parte integra dados pessoais de elevada sensibilidade“.

Além das duas já referidas, fica também prevista a possibilidade de interconexão de dados entre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a Autoridade Tributária, o Serviço Nacional de Saúde e a Segurança Social. O mesmo entre a Direção-Geral das Atividades Económicas e a Autoridade Tributária.

Outra interconexão prevista será entre o Instituto dos Registos e Notariado e a Segurança Social. Será ainda permitida a interconexão entre a Caixa Geral de Aposentações e as juntas médicas das Forças Armadas, da GNR e da PSP, bem como da ADSE.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …