Os primeiros humanos a chegar ao “teto do mundo” foram os denisovanos

Quarenta metros acima do leito do rio chinês no planalto tibetano é a Baishiya Karst Cave, um famoso destino de peregrinação budista moderno, decorado com bandeiras de oração tibetanas.

Mas há 160 mil anos, esse local remoto foi o lar dos primeiros humanos modernos que chegavam ao Planalto Tibetano – e não eram neandertais.

Uma nova análise de uma mandíbula hominídea encontrada na caverna há mais de três décadas sugere que os primeiros humanos modernos a ocupar a caverna eram Denisovanos, indicando que a espécie poderia ter-se difundido e não se limitou à caverna russa que se sabe ter sido o seu lar.

“Traços do ADN de Denisovano são encontrados em populações asiáticas, australianas e melanésias atuais, sugerindo que esses antigos homininos podem ter-se difundido”, disse o investigador Jean-Jacques Hublin em comunicado. “No entanto, até agora, os únicos fósseis que representam o antigo grupo hominídeo foram identificados na Caverna Denisova.”

O osso maxilar fossilizado foi encontrado pela primeira vez em 1980 por um monge local. Desde 2010, cientistas da Universidade de Lanzhou estudaram o sítio da caverna em que se encontravam e iniciaram uma colaboração seis anos depois com o Departamento de Evolução Humana para analisar conjuntamente o maxilar.

Publicando o seu trabalho na revista Nature, os investigadores escrevem que, embora não tenham encontrado nenhum traço de ADN, conseguiram analisar antigas proteínas extraídas de um dos molares bem preservados.

“As antigas proteínas da mandíbula estão altamente degradadas e distinguíveis das proteínas modernas que podem contaminar uma amostra”, disse Frido Welker, do MPI-EVA e da Universidade de Copenhaga. “A análise de proteínas mostra que a mandíbula pertencia a uma população hominídea intimamente relacionada com os Denisovanos da caverna Denisova.”

A forma robusta e primitiva da mandíbula e os grandes molares são comuns com os dos neandertais e espécimes encontrados na caverna de Denisova. A datação em série U de uma pesada crosta de carbonato ligada à mandíbula sugere que o fóssil tem pelo menos 160.000 anos de idade – “uma idade mínima igual à dos espécimes mais antigos da caverna de Denisova”.

Os denisovanos são o extinto grupo irmão dos neandertais e a sua existência só é conhecida diretamente de fósseis e genomas fragmentados que foram estudados numa caverna siberiana. As espécies foram reveladas pela primeira vez em 2010, quando os investigadores sequenciaram o genoma de um osso de um dedo e descobriram que pertencia a um grupo geneticamente diferente dos neandertais.

Estudos genéticos anteriores sugerem que as populações atuais do Himalaia têm um gene que foi transmitido pelos Denisovanos para ajudá-los a adaptar-se ao ambiente de alta altitude e baixo oxigénio do Planalto Tibetano. A descoberta da mandíbula favorece esta ideia, acrescentando que grupos de Denisovanos adaptaram-se a viver nesta região antes de o Homo sapiens chegar.

PARTILHAR

RESPONDER

Em pânico, os norte-americanos estão a comprar pintainhos para lidar com a pandemia

Todo o mundo está a ser afetado pela pandemia de covid-19, tendo os norte-americanos, inicialmente, corrido aos supermercados para comprar o máximo de papel higiénico possível. Porém, agora, o produto é outro. De acordo com o …

20 anos depois, aldeias no Peru ainda sofrem com derrame de mercúrio

Em junho de 2000, um camião derramou mercúrio, da mina de ouro Yanacocha, a maior da América Latina, em três aldeias do Peru. 20 anos depois, os moradores ainda sofrem as consequências deste acidente. Quando Francisca …

Caso BPP. Ex-banqueiro João Rendeiro acusado de nova burla

O Ministério Público (MP) acusou o ex-presidente e fundador do BPP, João Rendeiro, de mais um crime de burla qualificada no caso BPP, segundo avança o Correio da Manhã. A acusação relaciona-se, de acordo com o …

EUA "confiscam" na Tailândia 200 mil máscaras que iam para a Alemanha

A polícia de Berlim, na Alemanha, encomendou 200 mil máscaras cirúrgicas a uma empresa americana. Porém, foram "confiscadas" em Banguecoque, na Tailândia, e desviadas para os Estados Unidos. O ministro do Interior de Berlim considerou o …

Valência chega a acordo com Diogo Leite. Saída do FC Porto estará quase consumada

O Valência tem 20 milhões de euros para oferecer ao FC Porto em troca do defesa-central Diogo Leite, com quem já terá chegado a acordo. De acordo com o jornal desportivo A Bola, Diogo Leite já …

Jornais espanhóis fazem boicote às "conferências-farsas" do Governo

Os jornais espanhóis, como o Libertad Digital, o El Mundo, o ABC e o Vozpópuli, estão a boicotar as conferências de imprensa do governo de Espanha, acusando-o de filtrar as perguntas dos meios de comunicação. Tudo começou …

Número diário de óbitos desce em Espanha. Mais um campo de refugiados grego em quarentena

Em Espanha, o número diário de óbitos por infeção de covid-19 tem mantido uma tendência de subida. Já na Alemanha, há menos casos, mas mais mortes. Espanha continua a manter a tendência de descida do número …

Trump diz que o pior está para vir (mas admite aliviar restrições para ir à missa na Páscoa)

Este sábado, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu que o pior ainda está para vir e que ainda “vai haver muitas mortes". Depois, disse que está a pensar aliviar as restrições para permitir …

Covid-19. Mais 754 casos de infeção e 29 mortes em Portugal

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Deral da Saúde (DGS) este domingo, há 11.278 infetados por covid-19 em Portugal e 295 óbitos. O número de infetados por covid-19 subiu, este domingo, para um total …

Inspetores do SEF suspeitos de assassinar ucraniano foram identificados em carta anónima

Os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) suspeitos de assassinar um ucraniano no aeroporto de Lisboa foram identificados numa carta anónima enviada à Polícia Judiciária (PJ). De acordo com o semanário Expresso, a …